Sábado, 17 de Novembro de 2018
Empresas

Aviagen e Cobb acirram disputa pelo mercado de genética avícola
São Paulo, SP, 12 de Julho de 2018 - Controlada pelo grupo alemão Erich Wesjohann (EW) desde 2005, a empresa de genética avícola Aviagen concluirá neste ano um pacote de investimento de R$ 100 milhões no Brasil. O objetivo da companhia é assumir a liderança do mercado brasileiro de matrizes (reprodutoras) de frango, um feito que parecia impossível no início desta década. Sua concorrente, a Cobb-Vantress, porém, já preparou a reação, com investimentos de US$ 20 milhões  ao ano previstos até 2022 no país.

Em 2011, a participação da Aviagen no Brasil atingiu 17%. Na década anterior, a companhia chegara a ter 50% do comércio de aves reprodutoras. A contínua redução de sua fatia de mercado, que teve início em 2003, refletia o pior desempenho das linhagens de aves da empresa, disse o presidente da Aviagen para a América Latina, Ivan Lauandos. Segundo ele, as aves da companhia começaram a perder espaço para a Cobb, braço de genética avícola da Tyson Foods, maior produtora de carnes dos EUA.

Em busca de maior peso na gestão para reverter o quadro, a Aviagen adquiriu, ainda em 2007, a participação da Agroceres na companhia, tornando-se a única acionista da operação no Brasil. Conforme Lauandos, foi nesse período que teve início o programa da Aviagen para o desenvolvimento de aves mais adaptadas ao mercado brasileiro.

A partir das 30 linhas pedigree que a companhia tem fora do país, os geneticistas da Aviagen fizeram cruzamentos para chegar a dois “produtos”: um frango que tivesse o maior rendimento de peito e um outro cuja característica principal seja menor custo de engorda.

Depois de cinco anos, em 2012, a Aviagen lançou as aves no mercado. Aos poucos, a empresa de genética começou a recuperar participação no Brasil, motivando investimentos para a ampliação de granjas e incubatórios. “Recuperamos a liderança”, disse Lauandos.

O executivo não comentou, mas  o crescimento da Aviagen reflete  uma decisão comercial adotada pela concorrente Cobb. Desde janeiro, a companhia não comercializa a geração de aves avós  — geração responsável pela produção de matrizes — , uma decisão que desagradou às gigantes Seara e BRF, admitiu o diretor-executivo da   Cobb na América do Sul, Jairo Arenázio. No Brasil, apenas as duas líderes em carne de frango têm escala para comprar as avós. As outras indústrias compram matrizes.

Segundo Arenázio, a decisão da Cobb, que levou mais de cinco anos para ser tomada, é “corajosa”, e visa dar condições iguais as clientes. Ao comprar avós, Seara e BRF tinham custos menores para produzir matrizes, disse.

Para a Cobb, o grande desafio é que a BRF e Seara têm uma fatia relevante da produção de frango no país. “Eles perdem 35% do mercado só no arranque da estratégia comercial”,  disse ao Valor um executivo da indústria, projetando que a Aviagen assumirá a liderança até o fim deste ano.

De acordo com Lauandos, a programação de vendas da Aviagen indica que a empresa terá 60% do mercado brasileiro de aves  matrizes no próximo ano. Com isso, o faturamento da companhia no país atingirá R$ 400 milhões em 2019, projetou. O valor é 14% maior do que os R$ 350 milhões projetados para este ano.

Arenázio, da Cobb-Vantress, assegura que não perderá a liderança do setor no Brasil. “Teremos ainda 70% do mercado”, disse. Apesar da reação negativa de BRF e Seara à decisão da empresa de não comercializar aves avós, o executivos afirmou que a Cobb está em negociações com as duas agroindústrias para vender as aves matrizes.

Por conta disso, a Cobb está ampliando a capacidade de suas granjas no Brasil, para elevar a produção anual de matrizes dos atuais 25 milhões para 30 milhões já no próximo ano. Até 2022, a empresa quer atingir uma capacidade para produzir 42 milhões de matrizes. O número inclui os dados da parceira gaúcha Agrogen.

Na Aviagen, o crescimento também é sustentado pelos investimentos de R$ 100 milhões nos últimos dois anos. Segundo Lauandos, a capacidade de alojamento de aves  avós da Aviagen no Brasil foi ampliada em 50%, para 1,5 milhão de aves.  A empresa tem unidades nos Estados de São Paulo e Minas Gerais.

Nos planos da Aviagen, estava a continuidade dos investimentos. No entanto, a crise da avicultura nacional, que vem sofrendo com as restrições internacionais após a Operação Carne Fraca, levou a empresa adiar os aportes. Quando a situação melhorar, a Aviagen pretende investir R$ 35 milhões na construção de uma nova granja, ampliando a capacidade de produção anual de matrizes de 13 milhões para 16 milhões.

Juntas, a Aviagen e a Cobb podem produzir 38 milhões de matrizes por ano. Segundo Arenário, da Cobb, o plantel brasileiro é de 50 milhões de matrizes (o que inclui as aves matrizes de BRF e Seara, que priorizam as compras da geração de aves avós).

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 17/11
Sexta-Feira, 16/11
FRANGO/CEPEA: carne se valoriza com aumento da procura (08:17)
OVOS/CEPEA: maior demanda eleva cotações; alta do vermelho supera 20% (08:16)
Retomada econômica poderá afetar o campo em 2019, diz analista (08:14)
SUÍNOS/CEPEA: bom ritmo de exportações e demanda interna elevam preço da carne (08:14)
BOI/CEPEA: aumento no abate mostra retomada de produtividade (08:13)
ABPA fomenta novos negócios para importações chinesas de aves e de suínos na CIIE (08:03)
Câmbio e clima nos EUA deixaram o milho na CBOT em total estabilidade (08:02)
Dólar mais alto e neve nos próximos dias nos EUA firmaram a soja em alta moderada em Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)