Sábado, 22 de Setembro de 2018
Matérias-Primas

Soja fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira e puxa preços nos portos do Brasil
Campinas, SP, 14 de Março de 2018 - A terça-feira (13) foi de novas altas para os preços da soja negociados na Bolsa de Chicago e os principais contratos terminaram o dia com ganhos entre 7,25 e 8,50 pontos, levando o maio/18 de volta aos US$ 10,48 por bushel. Na máxima do dia, a posição bateu em US$ 10,52.

O dólar também fechou o dia em alta nesta terça - de 0,13% - para encerrar os negócios e, R$ 3,2621 e ajudou a trazer uma recuperação para as cotações no mercado brasileiro também. O avanço da moeda americana se deu, segundo analistas ouvidos pela agência de notícias Reuters, com a demissão do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, e com um fluxo maior de saída.

"A saída de Tillerson é um fator de instabilidade, deixa o mercado mais cauteloso", comentou o gerente de câmbio de uma corretora local à Reuters.

Assim, o produto disponível fechou os negócios com R$ 79,50 no porto de Paranaguá, e com R$ 77,80 no de Rio Grande. As altas foram de, respectivamente, 0,63% e 0,39%. Já na referência maio/18 os valores foram de R$ 79,50 e R$ 78,30 por saca, subindo 0,63% no terminal paranaense e 0,38% no gaúcho. Nos melhores momentos, foram registrados R$ 80,00 nos portos.

No interior do país, os ganhos foram mais tímidos e pontuais. As praças do Rio Grande do Sul fecharam o dia subindo pouco mais de 0,7% e com referências entre R$ 67,00 e R$ 68,00 por saca, e em Londrina, no Paraná, foi a R$ 69,00 com ganho de 0,73%.

Em Tangará da Serra, a alta foi de 1,61% para R$ 63,00 e de 0,82% em Campo Novo do Parecis, para R$ 61,50. Nas demais praças de Mato Grosso e da região Centro-Oeste, os preços permaneceram estáveis. Em Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, alta de 0,74% para R$ 68,00.

Com as altas ainda limitadas, os negócios seguem pontuais no Brasil, com os produtores ainda muito atentos às movimentações na Bolsa de Chicago, esperando por uma recuperação mais consistente das cotações.

"O mercado brasileiro da soja teve um dia de apelo levemente positivo, mas ainda bem abaixo dos bons momentos de duas semanas atrás. Com isso, os vendedores que já fizeram posições no final de fevereiro agora estão na expectativa de novos ganhos. Desta forma, poucos estão aparecendo para vender", diz o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.

Para o consultor, os movimentos de embarque nos portos brasileiros permanecem bastante aquecidos, o que pode indicar que o volume de exportações de soja do país em março pode voltar a bater em bons números. Na outra ponta, os compradores também permanecem bastante presentes e ativos, como também afirma Brandalizze, "apontando que vão embarcar grandes volumes nos próximos dias".

Reflexo disso são os prêmios muito altos que têm sido praticados nos portos brasileiros em pleno andamento da colheita. Somente em Paranaguá, as principais posições de entrega têm entre 88 e 92 cents de dólar acima dos preços praticados na Bolsa de Chicago. Com isso, ao considerar o vencimento maio/18, a referência para a soja brasileira passa a ser de US$ 11,38 por bushel.

Mercado Internacional

Na Bolsa de Chicago, as altas de pouco mais de 7 pontos entre os princpais vencimentos, ainda segundo o consultor da Brandalizze, se deu com mais um dia de movimentos técnicos por parte do mercado, que busca uma recuperação depois da baixas da última semana.

Segundo explicam analistas internacionais, embora o mercado ainda encontre espaço para testar essas altas, permanece limitado pela tensão da guerra comercial entre China e Estados Unidos.

"Os traders continuam a ver o impacto das tarifas de Trump sobre o aço e o alumínio sobre a agricultura", diz o boletim diário da consultoria internacional Allendale.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 22/09
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)