Domingo, 27 de Maio de 2018
Empresas

Alegra refaz planos e prevê chegar a R$ 1 bi só em 2021
São Paulo, 19 de Janeiro de 2018 -

A severa escassez de milho que atingiu os produtores de frangos e suínos do país em 2016 atrasou o plano de negócios da Alegra Foods em dois anos. Sociedade entre as cooperativas paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal, o frigorífico de carne suína agora vislumbra faturar R$ 1 bilhão apenas em 2021.

"Vai demorar um pouco mais. Precisamos dos investimentos no campo", disse ao Valor o superintendente da Alegra, Ivonei Durigon. De acordo com o executivo, os cooperados que fornecem suínos para a frigorífico para expandir a capacidade de suas granjas.

Sediada em Castro (PR), na região dos Campos Gerais, a Alegra entrou em operação comercial em meados de 2015, quando a quebra da safra brasileira que seria colhida no ano seguinte não estava no radar. Na estreia, o frigorífico abatia 2,1 mil suínos ao dia.

Àquela altura, a empresa paranaense projetava elevar gradualmente os abates, alcançando 4,6 mil animais por dia em 2019. No entanto, a escassez de milho atingiu a suinocultura em cheio. Ante a disparada do preço da ração, muitos produtores independentes - aqueles que não têm contratos de longo prazo com as grandes indústrias e que não são associados a cooperativas - deixaram a atividade, disse Durigon.

Em meio à crise e ao sentimento de "insegurança", os cooperados pisaram no freio, reconheceu o superintendente da Alegra. Por causa disso, as metas foram revistas. Originalmente, a companhia projetava faturar R$ 600 milhões em 2016, mas as vendas renderam só R$ 371,2 milhões no período.

Nesse cenário, a Alegra também levará mais tempo para recuperar o investimento feito pelas cooperativas na construção do frigorífico. "Se consideramos os três anos de operações, já investimos R$ 300 milhões. Foi um investimento alto. Ainda temos que buscar o ponto de equilíbrio", reconheceu o executivo.

Para erguer o frigorífico, que é um dos maiores projetos 'greenfield' do setor no Brasil, as três cooperativas paranaenses tomaram financiamentos no Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), lembrou Durigon.

A despeito dos desafios financeiros, o executivo enfatizou o crescimento contínuo. Embora em ritmo mais lento, a Alegra manteve a trajetória de expansão. No último ano, o faturamento alcançou R$ 512,4 milhões, crescimento de 38% na comparação com o ano anterior. Agora, a expectativa é que o faturamento supere R$ 600 milhões em 2018. Para tanto, a Alegra conta com a ampliação de abates e produção de itens como presunto, linguiça calabresa, bacon, entre outros.

A empresa fechou o ano passado abatendo 3,2 mil animais por dia. Até o fim de 2018, devem ser 3,5 mil cabeças por dia. Segundo Durigon, a produção de industrializados deverá alcançar 3 mil toneladas mensais até o fim do ano, ante as atuais 2 mil toneladas. Parte da produção de itens industrializados da Alegra é feita para terceiros, como a Ceratti. A empresa também é fornecedora de carnes - industrializadas e in natura - para redes de food service como McDonald's, Applebee's, Outback e Madero, disse.

Afora o segmento de industrializados, a ampliação dos abates da companhia também deve permitir a ampliação das exportações. Hoje, a Alegra obtém cerca de 30% do faturamento nas exportações, de acordo com o executivo. Os principais destinos das exportações da companhia são Hong Kong, Cingapura e Emirados Árabes Unidos.

