Sábado, 18 de Novembro de 2017
Matérias-Primas

Mercado interno do milho fechou a última semana estável
Campinas,SP, 17 de Abril de 2017 - A última quinta-feira foi de estabilidade aos preços do milho praticados no mercado doméstico, segundo levantamento realizado pelo economista do Notícias Agrícolas, André Lopes. Em Sorriso (MT), o valor caiu 11,76%, com a saca a R$ 15,00. Já em São Gabriel do Oeste (MS), a alta foi de 2,63%, com a saca do cereal a R$ 19,50.

Ainda conforme ressaltam os analistas, as cotações do cereal continuam pressionadas negativamente diante da projeção de uma grande safra de milho no Brasil. Segundo dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), os produtores deverão colher 91,46 milhões de toneladas do cereal nesta temporada.

Inclusive, em alguns lugares, os preços praticados estão abaixo dos valores mínimos fixados pelo Governo. Esse é o caso de Goiás, onde a saca futura é cotada a R$ 18,50 e o preço mínimo para o estado é de R$ 19,21 a saca.

“Estamos em conversação com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) pata trazer essas medidas em tempo hábil aos produtores. Através de leilões de PEP (Prêmio para Escoamento de Produto), Pepro (Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural) e também leilões de opções. São conversas que já estão bem avançadas”, disse o consultor técnico da Faeg (Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás) e da Aprosoja Goiás, Cristiano Palavro.

Além dessas medidas, os especialistas ponderam que as exportações podem ajudar a enxugar o excedente de oferta no mercado interno. Para essa temporada, a perspectiva é que os embarques fiquem próximos de 24 milhões de toneladas.

Até agora, o acumulado na trimestre é de 2,18 milhões de toneladas de milho. No mesmo período do ano anterior, o volume era de 11,86 milhões de toneladas. Em março, o volume embarcado ficou em 243 mil toneladas. Os dados são da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

Enquanto isso, na BM&F Bovespa, as cotações do cereal encerraram o pregão com ligeiras altas. As principais posições da commodity subiram entre 0,36% e 0,70%. O maio/17 era cotado a R$ 27,20 a saca e o setembro/17 a R$ 27,55 a saca. Já o novembro/17 operava a R$ 27,80 a saca.

As cotações subiram impulsionadas pelos ganhos em Chicago e também com influência do câmbio. A moeda norte-americana encerrou o dia a R$ 3,1465 na venda, com alta de 0,40%. Conforme dados da Reuters, a cautela foi mantida antes do Feriado de Páscoa no Brasil e com preocupações no cenário político internacional.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 18/11
Sexta-Feira, 17/11
Valor da Produção Agropecuária de 2017 é de R$ 533,5 bilhões (09:55)
Quinta-Feira, 16/11
Matrizes de valor (16:09)
AB Vista destaca o NIR como ferramenta ideal para nutrição de precisão (11:14)
CHICK Program garante eficácia na vacinação em Incubatórios (10:19)
Rússia eleva tom de ameaças a carnes do Brasil (08:51)
Mudanças em MP dobram renúncia com Funrural (08:50)
Favorito de Abilio ganha força na BRF (08:42)
Quarta-Feira, 15/11
Terça-Feira, 14/11
Embrapa atualiza guia de manejo da galinha poedeira 051 (14:38)
Apta (SP) abre concurso para 33 pesquisadores científicos (10:30)
MAPA e associações de fiscais discutem modelo de inspeção (10:19)
Com adesão ao Refis, lucro da JBS caiu 64% no 3º trimestre (09:09)
Lucro líquido da Tyson Foods cresceu quase 0,8% no 4º trimestre (09:00)
Garantia de abate halal deve aumentar exportação a países muçulmanos (08:29)
Novo aplicativo ajuda a agir rápido para assegurar saúde de rebanhos (08:29)
Mapa participa de ação mundial sobre o uso racional de antibióticos (08:28)