Domingo, 23 de Julho de 2017
Análise

Setor de carnes é um dos raros em que o Brasil é referência global
Cingapura, 17 de Abril de 2017 - A exportação brasileira de carnes cresceu 13% ao ano desde 2000 e atingiu US$ 14,4 bilhões em 2016. Ocupamos o 2º lugar no ranking mundial, exportando carne de aves para 160 países (1º do mundo), bovina para 138 países (2º lugar) e suína para 88 países (4º lugar).

A exportação é volumosa e diversificada em produtos e destinos neste setor, sem dúvida um dos mais dinâmicos do agronegócio mundial. Se o Brasil sair do mercado mundial, haverá uma imediata escassez, que impactará a segurança alimentar de boa parte da população mundial.

Os principais fatores que explicam o sucesso do Brasil nas proteínas animais são:

Disponibilidade de milho e farelo de soja: principais componentes da ração usada para criar aves e suínos, esses dois itens respondem por mais da metade do custo de produção dos animais. A maioria dos países que produzem carne no mundo importa soja e/ou milho das Américas, o que encarece o seu custo de produção.

Produtividade: genética avançada e uso de insumos modernos garantem elevadas conversões alimentares na produção de aves e suínos (kg de ração por kg de carne). No boi, o melhoramento de capins tropicais e do gado zebuíno (puro ou cruzado com raças europeias) gerou 143% de ganho de produtividade desde 1990.

Status sanitário: o Brasil tem sido privilegiado pela ausência de graves epidemias que atingem a pecuária em outros continentes, como a influenza aviária, a doença de newcastle, a peste suína, a diarreia epidêmica porcina e a vaca louca.

Coordenação da cadeia produtiva: exemplos notáveis de coordenação e eficiência da cadeia de carnes são:

a) o sistema de integração lavoura-pecuária na produção primária de grãos e bovinos;

b) a integração vertical entre pequenos produtores de suínos e aves e as indústrias processadoras, sejam elas privadas ou cooperativas;

c) a amplitude e a eficiência da cadeia fria, que vai do processamento à geladeira dos consumidores no país e no exterior;

d) a grande quantidade de auditorias, certificações e padrões privados que garantem qualidade, sanidade, rastreabilidade e bem-estar do animal.

Vale destacar que a maior parte dos países importadores impõe rígidos sistemas de aprovação de cada unidade brasileira que quer exportar: acordo sanitário internacional, preenchimento de questionários e auditorias que vão habilitar e monitorar só uma parte das unidades.

Esse processo é moroso e pouco transparente, repleto de travas sanitárias, técnicas e burocráticas, não raro sem base científica e previsibilidade. Nossos frigoríficos são constantemente inspecionados por técnicos e clientes dos países importadores: em 2016, só a JBS e a BRF receberam 550 auditorias do exterior.

Curiosamente vários países que hoje restringem a carne brasileira não aplicam internamente os mesmos critérios exigidos nas importações. A realidade nua e crua de grande parte dos países em desenvolvimento é triste: abate de animais vivos em mercados molhados (chamados de "wet markets"), sujeira e contaminações por toda a parte, animais heterogêneos e sem controle sanitário de origem, trabalhadores descalços, sem camisa, luvas ou toucas de proteção, ausência de cadeia fria no mercado e nas casas.

Padrão, sanidade, qualidade e cadeia fria infelizmente são a exceção, e não a regra, para a maior parte dos consumidores do planeta.

O setor de proteínas animais é um dos raros segmentos da economia em que nos tornamos referência global, graças a exportações que agregam volume, qualidade, sanidade e preços acessíveis, além de boas perspectivas. Basta dizer que, enquanto a demanda mundial por alimentos aumentará 46% até 2050, a procura por proteínas animais crescerá 95%, mais que o dobro.
(Folha de S. Paulo ) (Marcos Sawaya Jank)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 23/07
Sexta-Feira, 21/07
Cobb-Vantress promove 3ª edição da Queima do Frango, em Rio Preto (SP) (13:29)
Proposta de UE e Brasil para subsídios causa divergência (09:17)
Futuro para a produção de carnes é bastante positivo e frango se destaca (08:41)
OVOS/CEPEA: clima frio controla oferta e sustenta cotações (08:25)
Cresce demanda em leilão de milho (08:12)
Em dez anos, produção de grãos pode superar 300 milhões de toneladas (08:10)
Milho sobe 8,5 pontos na CBOT com os fundos alongando posições sobre as mesmas notícias de clima quente nos EUA (08:08)
Com clima quente e seco nos EUA, soja sobe mais de 1% em Chicago e puxa preços no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 20/07
Portarias autorizam Mapa a contratar 300 médicos veterinários (15:19)
HatchTech apresenta dois novos Gerentes de Vendas Internacionais (14:09)
Aurora deve aproveitar crise da concorrência e dobrar abates (09:04)
Brasil facilita entrada de produtos agropecuários da UE (08:40)
Santa Catarina encerra colheita de milho com incremento de 17% na produção (08:36)
Governo atualiza preços mínimos da safra de verão (08:25)
Conab anuncia novos leilões de milho para garantia de preços ao produtor (08:04)
Soja: apesar das altas em Chicago, 4ª feira de poucos negócios no Brasil frente à queda do dólar (08:00)
Quarta-Feira, 19/07
Cobb-Vantress realiza encontro com especialistas do Serviço Técnico (13:29)
SIAVS debate formação profissional para a produção animal (10:25)
CBNA realiza IV Congresso de Tecnologia da Produção de Alimentos para animais (09:28)
Receita altera normas de restituição (08:55)
Fiscal brasileiro presidirá Codex (08:52)
MP do Funrural deverá frustrar os frigoríficos (08:49)
Frio vai afetar ainda mais o preço do boi, que está em queda (08:12)
Começa disparada de fretes dos grãos (08:09)
Milho: dia de leves movimentações nas cotações (08:07)
Mercado interno da soja se mantêm estável (08:00)
Terça-Feira, 18/07
SIAVS debate controle da Salmonella e Listeria (10:34)
Fiscais ameaçam fazer novas mobilizações no país (09:11)
Avicultura vai dobrar valores de contribuição para Fundesa (09:05)
Theseo participa em mais uma edição da Festa do Ovo (08:39)
BRF não tira proveito de crise da JBS (08:27)
Mobilização: fiscais federais agropecuários paralisaram as atividades (08:24)
Mercado dos EUA à carne brasileira deve ser reaberto em até 60 dias (08:15)
Milho: mercado interno em busca de ajustes (08:05)
Soja: preços no Brasil apresentam queda (08:00)