Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018
Produção

Mercado futuro estimula confinamento bovino
São Paulo, SP, 10 de Julho de 2018 - Animados com os preços do boi gordo no mercado futuro e com a recente queda das cotações do milho, os pecuaristas brasileiros devem aumentar o número de bovinos sob engorda no sistema intensivo - o confinamento - em 2018. Em média, 10% do gado bovino abatido no país é oriundo dos confinamentos. O restante é alimentado a pasto. Considerando todos os sistemas de produção, os frigoríficos brasileiros abateram 30,8 milhões de cabeças em 2017, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"A rentabilidade do confinador está favorável", avalia o gerente-executivo da Associação Nacional de Pecuária Intensiva (Assocon), Bruno Andrade. De acordo com o zootecnista, a diferença entre os preços do boi gordo no mercado físico e os contratos na B3 com vencimento em outubro anima os pecuaristas.

Na primeira semana de julho, o preço do boi gordo no Estado de São Paulo - referência para o restante do país - oscilou perto de R$ 140 por arroba, conforme levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), vinculado à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP). Na sexta-feira passada, o indicador ficou em R$ 139,00.

Na comparação com o mercado futuro, a diferença é de quase 8%. Na B3, os contratos futuros de boi gordo para outubro estão na casa dos R$ 150 por arroba. O mês de outubro é referência porque é o período de concentração de comercialização de boi confinado para os frigoríficos. A atividade do confinamento é maior no segundo semestre devido à entressafra na pecuária. Com menos chuvas, a condição das pastagens piora. Por isso, a alternativa do confinamento, em que os animais são alimentados também com ração.

Considerando o último levantamento de intenção de confinamento feito pela Assocon com os associados da entidade, que representa criadores responsáveis por cerca de 80% do gado engordado no sistema intensivo, haverá um aumento de 11,9% dos animais confinados em 2018. A expectativa da Assocon é que 3,7 milhões bovinos sejam confinadas neste ano, ante 3,3 milhões de cabeças do ano passado.

O número ainda está longe do auge do sistema de confinamento, ressalta Andrade. O pico foi em 2014, quando os associados da entidade confinaram 4,6 milhões de cabeças de bovinos no país. De lá para cá, a atividade foi afetada por problemas como a quebra de safra de milho na temporada 2015/16 e pelas cotações mais altas do boi magro.

Juntos, boi magro e ração (feita a partir de milho e farelo de soja) representam 95% dos custos do confinamento, segundo estimativas da multinacional holandesa DSM. Dona da marca de sal mineral Tortuga, a DSM é a maior fornecedora de nutrição para bovinos. No segmento de confinamentos, a DSM tem 30% do mercado, segundo o gerente de confinamento da companhia, Marcos Baruselli.

Na DSM, a expectativa também é positiva para os confinamentos em 2018. A estimativa da empresa é que, em todo o país, 4,6 milhões de cabeças de bovinos sejam confinadas neste ano, alta de 9,5% ante as 4,2 milhões de cabeças do ano passado. Até 2020, o Brasil deverá alcançar a casa dos 5 milhões de cabeças confinadas por ano.

De acordo com o gerente da DSM, a expectativa de queda dos preços do milho deve impulsionar a atividade de confinamentos. "O milho vai cair agora com a safrinha. Vem uma oferta grande de Mato Grosso e Goiás", afirmou o executivo, em alusão ao início da colheita de milho de inverno.

A colheita da safrinha ainda está no início, mas os preços do milho no mercado interno já registram forte queda - influenciados pela maior produção americana. Fatores internos, como o impasse em torno do tabelamento do frete, também influenciam. Em junho, o preço do milho caiu 18,7%, para R$ 36,97 por saca, conforme indicador Esalq/BM&FBovespa. Na primeira semana de julho, o preço do cereal recuou (-2%), para R$ 36,22.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)