Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018
Matérias-Primas

Uma safrinha de milho ainda mais magra
Dourados (MS) e Maringá (PR), 12 de Junho de 2018 - Bem diferente do mar verde que se via nos polos de produção de milho de Mato Grosso do Sul no início de junho de 2017, neste ano falta cor nos campos do terceiro maior Estado produtor do cereal do País. A seca fez o verde desbotar, e o atraso do início do plantio levou muitos agricultores a desistir de plantar. A falta de chuvas também diminuiu a altura das plantações, que em condições normais podem superar dois metros, e essa "anemia" tornou muitas lavouras parecidas com as de soja, que não passam de um metro.

Mais ao sul, no Paraná, segundo maior Estado produtor, atrás de Mato Grosso, o verde até volta, mas o cenário também chama a atenção: centenas de quilômetros de rodovias com lavouras "deitadas" em suas margens, acamadas pelo vento forte antes do completo enraizamento, já prejudicadas pela redução dos investimentos em adubação em decorrência do plantio fora da janela ideal.

Problemas diferentes, mas com a mesma consequência. Nos dois Estados, a produtividade média ficará bem abaixo do patamar de 100 sacas da temporada passada.

Na última fase do 15º Rally da Safra, expedição realizada pela consultoria Agroconsult, o Valor visitou 18 lavouras entre Campo Grande (MS) e Maringá (PR). Neste ciclo o clima não ajudou tanto os produtores - o plantio também atrasou em razão de intempéries que já haviam afetado a safra de soja no verão -, e a conjunção tornará mais aguda a diminuição da colheita da safrinha em relação às estimativas iniciais.

Projeções da Agroconsult sinalizam que em Mato Grosso do Sul a produtividade média da segunda safra de milho ficará em 65 sacas por hectare, 27,5% menor que a de 2016/17. No Paraná, a queda prevista é de 28,5%, para 66 sacas. São médias bem inferiores às que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê para esses Estados, que deverão representar cerca de 30% da safrinha brasileira deste ano.

A redução da média não significa que houve problemas em todas as propriedades. "Nessa fazenda fomos abençoados com uma chuva boa. Quaisquer 15 milímetros fizeram a diferença. Mas se você olha mais para baixo, as lavouras estão bem piores", afirmou Everaldo dos Reis, produtor de Itaquiraí e diretor secretário da Cooperativa Agrícola Sul Matogrossense (Copasul).

A produtividade média de Reis nos 1,7 mil hectares da Fazenda Meio Século ficará em torno de 90 sacas de 60 quilos por hectare, bem acima do esperado para os associados da Copasul (62 sacas). Em Mato Grosso do Sul, o Valor visitou oito lavouras e encontrou produtividades entre 45 e 100 sacas por hectare.

No sul de Mato Grosso do Sul, chuvas excessivas em fevereiro atrasaram o início do plantio e uma seca de até 39 dias, a depender da área, fará com que alguns agricultores nem coloquem as colheitadeiras em campo. "Numa mesma fazenda a gente chega a encontrar três tipos de lavouras, conforme a data de plantio", disse André Debastiani, sócio da Agroconsult.

Motivados pelo preço e pela falta de opção de plantar outra cultura na segunda safra, alguns produtores arriscaram e semearam parte do milho em abril, quando normalmente os trabalhos se encerram na primeira semana de março. "Aí a gente vê os híbridos de soja com milho", brincou o produtor Dario Alexandre Schwambach, em referência às lavouras que não passaram de um metro de altura, dada a falta de água durante o período reprodutivo.

Em melhores condições, as lavouras paranaenses de milho de inverno também sofreram com o clima e com os menores investimentos na safra 2017/18. "A gente nem ia plantar, mas o preço estava bom", afirmou Marcos Meneghel, produtor em Toledo. Apontando para o céu cinza, ele lembra que a falta de luminosidade para as plantas ainda jovens é um dos motivos de queda de produtividade.

No ciclo atual, Meneghel plantou 480 hectares de milho, 30% menos que em 2016/17. "Estamos esperando uma quebra de 25% aqui, mas quem plantou cedo vai ter uma boa produtividade". Meneghel espera rendimento de 90 sacas por hectare. Para a região oeste do Paraná, onde está Toledo, a Agroconsult estima rentabilidade média de R$ 351 por hectare para o produtor de milho. O valor considera produtividade média de 70 sacas por hectare.

O oeste e o norte foram as regiões do Paraná que mais sofreram com a escassez hídrica. Segundo a Agroconsult, 45% das lavouras do oeste estavam em período reprodutivo, no qual a água é essencial para o enchimento dos grãos, quando houve 39 dias sem chuvas. No norte do Estado, 55% das lavouras estavam nesse mesmo estágio durante a seca.

Mas também aqui os danos não são generalizados. Segundo Dilvo Grolli, presidente da Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel), a produtividade média dos associados é de 80 a 100 sacas por hectare. A área geral de milho semeada foi de 100 mil hectares em 2017/18. "Com tecnologia, você corrige alguma coisa do clima", comentou ele.

Bons níveis de investimentos na terra são uma realidade no Sul do país, onde o espaço para expansões de área é muito limitado. Foi pensando nisso que Itacir Antonio Cervelin, produtor com área arrendada de 63 hectares, incentivou o filho a estudar agronomia. "Cobro o meu piá, que estudou e tem de saber como aumentar a rentabilidade. O que sei, aprendi na terra". Cervelin acredita que terá 70 sacas por hectare, abaixo das 104 que costuma colher.

A redução da produtividade nas regiões visitadas pelo Valor também será consequência do acamamento das lavouras. Em alguns casos, a perda pode chegar a 20% na colheita das espigas. E poderá haver mais problema, uma vez que há risco de geada em Mato Grosso do Sul e no Paraná.

"Apesar do risco, plantamos milho. Plantar o quê? Só reduzimos a área", afirmou Cervelin. "Mas vale destacar que os produtores de milho plantaram soja antes", disse Grolli, da Coopavel, lembrando que a rentabilidade do grão chegou a 70%.

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 19/10
Exportadores de aves e de suínos lançam campanha de imagem na União Europeia (09:58)
FRANGO/CEPEA: menor produção sustenta valor do pintainho em 2018 (09:48)
OVOS/CEPEA: preços iniciam segunda quinzena em forte queda (09:46)
BRF mantém conversas "amplas" com autoridades sobre investigações da PF (09:15)
Por carnes, Brasil faz proposta a Hong Kong (07:28)
Condomínio Vespasiano Corrêa assina contrato para liberação de financiamento (07:14)
Milho em Chicago dá continuidade às baixas da sessão anterior e testa ligeiras perdas nesta 6ª feira (07:13)
Após queda intensa, soja passa por leve correção técnica em Chicago nesta 6ª feira (07:12)
Fraca demanda pela soja dos EUA derruba preço em Chicago (07:00)
Quinta-Feira, 18/10
Vetanco participa do ACAV 2018 (14:46)
Chile reabre mercado para avicultura do RS (13:32)
SUÍNOS/CEPEA: exportação elevada sustenta preços no Brasil (10:15)
BOI/CEPEA: produtividade de carne por animal é maior em SP (09:44)
Adaptação veterinária (08:55)
Guerra comercial já eleva os preços na China (08:45)
BRF negocia acordo de leniência com MPF e CGU (08:14)
Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor (08:11)
Soja: mercado no Brasil tem novo dia de pressão nesta 4ª e continua sentindo peso do câmbio (08:00)
Força-tarefa encontra três novos focos de peste suína no Ceará (07:28)
O frigorífico que produz carne de frango sem matar nenhuma ave (06:51)
Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)