Sábado, 22 de Setembro de 2018
Exportação

Na OMC, Brasil cobra da China fim de barreiras a açúcar e frango
Genebra, 12 de Julho de 2018 - Durante o exame da política comercial da China, ontem, na Organização Mundial do Comércio (OMC), o Brasil cobrou de Pequim que normalize o mais rápido possível a entrada de açúcar e frango brasileiros no mercado chinês. O embaixador brasileiro Evandro Didonet destacou em sua intervenção a mensagem chinesa de compromisso com aprofundamento de reformas e de abertura do mercado.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Desde 2009 é o principal destino das exportações brasileiras. Em 2017, as vendas atingiram US$ 47,4 bilhões ou 22% das exportações totais brasileiras.

Ao mesmo tempo, a China continua a aumentar sua participação nas importações feitas pelo Brasil. Tornou-se a principal origem das importações, ou a segunda, se a União Europeia for considerada como grupo, num total de US$ 27,3 bilhões.

O embaixador destacou que as relações econômicas bilaterais se expandiram além do comércio. Segundo dados do Banco Central brasileiro, o fluxo líquido de investimentos diretos chineses no Brasil atingiu US$ 10,9 bilhões em 2017.

No meio desse cenário positivo, Didonet citou pontos que precisam ser melhorados. Reiterou a importância que o Brasil dá para diversificar o fluxo bilateral de comércio. Cerca de 80% das vendas brasileiras à China continuam limitadas a commodities, principalmente soja, minério de ferro e petróleo.

Relatório da OMC que serve para o exame chinês mostra que o Brasil é agora o sétimo maior fornecedor de petróleo para a China. Suas vendas tiveram o maior aumento, de 20,6%, entre os fornecedores, no ano passado. No setor industrial, o Brasil vende à China basicamente jatos regionais, mas isso representa menos de 1% do total exportado.

Além da falta de diversificação, o Brasil lamentou a aplicação de taxas antidumping sobre a carne de frango e medidas de salvaguarda contra o açúcar.

Para o Brasil, a investigação chinesa não conseguiu produzir evidências de dumping, dano ou vínculo causal no caso do frango. As exportações brasileiras representam apenas 5% do que a China importa. Didonet lembrou que o produto brasileiro nunca foi submetido à salvaguarda definitiva por nenhum outro membro da OMC. Ele disse confiar que as autoridades chinesas vão concluir a investigação sem aplicação de sobretaxa.

Com relação ao açúcar, o Brasil segue buscando esclarecimentos e maior acesso a estatísticas para avaliar como retomar as exportações. A sobretaxa imposta pelos chineses derrubou as vendas brasileiras em 87% em 2017, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), que defende abertura de disputa na OMC contra Pequim.

Depois de destacar a contribuição da China como crucial para preservar as regras multilaterais de comércio, o Brasil pediu para Pequim adotar procedimentos simplificados em questões sanitárias e fitossanitárias (SPS) para carnes bovina, suína e de frango, assim como o credenciamento de estabelecimentos para exportar àquele mercado.

Brasília também demandou mais previsibilidade na administração de licença ou autorizações relacionadas à compra de jatos. No ano passado, durante visita do presidente Michel Temer a Pequim, a China adiou as autorizações para a compra de 20 aviões da Embraer e a entrega de outras 18 aeronaves pela companhia brasileira no mercado chinês.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 22/09
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)