Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018
Empresas

Plano de Parente para BRF anima investidor
São Paulo, SP, 20 de Julho de 2018 - Há 20 dias, o clima entre os investidores era de aflição. Pedro Parente, saudado no mercado como o nome certo para resgatar a BRF, já havia assumido o cargo de CEO global. Mas as ações não esboçavam reação positiva na bolsa. Pelo contrário. Em meio ao temor com um eventual aumento de capital, o que diluiria os acionistas, os papéis da empresa atingiram em 28 de junho o pior nível desde dezembro de 2009.

Aos poucos, no entanto, o clima de apreensão vai ficando para trás. Na quarta-feira, Parente completou um mês como CEO global da BRF. Efetivamente, a virada de humor dos investidores teve início em 29 de junho, exatamente um dia após as ações da companhia baterem o piso deste ano.

Na noite daquela sexta-feira, Parente revelou ao mercado seu plano de emergência para resgatar a BRF. O temido aumento de capital estava descartado. Para recuperar as finanças da companhia brasileira e reduzir seu índice de endividamento, Parente anunciou que a BRF iria se desfazer das operações na Argentina, na Tailândia e na Europa. A venda dos ativos é a face mais importante da estratégia para angariar, ainda neste ano, R$ 5 bilhões.

Desde o anúncio do plano de resgate, o valor de mercado da dona das marcas Sadia e Perdigão aumentou R$ 4,5 bilhões. Ontem, a BRF valia R$ 19 bilhões na bolsa. Desde o dia 29 de junho, as ações da empresa subiram 29,89%, atingindo R$ 23,38. No mesmo período, o Ibovespa registrou valorização de 6,49%.

Apesar disso, os papéis ainda estão longe dos melhores dias, o que pode representar uma oportunidade para os investidores. Quando Parente foi eleito para presidir o conselho de administração da BRF, em 26 de abril, as ações eram negociadas a quase R$ 26. Na prática, os papéis da BRF ainda estão 9,97% abaixo do valor - já depreciado - registrado quando o ex-presidente da Petrobras chegou à empresa para encerrar a 'era' Abilio Diniz.

Para os analistas da corretora do Bradesco, o movimento de valorização da BRF está apenas no início. Em relatório divulgado na terça-feira, o banco atribuiu o rating 'outperform' para as ações da companhia, o equivalente a recomendar a compra dos papéis. O preço-alvo do Bradesco BBI para as ações da BRF no fim de 2019 é R$ 35,00, o que representa um potencial de alta de mais de 50%.

A avaliação dos analistas Leandro Fontanesi, João Pedro Soares e Rafael Sommer, do Bradesco, é que o plano de emergência anunciado pela BRF é factível neste ano. Além disso, os analistas argumentaram que a empresa de alimentos terá o caixa necessário para amortizar as dívidas que vencem até 2022 mesmo se tudo der errado em 2019. Outros ativos, como a controlada turca Banvit, poderiam ser vendidos pela BRF.

Pelas estimativas do Bradesco, a BRF conseguirá obter cerca de R$ 2 bilhões com a venda de suas operações na Europa, na Argentina e na Tailândia. Outros R$ 2 bilhões seriam obtidos com a securitização de recebíveis e a venda de ativos não operacionais (imóveis, florestas e as participações minoritárias na Minerva Foods e na Cofco Meat). Por fim, o Bradesco também calculou que a empresa poderá economizar R$ 1 bilhão com a redução dos estoques, perfazendo os R$ 5 bilhões do plano anunciado.

Embora o relatório do Bradesco enfatize a capacidade de recuperação da BRF, a estimativa de R$ 2 bilhões que o banco prevê que a empresa obterá com a venda dos ativos na Europa, na Tailândia e na Argentina representa uma perda expressiva se comparada ao montante que a BRF investiu para comprar esses ativos. Pelos cálculos do Bradesco BBI, foram US$ 931 milhões (o equivalente a R$ 3,5 bilhões).

