Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018
Mercado

Uma 'agroinflação' moderada em 2018
De São Paulo, 19 de Abril de 2018 -

Depois de terem colaborado decisivamente para os baixos índices inflacionários no país em 2017, os alimentos voltarão a pesar um pouco mais no bolso dos consumidores brasileiros em 2018. Segundo economistas e analistas do setor, as recentes valorizações da soja e do milho tendem a puxar para cima os preços das carnes, principalmente no segundo semestre, e produtos básicos como arroz e feijão, além de hortifrútis, também deverão voltar a subir após as baixas observadas no ano passado.

Não são esperadas, contudo, disparadas capazes de impulsionar a "agroinflação" aos picos de 2015. A LCA Consultores espera que, no IPCA, o subgrupo alimentação no domicílio registre variação positiva de cerca de 2%, ante queda de 4,85% no ano passado. O subgrupo mede as oscilações dos preços nos supermercados e, em março, teve participação de 16% no IPCA. A LCA estima que o feijão, por exemplo, subirá 3%, depois de um recuo de 40% em 2017. Para tubérculos e frutas, a consultoria prevê aumento de 12%.

"Vamos ter inflação, mas bem abaixo que em outros anos. Não vejo como um movimento necessariamente ruim", afirmou Fábio Romão, economista da LCA. Segundo o último Boletim Focus do Banco Central, projeções de mercado indicam que o IPCA deverá fechar 2018 com alta de 3,48%, maior que a do ano passado (2,95%) mas ainda abaixo da meta.

Dentre as pressões que virão do campo, talvez a principal preocupação seja o milho, cujas cotações estão em ascensão desde o início do ano em virtude da quebra da safra da Argentina, que elevou a demanda externa pelo produto brasileiro, da própria redução do plantio no Brasil nesta temporada depois dos baixos preços praticados em 2017, quando foi colhida uma supersafra do cereal.

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic), as exportações brasileiras de milho somaram 605,3 mil toneladas em março, 2,5 vezes mais que em março do ano passado. No primeiro trimestre, alcançaram 3 milhões de toneladas, um aumento de 38,6% em relação aos três primeiros meses de 2017.

Essa maior demanda tem enxugado os estoques mais rapidamente do que se previa. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra 2017/18 começou com 17,7 milhões de toneladas de milho estocadas, quase três vezes mais que no início de 2016/17. Em dezembro, a estatal previa que o volume aumentaria para 23,5 milhões de toneladas ao término da temporada, mas essa estimativa já foi ajustada para 15,8 milhões.

Com a demanda aquecida, os preços no mercado interno subiram 19,5% nos três primeiros meses de 2018, segundo o indicador Esalq/BM&FBovespa. Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, a alta é de 34%. Essa escalada deverá perder força com a entrada no mercado da produção de milho safrinha, a partir de maio, mas não no ritmo habitual. Isso também porque o atraso do plantio de soja deslocou o plantio de milho para depois da "janela" climática considerada ideal, o que deverá reduzir a produtividade média das plantações.

Nessa mesma equação, outro fator que limita uma queda acentuada dos preços é a perspectiva de recuo da área plantada do cereal nos Estados Unidos em 2018/19, o que deve reduzir a oferta daquele país. Assim, a Tendências Consultoria calcula que a alta do milho no mercado brasileiro chegará a 19% em 2018. Em 2017, houve baixa de 11,5%, conforme o indicador Esalq/BM&FBovespa.

A soja também está em alta no país. A quebra da safra da Argentina e a guerra comercial entre os EUA e a China valorizaram os prêmios para exportação do grão brasileiro e encareceram o farelo, outro insumo usado em rações para animais. O indicador Esalq/BM&FBovespa para a soja negociada no porto de Paranaguá (PR) mostrou um aumento de 10% no primeiro trimestre do ano e de 8,2% na comparação com o mesmo período de 2017.