A Alegra ainda não tem habilitação para exportar à Rússia, o que no momento é um alento. Responsável por 40% das exportações brasileiras, a Rússia embargou o a carne suína do Brasil em novembro. A despeito disso, o superintendente da Alegra acredita que os russos devem reabrir o mercado em breve. Por isso, a empresa mantém o interesse em ter a habilitação.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 27/05
Sexta-Feira, 25/05
Greve dos caminhoneiros: quando um direito vira chantagem (15:04)
Evento Avicultor 2018 está de casa nova (14:55)
Temer sobe o tom e anuncia uso das forças federais para desbloquear estradas (14:53)
ACAV abre inscrições para o 12º Simpósio Técnico de Incubação, Matrizes de Corte e Nutrição (14:32)
ABPA alerta sobre risco de falta de ração nas granjas (14:28)
Manifestantes e governo selam acordo para liberação de cargas essenciais no Paraná (14:23)
BOI e SUÍNO: acompanhe as análises de mercado do CEPEA (09:06)
Maggi recebe na OIE certificado do Brasil livre da aftosa com vacinação (08:13)
Indústrias de suínos e aves param hoje (08:11)
CNA defende solução imediata para bloqueio nas estradas (08:09)
Greve já provoca canibalismo entre aves (08:07)
Produção global de milho em queda (08:06)
Milho: após altas recentes, mercado passa por correção nesta 5ª feira e exibe leves quedas na CBOT (08:05)
Área plantada de soja voltará a aumentar (08:01)
Soja fecha com leves baixas em Chicago nesta 5ª feira, mas preços se mantêm nos portos do BR (08:00)
Quinta-Feira, 24/05
Wisium reforça atuação na região Sul e apresenta Gerente de Negócios (11:53)
ABPA alerta para liberação das cargas vivas (11:41)
Greve dos caminhoneiros impacta o agronegócio de SC (10:21)
Conferência FACTA 2018 reúne setor avícola e coloca a salmonela em discussão (09:59)
Entrevista com Dr. Sérgio Puppin, autor do livro "Ovo - O Mito do Colesterol" (09:36)
Alimentos com maior peso no consumo das famílias ajudam a derrubar inflação (09:29)
Brasil recebe certificação oficial de País Livre da Aftosa (09:20)
Boehringer Ingelheim Saúde Animal promove Road Show Aves 2018 para discutir temas ligados à sanidade avícola (09:08)
STF reafirma constitucionalidade do Funrural e nega modulação (08:57)
Greve dos caminhoneiros paralisa frigoríficos e laticínios (08:22)
Brasil já deixou de exportar US$ 60 milhões em carnes por causa de greve (08:20)
Deus salve o frango! (08:10)
Preço do milho segue firme no mercado interno (08:08)
Soja tem boas altas em Chicago nesta 5ª de olho no clima do Corn Belt (08:00)
Quarta-Feira, 23/05
Justiça determina liberação imediata de 6 rodovias federais (21:32)
Associação de caminhoneiros ameaça interromper trânsito de carga viva (18:39)
Greve de caminhoneiros paralisa mais da metade da produção de carne suína e de aves (18:36)
Comer um ovo por dia pode proteger o coração, sugere estudo (08:52)
Ovos cage free: granjas da Argentina e Chile recebem selo Certified Humane (08:44)
Marfrig avança no processo de venda da Keystone (08:41)
Sem transporte, 40 processadoras de carnes serão paralisadas no Brasil (08:34)
Greve dos caminhoneiros atinge estradas de 22 estados, diz PRF (08:28)
Paralisação de caminhoneiros afetou chegada de grãos a Paranaguá (08:10)
Milho: em Chicago, mercado sobe pelo 2º dia consecutivo com suporte do trigo e de olho na demanda (08:05)
Soja: altas em Chicago amenizam pressão do dólar e portos do BR se mantêm acima dos R$ 85/saca (08:00)
Terça-Feira, 22/05
Greve dos caminhoneiros causa paralisação total na Aurora Alimentos (18:35)
ABPA alerta sobre os riscos de continuidade das paralisações e bloqueios nas rodovias federais e estaduais do País (10:31)
Fim do embargo russo a carnes está próximo (08:52)
Preços agropecuários em São Paulo subiram 2,14% em abril (08:24)
Rússia reabrirá seu mercado às carnes do Brasil (08:19)
Milho: mercado brasileiro apresenta leves movimentações (08:05)
MILHO/CEPEA: incertezas quanto à produtividade e alta do dólar elevam preço interno (08:02)
SOJA/CEPEA: dólar se valoriza, mas prêmio e preço externo recuam no Brasil (08:01)
Chicago x Dólar: preços da soja no BR mantêm equilíbrio após dia intenso (08:00)