Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018
Análise

Na copa da Rússia, quem perde é a carne suína brasileira

Russos vêm aumentando a produção interna e diminuindo as importações.
São Paulo, SP, 22 de Junho de 2018 - No ano passado, o mercado russo de carne suína ficou com 40% das exportações brasileiras. Parecia um mercado sólido e seguro para o Brasil também neste ano, devido ao período de Copa do Mundo e de aumento da demanda russa.

O Brasil não sabia, porém, que, como havia ocorrido com os europeus, o país estava prestes a perder um importante país importador. No último trimestre de 2017, os russos já davam sinais de que colocariam barreiras ao produto brasileiro. E colocaram em novembro, fechando as portas para a carne suína do Brasil.

Os brasileiros imaginavam que seria uma questão de tempo para o retorno da Rússia, devido à Copa. Seis meses depois, o retorno ainda não ocorreu.

A Rússia já havia suspendido as importações de carne suína, em 2014, dos Estados Unidos, da União Europeia, do Canadá, da Austrália e da Noruega, devido à crise política na Ucrânia.

Essa saída russa do mercado externo ocorreu porque há vários anos o país vem ampliando a produção de proteínas, principalmente as de carne suína e as de aves, em busca de uma autossuficiência.

Em vista dos mais recentes dados do setor na Rússia, a volta dos brasileiros, quando ocorrer, não deverá ser na mesma intensidade anterior.

Em 2010, os russos tiveram 29 milhões de suínos em suas granjas. Neste ano, o número atingirá 44 milhões. A produção de carne subiu de 1,9 milhão de toneladas para 3 milhões no mesmo período.

Já a necessidade de importação recuou de 900 mil toneladas, em 2010, para uma estimativa de 200 mil neste ano, segundo dados do Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

O consumo anual russo saiu de 2,8 milhões de toneladas, em 2010, para 3,2 milhões neste ano, colocando a Rússia como o quarto maior consumidor mundial. A China lidera isoladamente, com uma demanda de 56 milhões.

Sem a Rússia, o Brasil pode buscar a China. O país vem fazendo, no entanto, uma adequação do seu sistema de produção, que saiu de 51 milhões de toneladas em 2010 para 55 milhões neste ano.

As importações chinesas, que somaram 2,2 milhões em 2016, estão estimadas em 1,5 milhão de toneladas neste ano.

O Brasil pode até voltar com a taça da Rússia, mas as exportações de carne suína para aquele país não devem voltar mais aos patamares anteriores.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 20/08
Site do Instituto Ovos Brasil tem página atualizada (10:19)
Milho estocado (09:13)
Futuro dos alimentos em debate na Europa (08:35)
FRANGO/CEPEA: preços da carne caem; exportações atingem recorde (08:24)
OVOS/CEPEA: com menor procura, cotações recuam (08:22)
Marfrig vende Keystone à Tyson por US$ 2,5 bilhões (08:13)
Prefeitura de Guarapari (ES) estimula avicultura caipira (08:09)
Milho: clima no Meio-Oeste e safra dos EUA seguem no radar e mercado sobe quase 2% na semana em Chicago (07:55)
Soja: com alta de mais de 1% em Chicago nesta 2ª, mercado espera melhor demanda chinesa nos EUA (07:50)
Sexta-Feira, 17/08
China estende por 6 meses investigação antidumping sobre importação de frango do Brasil (09:10)
Maggi cobra transparência e responsabilidade de empresas para o crescimento do agro (09:09)
Uso de modelos matemáticos na nutrição animal (07:30)
Suíno Vivo: cotações permanecem estáveis, com tendência para novas altas (07:28)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro das expectativas (07:27)
Milho: com alta da soja e do trigo, mercado amplia ganhos no pregão desta 5ª feira em Chicago (07:27)
Desinfecção de ovos férteis será tema de palestra no 12º Simpósio da ACAV (07:25)
Soja sobe quase 3% em Chicago impulsionada por retomada de negociações entre China e EUA (07:25)
Grupo Mantiqueira lança a sua primeira linha de ovos produzidas no sistema "cage free" (07:24)
Desinfecção de ovos férteis será tema de palestra no 12º Simpósio da ACAV (07:00)
Quinta-Feira, 16/08
SUÍNOS/CEPEA: preços da carne e do animal vivo se elevam pela 2ª semana seguida (11:58)
BOI/CEPEA: preços fecham 1ª quinzena em alta (11:50)
Ricardo Santin recebe distinção: Personalidade da Avicultura Nacional (11:41)
Exportação aos árabes cai em receita, mas cresce em volume (09:03)
Jantar do Galo Especial e Prêmio Talentos da Avicultura RS será realizado nesta sexta-feira (17) em Gramado/RS (08:49)
Aumento da oferta de frango pressiona Seara (07:45)
Agronegócio brasileiro ganha mais espaço no mercado turco (07:44)
Alta de custo com frete para exportador pode chegar a R$ 25 bilhões (07:43)
Governo prorrogará pela quinta vez prazo de adesão a Refis do Funrural (07:38)
VIII CLANA: última semana de envio de trabalhos científicos e inscrições com desconto (07:37)
Milho: produtores seguram vendas e preços têm mais um dia de alta no mercado interno (07:35)
Soja cede mais de 10 pts em Chicago com pressão do dólar e intensa aversão ao risco (07:30)
Quarta-Feira, 15/08
Soja limita retração do valor da produção agropecuária do país (11:38)
Impacto da alta do dólar levou JBS a prejuízo de quase R$ 1 bi no 2º tri (08:25)
Miniboom de commodities está acabando, diz estudo (08:23)
Valor da Produção Agropecuária é de R$ 563,5 bilhões (08:17)
Milho: safra dos EUA dá suporte e mercado fecha a terça-feira com valorização de mais de 1% em Chicago (08:10)
Dificuldades financeiras da Argentina auxiliam soja em Chicago (08:01)
Soja devolve parte dos últimos ganhos em Chicago e opera com leve baixa nesta 4ª feira (08:00)
Terça-Feira, 14/08
Crédito rural: necessário manter e inovar (09:38)
Frango deve ficar mais caro para consumidores de MT nesta semana (09:26)
MILHO/CEPEA: estimativas de menor oferta mantêm vendedor recuado e preço segue em alta (07:57)
SOJA/CEPEA: dólar, exportação à China e menor estoque impulsionam cotações no Brasil (07:56)
Decisão sobre o glifosato alerta sojicultor no Brasil (07:51)
Milho: com clima favorável nos EUA, mercado recua nesta 2ª na CBOT e consolida 3ª desvalorização consecutiva (07:48)
Soja trabalha com estabilidade nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago ainda se ajustando (07:47)