A estimativa do Bradesco é também muito inferior à que o BTG Pactual fez no início de julho. Em relatório assinado pelos analistas Thiago Duarte e Vito Ferreira, o BTG avaliou que a BRF poderia obter US$ 935 milhões (o equivalente a R$ 3,5 bilhoes, considerando o dólar a R$ 3,75) com a venda dos ativos na Argentina, na Tailândia e na Europa. O banco também estimou que US$ 133 milhões poderiam ser obtidos pela BRF com a venda dos ativos não operacionais (florestas e ativos imobiliários).

Se de fato vender os ativos pelos R$ 2 bilhões projetados pelo Bradesco - os analistas chegaram a esse valor considerando o múltiplo médios das vendas de ativos feitas por Marfrig e JBS para reduzir dívidas -, a BRF terá perdido R$ 1,5 bilhão, ou 43%, em relação ao investimento inicial. Os ativos na Argentina, na Europa e na Tailândia foram comprados pela BRF ente 2011 e 2016.

Na avaliação do Bradesco, os ativos que a BRF colocou à venda terão compradores. Na Argentina, os ativos fariam sentido para as argentinas Molinos e Paladini e mesmo para a brasileira Marfrig, segundo os três analistas do Bradesco.

Executivos que conhecem o negócio de carnes na Argentina, porém, discordam dessa avaliação. Em meio à crise econômica no país sul-americano, a venda dos ativos poderá se mostrar uma tarefa mais difícil, afirmaram dois executivos do segmento ao Valor.

Além disso, a Marfrig dificilmente fará uma oferta pelo ativos de aves, suínos e alimentos industrializados da BRF na Argentina, segundo fontes próximas. O foco da Marfrig, que está no processo final para a venda da subsidiária americana Keystone, é a produção de carne bovina. Em tese, a Marfrig poderia se interessar apenas pela unidade de produção de hambúrguer bovino da BRF na Argentina.

Para os ativos na Tailândia, onde a BRF produz carne de frango, mais interessados deverão aparecer, avaliou um ex-executivo da companhia. "Com apenas três ligações, é possível vender a operação da Tailândia", acrescentou uma fonte próxima à BRF. Para os analistas do Bradesco, o negócio na Tailândia poderia atrair o interesse da brasileira JBS e da japonesa NH Foods.

No caso dos ativos na Europa, que inclui a produção de alimentos processados na Áustria e na Holanda e estrutura de distribuição, a JBS e a britânica Cranswick poderiam se interessar, conforme a análise da corretora do Bradesco.

Na segunda-feira, a BRF anunciou avanços no plano para a venda dos ativos. A companhia contratou o banco Morgan Stanley para assessorá-la na venda das operações na Europa e na Tailândia. Para vender os ativos na Argentina, contratou os bancos Bradesco BBI e Itaú BBA.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 19/10
Exportadores de aves e de suínos lançam campanha de imagem na União Europeia (09:58)
FRANGO/CEPEA: menor produção sustenta valor do pintainho em 2018 (09:48)
OVOS/CEPEA: preços iniciam segunda quinzena em forte queda (09:46)
BRF mantém conversas "amplas" com autoridades sobre investigações da PF (09:15)
Por carnes, Brasil faz proposta a Hong Kong (07:28)
Condomínio Vespasiano Corrêa assina contrato para liberação de financiamento (07:14)
Milho em Chicago dá continuidade às baixas da sessão anterior e testa ligeiras perdas nesta 6ª feira (07:13)
Após queda intensa, soja passa por leve correção técnica em Chicago nesta 6ª feira (07:12)
Fraca demanda pela soja dos EUA derruba preço em Chicago (07:00)
Quinta-Feira, 18/10
Vetanco participa do ACAV 2018 (14:46)
Chile reabre mercado para avicultura do RS (13:32)
SUÍNOS/CEPEA: exportação elevada sustenta preços no Brasil (10:15)
BOI/CEPEA: produtividade de carne por animal é maior em SP (09:44)
Adaptação veterinária (08:55)
Guerra comercial já eleva os preços na China (08:45)
BRF negocia acordo de leniência com MPF e CGU (08:14)
Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor (08:11)
Soja: mercado no Brasil tem novo dia de pressão nesta 4ª e continua sentindo peso do câmbio (08:00)
Força-tarefa encontra três novos focos de peste suína no Ceará (07:28)
O frigorífico que produz carne de frango sem matar nenhuma ave (06:51)
Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)