Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Empresas

Furlan busca acordo para pôr fim à disputa na BRF
São Paulo, SP, 18 de Abril de 2018 - Ainda vislumbrando um acordo do empresário Abilio Diniz com as fundações Petros e Previ, o ex-ministro e herdeiro da Sadia Luiz Fernando Furlan convocou a imprensa ontem para reforçar a intenção de atuar como o "pacificador" da BRF. Em entrevista coletiva, por telefone, que durou quase uma hora, o ex-ministro e possível presidente do novo conselho de administração da BRF disse que, a despeito do "ressentimentos" entre as partes, não é impossível fechar um acordo, inclusive no dia da assembleia, em 26 de abril.

"Acho que é possível se chegar a algum tipo de acordo. Trabalho para isso", afirmou Furlan, mesmo reconhecendo que na semana passada as conversas dos fundos de pensão com a Península Participações, veículo de investimento de Abilio, foram interrompidas. Nos bastidores, o ex-ministro não é o único esperançoso. Ao Valor, uma fonte afirmou que um desfecho "surpreendente" está no radar. Segundo essa mesma fonte, uma saída negociada para o imbróglio pode avançar ainda esta semana - amanhã, o conselho de administração se reunirá, lembrou a fonte.

Em outro trecho da entrevista, no qual enfatizou a complexidade e raridade da eleição por voto múltiplo, Furlan citou a possibilidade de retirada do pedido de voto múltiplo. De acordo com ele, o conselho de administração da BRF se reunirá na quinta-feira porque é preciso estar preparado para as inúmeras possibilidades da assembleia. "Quem vai presidir [a assembleia] precisa ter treinamento para uma situação inusitada. Até com a possibilidade de retirada do voto múltiplo e volta de duas chapas. Há muita insegurança em relação ao que pode acontecer", ponderou.

Independentemente do cenário que marcará a assembleia, o ex-ministro lamentou o conflito societário. "A disputa de blocos tem que terminar na assembleia e ponto. A partir daí, os membros do conselho são representantes de todos [os acionistas]", afirmou o ex-ministro, que é o 15º maior acionista da BRF, com pouco mais de 1% do capital. Juntos, Petros e Previ têm 22%. Aliada das fundações, a gestora Aberdeen tem 5%. Abilio tem quase 4%.

Mas Furlan também admitiu que o atual conselho da BRF, do qual ele faz parte, pode ter errado ao propor uma chapa alternativa ao colegiado sem consultar previamente os envolvidos. Na semana passada, quatro executivos solicitaram a exclusão de seus nomes da chapa. Eles só haviam concordado em participar da chapa apresentada pelas fundações.

"Infelizmente, talvez tenha sido uma falha, mas o que não invalida a intenção", afirmou, alegando falta de tempo hábil para a consulta antecipada. O objetivo, disse, era apresentar uma chapa de "convergência", 70% idêntica à das fundações, mas com novo presidente - o próprio Furlan. A proposta não soou bem para as fundações. Na visão dele, a proposta foi apresentada de modo errado pela imprensa. "Foi falado em chapa do Abilio. Quem presenciou as reuniões [do conselho] sabe que a ideia de uma chapa do conselho não foi do Abilio", disse.

Na entrevista, Furlan também disse que o clima entre os acionistas dificulta a resolução de outros problemas da BRF, que neste momento sofre com a impossibilidade de exportar para a União Europeia. "Me dói muito ver essa disputa de poder que tem destruído valor num momento em que a empresa tem outros desafios muito mais diretos ligados ao negócio", afirmou Furlan.

Por mais de vez durante a entrevista, o ex-ministro disse manter boas relações com os atuais conselheiros da BRF, com os fundos de pensão e a Península. "Vocês sabem que sou isento. Me dou bem com os diversos segmentos de acionistas".

Por outro lado, o ex-ministro também fez críticas veladas aos nomes indicados pelas fundações Petros e Previ para o novo conselho da BRF. As fundações defendem o nome de Augusto Cruz, que é o presidente do conselho da BR Distribuidora, para o comando do novo colegiado da BRF.

Agora, disse Furlan, os acionistas da companhia terão a oportunidade de eleger conselheiros que conheçam a longa cadeia produtiva da BRF - que vai da incubação de ovos até o processamento da carne. Para dar uma dimensão das dificuldades em gerir a companhia, afirmou que a BRF é a maior produtora de ração do país e abate cerca de 7 milhões de aves por dia. Disse ainda que produzir alimentos processados "não é igual a um produto petroquímico".

Com essa avaliação, o ex-ministro propôs três candidatos para o conselho de administração da BRF. Os nomes sugeridos são o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, Luiza Helena Trajano, dona da Magazine Luiza, e Vicente Falconi, consultor especializado em reestruturação da companhias.

Além das sugestões para o novo colegiado da BRF, Furlan também defendeu a continuidade da atual diretoria-executiva da BRF, liderada pelo CEO José Aurélio Drummond desde dezembro. Segundo o ex-ministro, os planos do atual CEO para a empresa foram apresentados em fevereiro ao conselho de administração. Na ocasião, segundo Furlan, todos - inclusive os conselheiros indicados pela Petros e pela Previ - gostaram do plano.
(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)
Sexta-Feira, 12/10
Quinta-Feira, 11/10
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (11:56)
Globalmente, pescados batem carnes nas exportações (10:50)
Brasil poderá colher até 238 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/19 (10:34)
ASGAV e Programa Ovos RS oficializam parceria com o Instituto do Câncer Infantil para apoio à 25ª Corrida pela Vida (09:29)
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (09:03)
Tradicional omelete do IOB faz parada na DSM (08:41)
Ceva Saúde Animal recebe palestra de nutricionista do IOB na Semana do Ovo (07:43)
Agronegócio: em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões (07:36)
Participação maior do agro exterior passa por viés mais comercial do governo (07:34)
Milho: mercado fecha em queda na Bolsa de Chicago especulando números mais altos do USDA (07:31)
Soja: preços voltam a cair no Brasil nesta 5ª feira e travam ainda mais negócios da nova safra (07:29)