Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Empresas

Cobb-Vantress promove campanha para desmistificar informações envolvendo a produção de frango

Série de vídeos aborda a qualidade da avicultura brasileira
Guapiaçu, SP, 06 de Julho de 2018 - Sete em cada dez frangos consumidos no Brasil possuem a genética da Cobb-Vantress, líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte e em especialização técnica no setor avícola. Pensando nisso, a companhia lançou uma campanha para abordar os mitos e verdades envolvendo a produção da carne de frango no País. O primeiro material, distribuído em formato de vídeo para clientes, parceiros e público em geral, trata do mito da utilização de hormônio no crescimento da ave.

“Essa é uma das principais preocupações dos consumidores. Eles querem saber a procedência da carne que estão comprando e se ela é de qualidade. Neste sentido, acreditamos que é de extrema importância informá-los sobre o processo de criação da ave e que não há nenhum tipo de hormônio aplicado nela”, disse o gerente de Marketing da Cobb, Cassiano Bevilaqua.

De acordo com o executivo, os frangos produzidos no Brasil apresentam resultados de qualidade sem a interferência de substâncias artificiais, porque recebem alimentação balanceada e são produzidos dentro das mais rígidas normas de biosseguridade. Além disso, em aves com o selo da Cobb, o fator principal é o crivo da seleção genética, um processo de aprimoramento e melhoramento genético feito pela companhia, há mais de 100 anos, com a seleção constante das melhores aves. Isso significa que a Cobb separa as aves com melhores resultados nos principais aspectos relacionados à produção e consumo. Ou seja, apenas as aves com maior quantidade de carnes nobres, menos disposição à enfermidades, maior fertilidade, menor geração de dejetos, entre outras características, são selecionadas para originar outras aves, garantindo a transmissão destas características.

“Nosso processo de Produção é voltado ao desenvolvimento de um animal que produz mais, consumindo menos. Ao longo do anos, a genética tem sido capaz de gerar uma ave que apresenta maior quantidade de carne com qualidade e redução de custos ao produtor, uma vez que as casas genéticas trabalham constantemente para produzir aves mais eficientes”, explica Bevilaqua.

Além da atuação da genética, que não exige o uso de hormônios no crescimento da ave, uma Instrução Normativa publicada, em 2004, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) proíbe o uso de substâncias que tenham como finalidade o crescimento e a eficiência alimentar das aves. A prática é fiscalizada pelo órgão, em parceria com as secretarias de Apoio Rural e Defesa Animal.

Um último ponto, destacado por Bevilaqua, diz respeito à impossibilidade de aplicação de um possível hormônio por via injetável, devido a grande quantidade de frangos que compõem um plantel. “Além disso, é importante observar que um hormônio necessitaria de cerca de mais de 60 dias para proporcionar qualquer tipo de melhoria, enquanto a maioria das aves no Brasil são abatidas com idade entre 42 e 50 dias. Ou seja, mesmo que uma substância como essa existisse, não haveria tempo hábil para geração de resultados na ave antes do consumo”, finaliza o gerente.

(Cobb-Vantress) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)