Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Empresas

Alegra refaz planos e prevê chegar a R$ 1 bi só em 2021
São Paulo, 19 de Janeiro de 2018 -

A severa escassez de milho que atingiu os produtores de frangos e suínos do país em 2016 atrasou o plano de negócios da Alegra Foods em dois anos. Sociedade entre as cooperativas paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal, o frigorífico de carne suína agora vislumbra faturar R$ 1 bilhão apenas em 2021.

"Vai demorar um pouco mais. Precisamos dos investimentos no campo", disse ao Valor o superintendente da Alegra, Ivonei Durigon. De acordo com o executivo, os cooperados que fornecem suínos para a frigorífico para expandir a capacidade de suas granjas.

Sediada em Castro (PR), na região dos Campos Gerais, a Alegra entrou em operação comercial em meados de 2015, quando a quebra da safra brasileira que seria colhida no ano seguinte não estava no radar. Na estreia, o frigorífico abatia 2,1 mil suínos ao dia.

Àquela altura, a empresa paranaense projetava elevar gradualmente os abates, alcançando 4,6 mil animais por dia em 2019. No entanto, a escassez de milho atingiu a suinocultura em cheio. Ante a disparada do preço da ração, muitos produtores independentes - aqueles que não têm contratos de longo prazo com as grandes indústrias e que não são associados a cooperativas - deixaram a atividade, disse Durigon.

Em meio à crise e ao sentimento de "insegurança", os cooperados pisaram no freio, reconheceu o superintendente da Alegra. Por causa disso, as metas foram revistas. Originalmente, a companhia projetava faturar R$ 600 milhões em 2016, mas as vendas renderam só R$ 371,2 milhões no período.

Nesse cenário, a Alegra também levará mais tempo para recuperar o investimento feito pelas cooperativas na construção do frigorífico. "Se consideramos os três anos de operações, já investimos R$ 300 milhões. Foi um investimento alto. Ainda temos que buscar o ponto de equilíbrio", reconheceu o executivo.

Para erguer o frigorífico, que é um dos maiores projetos 'greenfield' do setor no Brasil, as três cooperativas paranaenses tomaram financiamentos no Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), lembrou Durigon.

A despeito dos desafios financeiros, o executivo enfatizou o crescimento contínuo. Embora em ritmo mais lento, a Alegra manteve a trajetória de expansão. No último ano, o faturamento alcançou R$ 512,4 milhões, crescimento de 38% na comparação com o ano anterior. Agora, a expectativa é que o faturamento supere R$ 600 milhões em 2018. Para tanto, a Alegra conta com a ampliação de abates e produção de itens como presunto, linguiça calabresa, bacon, entre outros.

A empresa fechou o ano passado abatendo 3,2 mil animais por dia. Até o fim de 2018, devem ser 3,5 mil cabeças por dia. Segundo Durigon, a produção de industrializados deverá alcançar 3 mil toneladas mensais até o fim do ano, ante as atuais 2 mil toneladas. Parte da produção de itens industrializados da Alegra é feita para terceiros, como a Ceratti. A empresa também é fornecedora de carnes - industrializadas e in natura - para redes de food service como McDonald's, Applebee's, Outback e Madero, disse.

Afora o segmento de industrializados, a ampliação dos abates da companhia também deve permitir a ampliação das exportações. Hoje, a Alegra obtém cerca de 30% do faturamento nas exportações, de acordo com o executivo. Os principais destinos das exportações da companhia são Hong Kong, Cingapura e Emirados Árabes Unidos.

A Alegra ainda não tem habilitação para exportar à Rússia, o que no momento é um alento. Responsável por 40% das exportações brasileiras, a Rússia embargou o a carne suína do Brasil em novembro. A despeito disso, o superintendente da Alegra acredita que os russos devem reabrir o mercado em breve. Por isso, a empresa mantém o interesse em ter a habilitação.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)