Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018
Exportação

Governo confia em reversão de antidumping chinês
São Paulo, SP, 11 de Junho de 2018 - Os exportadores brasileiros de carne de frango começam esta semana debruçados sobre a estratégia para reverter a tarifa antidumping aplicada pela China, terceiro principal destino dos embarques do produto nacional. A decisão de Pequim, em vigor desde o último sábado, é considerada reversível pelo Ministério da Agricultura e também pela indústria nacional.

Para tanto, os brasileiros terão de aceitar uma proposta do Ministério do Comércio da China (Mofcom) de estabelecer um preço mínimo para os preços do frango importado do Brasil. Com isso, o pleito dos produtores de frango da China (que se sentem lesados pela entrada do produto brasileiro) seria atendido.

"Se as empresas se comprometerem, eles retiram a tarifa", disse uma fonte a par das negociações. Ao Valor, o vice-presidente de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, afirmou que é preciso conhecer os detalhes da proposta.

Normalmente, acrescentou, os compromissos de preço firmados por Pequim com os importadores têm validade de cinco anos. Trata-se de um período muito longo e, se o preço mínimo for fixado na moeda chinesa, alterações no câmbio podem provocar distorções no futuro.

No bastidores, o governo brasileiro avalia que um mal-entendido pode ter provocado a tarifa antidumping contra o frango. A origem do problema pode estar em uma decisão tomada em 22 de maio pela Câmara de Comércio Exterior (Camex). Na ocasião, o conselho de ministros autorizou a aplicação de medidas compensatórias contra o aço chinês por cinco anos, mas ao mesmo tempo suspendeu a aplicação dessa taxa.

A avaliação de autoridades em Brasília é que Pequim não gostou da decisão, na medida em que o aço chinês ainda poderá ser taxado. Diante disso, decidiu retaliar, com o antidumping ao frango.

Uma fonte graduada do governo disse confiar na retirada do antidumping. Nesse cenário, uma ação contra na Organização Mundial de Comércio (OMC) é considerada, no momento, improvável. Outro motivo que desestimula um contencioso é que Brasil e China têm uma pauta comercial ampla, e um painel poderia afetar outras negociações.

De qualquer forma, a reversão do quadro é crucial para a rentabilidade dos frigoríficos brasileiros, que têm em Pequim um polo para exportar cortes pouco demandados no Brasil. Em 2017, a China gastou US$ 760 milhões para importar 391 mil toneladas de carne de frango do Brasil, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O volume representou cerca de 10% das exportações do Brasil.

Na B3, as ações da BRF foram castigadas pela tarifa antidumping. Os papéis da empresa, que é a maior exportadora de carne de frango do Brasil, caíram 7,5%, a segunda maior baixa do Ibovespa. Em contrapartida, a JBS subiu 4,1%. A empresa é menos dependente do negócio de carne de frango no Brasil e pode se beneficiar da eventual abertura do mercado chinês aos EUA, onde atua.

(Valor) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 19/10
Quinta-Feira, 18/10
Vetanco participa do ACAV 2018 (14:46)
Chile reabre mercado para avicultura do RS (13:32)
SUÍNOS/CEPEA: exportação elevada sustenta preços no Brasil (10:15)
BOI/CEPEA: produtividade de carne por animal é maior em SP (09:44)
Adaptação veterinária (08:55)
Guerra comercial já eleva os preços na China (08:45)
BRF negocia acordo de leniência com MPF e CGU (08:14)
Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor (08:11)
Soja: mercado no Brasil tem novo dia de pressão nesta 4ª e continua sentindo peso do câmbio (08:00)
Força-tarefa encontra três novos focos de peste suína no Ceará (07:28)
O frigorífico que produz carne de frango sem matar nenhuma ave (06:51)
Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)