Contudo, os saltos dos preços dos grãos deverão chegar de maneira moderada ao IPCA de 2018. Isso porque os frigoríficos estão com dificuldades para repassar incremento de custos para os produtos finais. A Operação Trapaça (ver página B11) voltou a deprimir a demanda externa por carne de frango e tem sobrado produto no mercado interno. "Já houve uma escalada forte de custos e não houve repasse. O cenário econômico e a grande oferta tem dificultado repasses", afirmou André Braz, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Em março, Gilberto Tomazoni, CEO global de operações da JBS, confirmou em teleconferência que a empresa não estava conseguindo repassar o aumento de custos para os produtos da marca Seara - área de aves e processados da companhia. "Por conta só do aumento dos custos dos grãos, para repassar esses custos, teríamos que promover um aumento de 5,5% nos preços dos produtos", disse ele na ocasião.

Mesmo que a lenta recuperação da economia brasileira esteja dificultando a alta de preços no varejo, a LCA Consultores estima inflação de 1% para as carnes em 2018, ante a deflação de 2,5% em 2017. O item tem participação de 2,6% no IPCA inflação. "Se a gente pegar a base, é uma alta bem relevante", afirmou o economista Márcio Milan, da Tendências.

André Braz, do Ibre/FGV, lembra que "havia muita gordura a ser queimada nos preços em 2017". De acordo com ele, os preços dos produtos agrícolas estavam muito elevados em decorrência da quebra da safra 2015/16, por isso houve uma queda mais expressiva em 2017. "Agora, não há muito o que devolver e é saudável que haja inflação neste ano", afirmou. O economista calcula que os preços das carnes subirão 0,5% em 2018.

Na mesma linha, Mauricio Oreng, economista-chefe do Rabobank, acredita que 2018 é um ano de normalização. "A supersafra de 2017 gerou a deflação. Neste ano, a previsão não é de um desenvolvimento tão impressionante", disse. O Rabobank projeta inflação de 3,2% em 2018, com aumento da alimentação em domicílio da ordem de 2%.

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)
Segunda-Feira, 17/09
Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria (15:16)
O preço do milho deve subir mais? (11:17)
Vetanco realiza treinamento técnico para equipe da Vibra (11:01)
Brasil é convidado de honra em feira na China (09:03)
FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro (08:56)
Exportação perde força com exigência de sustentabilidade (08:54)
Missão na Ásia e Oriente busca ampliar e buscar novos mercados (08:53)
Apesar de embargos, agroindústria de SC aumenta exportação de carne de frango e suína no 1º semestre (08:42)
Exportações do agronegócio cresceram 3,6% em agosto, para US$ 9,3 bi (08:33)
Embrapa abre edital para seleção de parceiro para multiplicação e comercialização de linhagens de aves de corte e postura (08:28)
Na Semana do Ovo, IOB promove Curso ministrado por nutricionistas (08:26)
Agronegócio critica sucessão na Embrapa (08:21)
FRANGO/CEPEA: procura aumenta e eleva cotações (08:09)
OVOS/CEPEA: preço médio na 1ª quinzena é menor que o de agosto (08:08)
Milho: com perspectiva de grande safra nos EUA, mercado recua mais de 4% na semana em Chicago (08:06)
Apesar da queda do dólar, soja disponível sobe 2% em Paranaguá nesta 6ª e bate R$ 100/sc (08:00)
Sexta-Feira, 14/09
Brasil e Chile querem aumentar integração comercial no agro (09:33)
Rede de frango frito Popeyes chega ao Brasil até o fim de 2018 (09:28)
Adair Junior Alves - Assistente Técnico/Comercial, completa seu primeiro ano de atuação na Vetanco (08:56)
Brasil falha nas exportações de processados (07:33)
Cargill anuncia aquisição de participação minoritária na Agriness (07:29)
MP prevê volta de horas-extras de fiscais (07:25)
China se destaca por agregar valor nas cadeias agrícolas (07:23)
Câmbio impulsiona vendas de safras futuras no Brasil, exceto para quem deve em dólar (07:20)
Soja: diante da alta do dólar, preços sobem mais de 2% nesta 5ª no Porto de Paranaguá (07:18)