Exportação

Exportação aos árabes cai em receita, mas cresce em volume

A exportação do Brasil aos países árabes somou US$ 6,05 bilhões de janeiro a julho, uma queda de 15,38% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram embarcadas 22,48 milhões de toneladas de produtos, um crescimento de 6,08% na mesma comparação. Os dados são da Câmara de Comércio Árabe Brasileira. De acordo com a entidade, as receitas caíram em função do recuo nos preços internacionais de itens exportados pelo Brasil, barreiras impostas ao frango, maior competição por parte da Austrália na área de carne bovina e da greve do setor de transporte rodoviário de cargas ocorrida no final de maio e início de junho. O aumento do volume exportado, porém, mostra que a demanda pelas mercadorias brasileiras segue firme na região. Segundo a instituição, boa parte do recuo nas receitas é explicada pela super safra mundial de açúcar, principal produto exportado pelo Brasil aos árabes. Isso pressiona o preço da commodity para baixo no mercado internacional e faz com que os produtores brasileiros direcionem mais cana de açúcar para fabricação de etanol, ao invés de produzir açúcar para exportação. Além disso, a Arábia Saudita vem questionando o abate de frangos no Brasil. O país é o principal destino do produto. Os sauditas questionam o uso de insensibilização elétrica antes do abate propriamente dito. A insensibilização reduz as perdas, pois o animal não se debate e, portanto, não estraga parte da carne. Esta exigência dos sauditas é um problema principalmente para empresas de menor porte. “O Brasil deve prestar atenção à essa situação. Temos tradição de fornecer aos árabes, o quarto destino das exportações brasileiras [como um todo], frango de valor agregado e nossos esforços devem continuar nesse sentido”, disse o presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun. Aumentaram, no entanto, as exportações de soja, em 37,48% sobre os sete primeiros meses de 2017, para US$ 212,19 milhões; de milho, em 42,9%, para US$ 183,53 milhões; de minério de ferro, em 34,72%, para US$ 851,65 milhões; e de carne bovina, em 1,39%, para US$ 513,86 milhões. Em julho, isoladamente, a exportação do Brasil aos árabes rendeu US$ 934,2 milhões, um recuo de 15,5% em relação ao mesmo mês do ano passado.

(ANBA) (Assessoria de Imprensa)



Visite  www.ovosite.com.br  - O Portal do Ovo na Internet