Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Milho e soja têm os maiores preços desde dezembro de 2016
Florianópolis, SC, 04 de Maio de 2018 - Os produtores que decidiram investir na plantação de grãos já recebem em torno de R$ 77 pela saca de soja e R$ 35 pela saca de milho - os maiores preços desde dezembro de 2016.

Principal insumo para abastecer as cadeias produtivas de carnes, o milho é o grão de ouro de Santa Catarina. Com um consumo de 6 milhões de toneladas por ano e uma produção que gira em torno de 3 milhões de toneladas, Santa Catarina é o maior importador de milho do país.

Se de um lado as agroindústrias, suinocultores e avicultores pagam mais caro pelo grão, do outro os produtores de milho comemoram a alta nos preços. O cenário da produção de milho no país é complexo e itens como o crescimento das exportações brasileiras de grãos, o milho destinado à fabricação de etanol e a perda de área plantada na safra de verão levaram os preços do insumo aos maiores patamares desde 2016. “No setor produtivo de proteína animal, produtores e consumidores de grãos devem formar uma parceria que se fortaleça quando existe rentabilidade para ambos”, ressalta o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies.

Os preços de hoje costumam interferir também na próxima safra de milho. Normalmente, em anos em que o preço é baixo, como foi em 2017, os produtores acabam não investindo na produção de milho e buscando culturas mais rentáveis – o que diminui a oferta do grão no país. E foi justamente isso que aconteceu em Santa Catarina. Esta safra tem uma área plantada 14,4% menor e a produção deve cair 20,5% em relação ao ano anterior.

“A recuperação dos preços da soja e do milho dá ao produtor rural um incremento na renda e como conseqüência estimulará o aumento na produção na próxima safra, com uma maior área plantada e com emprego de tecnologias que impulsionam a produtividade. Quando os preços estão muito baixos certamente gera uma preocupação no setor, pois isso pode contribuir para o aumento do déficit de milho em Santa Catarina”, explica Airton Spies.

Segundo o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Haroldo Elias, o comportamento do clima na segunda safra brasileira e o andamento da safra americana irão influenciar os preços do milho nos próximos 30 dias. Por enquanto, a tendência é que o preço se mantenha estável.



Santa Catarina, além de consumir todo milho que produz, ainda traz de outros estados e países mais de 3 milhões de toneladas do grão para suprir a necessidade do setor produtivo de carnes. Por isso, os estímulos ao aumento da produção local são fundamentais.

A Secretaria da Agricultura e da Pesca continua investindo em programas de fomento, como o Terra-Boa, para ampliar a produção de milho no estado dando sustento às cadeias produtivas de proteína animal. Só este ano, o Terra-Boa irá apoiar a aquisição de 220 mil sacas de sementes de milho.

Soja

Principal concorrente do milho nas lavouras catarinenses, a soja ganha cada vez mais espaço no estado. Nesta safra, Santa Catarina deve chegar a 706 mil hectares cultivados, com uma produção de 2,5 milhões de toneladas – 4,7% a mais do que no último ano.

A região Oeste – principalmente em torno de Xanxerê – concentra a maior produção do estado com 522 mil toneladas em 148,2 mil hectares. É também nesta região que se observa uma diminuição de 25,5% na área plantada de milho.

Os preços da saca de soja são os maiores desde julho de 2016 e já chegam a uma média de R$ 77/ saca. Haroldo Elias comenta que a alta nos preços da soja são resultado da queda na produção no Sul do país e também das relações entre China e Estados Unidos, que acabaram contribuindo para a valorização da soja brasileira.
(Secr. de Estado da Agr. e da Pesca (SC)) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)