Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Empresas

Korin decide ampliar foco dos negócios
São Paulo, SP, 15 de Junho de 2018 - Uma das marcas mais conhecidas no segmento de alimentos orgânicos e livres de antibióticos ou promotores de crescimento animal, a Korin parte agora para uma nova estratégia comercial de reposicionamento de mercado. Com faturamento de R$ 140 milhões em 2017, a empresa dá os primeiros passos para ir além do nicho de alimentação saudável e se tornar uma empresa de agricultura natural - um espectro mais amplo de negócio que inclui o desenvolvimento e a comercialização de insumos para o campo e trabalhos de pesquisa e consultoria a terceiros.

Para tanto, a empresa paulista, com sede em Ipeúna, concluiu uma reorganização operacional que culminou com uma nova divisão em três unidades de negócio: a Korin Agropecuária, que engloba o portfólio de 235 produtos, entre carnes, embutidos, ovos, café, mel e cereais; a Korin Agricultura e Meio Ambiente, braço de pesquisa, consultoria e produção de insumos; e a Korin Administração de Franquias, com foco na expansão de lojas no país. As três divisões estão sob a holding Korin Empreendimentos e Participações.

A decisão visa dar fôlego a negócios promissores, mas que estavam até então "perdidos" no antigo modelo de gestão, diz Reginaldo Morikawa, diretor-superintendente da Korin. Além disso, a reorganização pretende racionalizar a complexidade fiscal - e reduzir custos com impostos - de uma empresa que já atua em vários Estados, com 1.965 pontos de venda e um leque de 350 agricultores, pecuaristas e apicultores parceiros.

"Está nascendo uma agricultura biológica, que vai além da orgânica. E estamos nos reorganizando com base na emergência desse novo modelo agrícola", afirma o executivo, chamado internamente de "Reverendo Morikawa", a posição máxima almejada na Igreja Messiânica, à qual a Korin é ligada.

Nesse contexto, a empresa pretende ampliar os esforços de desenvolvimento de produtos que atendam às necessidades contemporâneas do campo - ou seja, um plantio mais limpo, com opções ao uso excessivo de químicos no solo.

Antes mesmo da reorganização, a Korin já havia detectado essa tendência de mercado. Os defensivos agrícolas biológicos crescem de 10% a 12% no mundo, e 15% no Brasil. "O potencial de expansão é fantástico", diz Luiz Carlos Demattê Filho, ex-diretor industrial da Korin e agora CEO da divisão de Agricultura e Meio Ambiente da holding.

A Korin já desenvolveu 26 tipos de insumos considerados naturais. O primeiro e mais conhecido é o Bokashi, um fertilizante orgânico composto, cuja ideia foi trazida do Japão nos anos 1970 e colocada no mercado brasileiro pela Korin em 2002. A empresa também passou a trabalhar com aceleradores de compostagem (usado por exemplo, na palha dos canaviais e no tratamento de efluentes de frigoríficos), com probióticos ambientais (para o controle da emissão de amônia em granjas, entre outras funções) e, a partir deste ano, com uma linha de sementes de hortaliças. A divisão já fatura entre R$ 4 milhões a R$ 5 milhões por ano. A expectativa é que, agora como uma divisão independente e com a expansão de catálogo prevista, suba para R$ 8 milhões em 2018.

"Embarcamos nossa primeira carreta de biofertilizante para a Bolívia este mês", diz Morikawa.

Todas as sementes de hortaliças são produzidas em Ipeúna, em uma área de 172 hectares onde estão também a unidade de abate de frangos criados sem antibióticos e a produção de ovos gerados por galinhas que vivem soltas e com dieta vegetal - a imagem de saúde que deu à Korin a alcunha da marca "predileta de mães e pediatras".

As pesquisas, realizadas pela Fundação Mokiti Okada, da igreja messiânica, migraram para a Korin Agricultura e Meio Ambiente. À fundação caberá focar no papel social para seu rebanho no país, com cerca de 1,5 milhão de seguidores.

Carro-chefe da companhia, a Korin Agropecuária ainda responde pela maior parte da receita obtida. Mas é um segmento de alta competitividade, na medida em que outras marcas entram no segmento de produtos naturais, e de dificuldade dobrada para a Korin, que também persegue boas práticas sociais e bem-estar animal, rastreabilidade e mantém sete selos de certificação para os mercados nacional e exterior.

As apostas são sempre riscos tomados, nem sempre com um final feliz. Após um longo estudo de mercado para entrar no negócio de peixes amazônicos, a companhia voltou atrás por não conseguir garantir a rastreabilidade da cadeia, até o pescador. Morikawa explica que a garantia de inclusão social ou cumprimento de regras trabalhistas não foi obtida. Em outro revés, viu frustrado os planos de exportação de carne de frango. Foram apenas dois embarques a Hong Kong. Com a reviravolta na indústria nacional de frangos, após as operações da Polícia Federal, a empresa entrou no pacote de embargos à carne brasileira.

"Não podemos parar", diz o reverendo. "Se não deu certo agora com os peixes da Amazônia, vamos trabalhar com tilápias criadas sem hormônio, no Mato Grosso do Sul, e camarões do Ceará". O marketing nos consultórios ele já tem.

(Valor) (Bettina Barros)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)