Sábado, 19 de Janeiro de 2019
Mercado

Carne de frango no fundo do poço
São Paulo, SP, 10 de Maio de 2018 - A crise enfrentada pela indústria brasileira de carne de frango, em especial a líder BRF, atingiu o fundo do poço. Tanto que os preços do produto, que caíram quase 8% em abril, já esboçam alguma reação. A expectativa é que, aos poucos, a sobreoferta de frango provocada pelo embargo da União Europeia a 20 abatedouros de aves do país deverá ser amenizada, na medida em que a produção se ajustar a partir da paralisação temporária de diversos frigoríficos.

Do lado dos custos de produção, que também pressionam a rentabilidade das empresas do segmento, o cenário igualmente dá sinais de melhora. Após disparar nos primeiros meses de 2018, o preço do milho cedeu um pouco em abril - o indicador Esalq/BM&FBovespa recuou 2,3% no mês -, e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) já alertou os agricultores que estão segurando suas vendas de que poderá haver "pressão de baixa" no médio prazo". Desde o início do ano, o cereal acumula valorização de 22%.

O próprio movimento de redução da produção de frangos reduz a demanda por grãos, gerando reflexos positivos nos preços da ração - composta basicamente por milho e farelo de soja. Considerando apenas a BRF, que reduzirá seus abates diários em cerca de 1 milhão de frangos durante um mês, a demanda por milho poderá diminuir até 90 mil toneladas - o volume depende do tamanho das aves que deixarão de ser vendidas -, de acordo com três especialistas consultados pelo Valor.

"A gente já bateu no fundo do poço em termos de preço e prazo de resposta das empresas", disse ao Valor o vice-presidente de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin. De acordo com o dirigente, abril foi o período mais difícil do ano para o segmento. Foi quando os reflexos negativos da Operação Trapaça, que investiga fraudes em testes de salmonela que teriam sido cometidas pela BRF e laboratórios de análises, se mostraram mais claramente.

Em abril, o preço da carne de frango congelada no atacado da Grande São Paulo recuou 7,9%, para R$ 2,91 o quilo, conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP). "O descredencimento de 20 unidades frigoríficas [pela UE, que reduziu as exportações], mexeu no mercado e pressionou os valores", afirmou Juliana Ferraz, analista de carnes do Cepea.


Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic) sobre as exportações de carne de frango in natura mostram o quão perturbador foi abril. Os embarques totalizaram 252 mil toneladas, quase 100 mil a menos que em março e volume 14% mais baixo que em abril de 2017.

Mas, ainda que o quadro permaneça delicado, visto que dificilmente a UE reabilitará os frigoríficos embargados no curto prazo e que a Arábia Saudita - maior importadora do produto brasileiro - também impôs dificuldades ao exigir mudança no abate das aves, a avaliação da ABPA é que, com o fechamento temporário de unidades, a oferta deverá se ajustar. E, conforme Santin, os impactos dessa redução deverão começar a ser sentidos em junho.

A partir deste mês, funcionários da linha de abate de três frigoríficos da BRF entrarão em férias coletivas, o que deverá reduzir o abate diário de frango da companhia em 15%. A central catarinense de cooperativas Aurora também anunciou férias coletivas em duas unidades - uma vai parar em junho e outra em julho. Empresas menores do Sul também decidiram reduzir o ritmo.

Com isso, a relação entre oferta e demanda caminha para um ajuste. Mas isso é só um alento, ponderou Santin. Se ao longo do segundo semestre não houver uma evolução nas negociações com a UE, e caso as regras de abate para o frango exportado para a Arábia Saudita não sejam flexibilizadas, inevitavelmente haverá demissões, afirmou ele.

A avaliação de Santin é que, em um primeiro momento, empresas de menor porte sofrerão mais, devido à falta de flexibilidade para reduzir a produção de carne de frango sem demitir. No caso das grandes - BRF, Seara (JBS) e Aurora-, que têm vários frigoríficos, é possível evitar demissões por mais tempo mesmo mantendo a produção reduzida.

Em recente entrevista ao Valor, o presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial, também destacou que os efeitos mais negativos da crise setorial poderão recair sobre os avicultores de menor porte, e que alguns poderão não sobreviver.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 19/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)