Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Exportação

País contesta veto a frigoríficos pela UE
Genebra, 12 de Julho de 2018 - O Brasil levará nesta quinta-feira o conflito do frango com a União Europeia (UE) para um comitê da Organização Mundial do Comércio (OMC), além de outros problemas que atingem as vendas de carnes para Rússia, México e Panamá. As questões vão ser apresentadas no Comitê de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS). Não se trata ainda de disputa diante dos juízes da OMC, mas do que é chamado no jargão de "preocupações comerciais específicas", uma forma de pressão inicial.

O caso mais importante é a decisão da UE que retirou 20 frigoríficos brasileiros de carne de frango (um deles também produz carne bovina processada) da lista de unidades autorizadas a exportar aos 27 países-membros do bloco. Entre as plantas embargadas, 12 são da BRF.

Em sua argumentação, Bruxelas menciona dúvidas sobre a capacidade de as empresas terem um bom controle sanitário da salmonela, problema que veio à tona na Operação Trapaça. A investigação, deflagrada em março, apura esquema de fraudes envolvendo laboratórios na análise de bactérias.

Para o Brasil, esse tipo de dúvida não pode ser justificativa, está longe de ser científica, e não há razões para Bruxelas manter as 20 plantas fora da lista de autorizadas a exportar. A segunda preocupação comercial específica contra a UE é sobre a mudança de classificação do frango salgado. Isso elevou a tarifa de importação, que o Brasil continua a contestar.

O terceiro caso é sobre a carne suína para o México. Os produtores brasileiros querem ter acesso ao mercado, o terceiro maior importador mundial do produto. Mas o México continua a não aceitar a equivalência de certificados sanitários, após anos de discussões.

O Brasil vai reclamar que se trata de uma demora não justificada e que é hora de negociar a certificação sanitária. Para analistas, isso é ainda mais importante porque o México aumentou a tarifa para a carne suína dos EUA, que era seu principal fornecedor. A Europa, que tem acordo bilateral com o México, está pronta para se aproveitar disso. Os brasileiros têm a mesma esperança.

Também será apresentada preocupação comercial no caso de embargos feitos pela Rússia às carnes bovina e suína brasileira. O veto ocorreu porque Moscou diz ter detectado resíduos do promotor de crescimento ractopamina em lotes de carne suína brasileira.

Para suspender o embargo, Moscou exige uma série de esclarecimentos adicionais. As indicações são de que só gradualmente o país vai reabrir o mercado ao Brasil. Enquanto isso, a delegação brasileira quer saber por que a carne bovina também foi alvejada, se o problema foi detectado em carne suína.

No caso do Panamá, trata-se de barreira à entrada de frango. Em 2016, o país autorizou 20 plantas brasileiras a exportar para seu mercado. Só que imediatamente produtores locais protestaram e o governo panamenho voltou atrás suspendendo as autorizações sem justificativa científica. O Brasil quer voltar a ter o sinal verde para exportar.

Além disso, o governo brasileiro apresentará propostas para melhorar a aplicação do Acordo de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias, para assegurar, por exemplo, que barreiras só sejam impostas com base realmente científica.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)