Segunda-feira, 18 de Março de 2019
Empresas

Plano de Parente para BRF anima investidor
São Paulo, SP, 20 de Julho de 2018 - Há 20 dias, o clima entre os investidores era de aflição. Pedro Parente, saudado no mercado como o nome certo para resgatar a BRF, já havia assumido o cargo de CEO global. Mas as ações não esboçavam reação positiva na bolsa. Pelo contrário. Em meio ao temor com um eventual aumento de capital, o que diluiria os acionistas, os papéis da empresa atingiram em 28 de junho o pior nível desde dezembro de 2009.

Aos poucos, no entanto, o clima de apreensão vai ficando para trás. Na quarta-feira, Parente completou um mês como CEO global da BRF. Efetivamente, a virada de humor dos investidores teve início em 29 de junho, exatamente um dia após as ações da companhia baterem o piso deste ano.

Na noite daquela sexta-feira, Parente revelou ao mercado seu plano de emergência para resgatar a BRF. O temido aumento de capital estava descartado. Para recuperar as finanças da companhia brasileira e reduzir seu índice de endividamento, Parente anunciou que a BRF iria se desfazer das operações na Argentina, na Tailândia e na Europa. A venda dos ativos é a face mais importante da estratégia para angariar, ainda neste ano, R$ 5 bilhões.

Desde o anúncio do plano de resgate, o valor de mercado da dona das marcas Sadia e Perdigão aumentou R$ 4,5 bilhões. Ontem, a BRF valia R$ 19 bilhões na bolsa. Desde o dia 29 de junho, as ações da empresa subiram 29,89%, atingindo R$ 23,38. No mesmo período, o Ibovespa registrou valorização de 6,49%.

Apesar disso, os papéis ainda estão longe dos melhores dias, o que pode representar uma oportunidade para os investidores. Quando Parente foi eleito para presidir o conselho de administração da BRF, em 26 de abril, as ações eram negociadas a quase R$ 26. Na prática, os papéis da BRF ainda estão 9,97% abaixo do valor - já depreciado - registrado quando o ex-presidente da Petrobras chegou à empresa para encerrar a 'era' Abilio Diniz.

Para os analistas da corretora do Bradesco, o movimento de valorização da BRF está apenas no início. Em relatório divulgado na terça-feira, o banco atribuiu o rating 'outperform' para as ações da companhia, o equivalente a recomendar a compra dos papéis. O preço-alvo do Bradesco BBI para as ações da BRF no fim de 2019 é R$ 35,00, o que representa um potencial de alta de mais de 50%.

A avaliação dos analistas Leandro Fontanesi, João Pedro Soares e Rafael Sommer, do Bradesco, é que o plano de emergência anunciado pela BRF é factível neste ano. Além disso, os analistas argumentaram que a empresa de alimentos terá o caixa necessário para amortizar as dívidas que vencem até 2022 mesmo se tudo der errado em 2019. Outros ativos, como a controlada turca Banvit, poderiam ser vendidos pela BRF.

Pelas estimativas do Bradesco, a BRF conseguirá obter cerca de R$ 2 bilhões com a venda de suas operações na Europa, na Argentina e na Tailândia. Outros R$ 2 bilhões seriam obtidos com a securitização de recebíveis e a venda de ativos não operacionais (imóveis, florestas e as participações minoritárias na Minerva Foods e na Cofco Meat). Por fim, o Bradesco também calculou que a empresa poderá economizar R$ 1 bilhão com a redução dos estoques, perfazendo os R$ 5 bilhões do plano anunciado.

Embora o relatório do Bradesco enfatize a capacidade de recuperação da BRF, a estimativa de R$ 2 bilhões que o banco prevê que a empresa obterá com a venda dos ativos na Europa, na Tailândia e na Argentina representa uma perda expressiva se comparada ao montante que a BRF investiu para comprar esses ativos. Pelos cálculos do Bradesco BBI, foram US$ 931 milhões (o equivalente a R$ 3,5 bilhões).

A estimativa do Bradesco é também muito inferior à que o BTG Pactual fez no início de julho. Em relatório assinado pelos analistas Thiago Duarte e Vito Ferreira, o BTG avaliou que a BRF poderia obter US$ 935 milhões (o equivalente a R$ 3,5 bilhoes, considerando o dólar a R$ 3,75) com a venda dos ativos na Argentina, na Tailândia e na Europa. O banco também estimou que US$ 133 milhões poderiam ser obtidos pela BRF com a venda dos ativos não operacionais (florestas e ativos imobiliários).

Se de fato vender os ativos pelos R$ 2 bilhões projetados pelo Bradesco - os analistas chegaram a esse valor considerando o múltiplo médios das vendas de ativos feitas por Marfrig e JBS para reduzir dívidas -, a BRF terá perdido R$ 1,5 bilhão, ou 43%, em relação ao investimento inicial. Os ativos na Argentina, na Europa e na Tailândia foram comprados pela BRF ente 2011 e 2016.

Na avaliação do Bradesco, os ativos que a BRF colocou à venda terão compradores. Na Argentina, os ativos fariam sentido para as argentinas Molinos e Paladini e mesmo para a brasileira Marfrig, segundo os três analistas do Bradesco.

Executivos que conhecem o negócio de carnes na Argentina, porém, discordam dessa avaliação. Em meio à crise econômica no país sul-americano, a venda dos ativos poderá se mostrar uma tarefa mais difícil, afirmaram dois executivos do segmento ao Valor.

Além disso, a Marfrig dificilmente fará uma oferta pelo ativos de aves, suínos e alimentos industrializados da BRF na Argentina, segundo fontes próximas. O foco da Marfrig, que está no processo final para a venda da subsidiária americana Keystone, é a produção de carne bovina. Em tese, a Marfrig poderia se interessar apenas pela unidade de produção de hambúrguer bovino da BRF na Argentina.

Para os ativos na Tailândia, onde a BRF produz carne de frango, mais interessados deverão aparecer, avaliou um ex-executivo da companhia. "Com apenas três ligações, é possível vender a operação da Tailândia", acrescentou uma fonte próxima à BRF. Para os analistas do Bradesco, o negócio na Tailândia poderia atrair o interesse da brasileira JBS e da japonesa NH Foods.

No caso dos ativos na Europa, que inclui a produção de alimentos processados na Áustria e na Holanda e estrutura de distribuição, a JBS e a britânica Cranswick poderiam se interessar, conforme a análise da corretora do Bradesco.

Na segunda-feira, a BRF anunciou avanços no plano para a venda dos ativos. A companhia contratou o banco Morgan Stanley para assessorá-la na venda das operações na Europa e na Tailândia. Para vender os ativos na Argentina, contratou os bancos Bradesco BBI e Itaú BBA.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 18/03
Carnes necessitam de um marketing proativo, segundo analistas do setor (14:26)
Exportação de carne é principal tema na agenda de Tereza Cristina nos EUA (14:21)
Vetanco estará presente ao SBSA 2019 (14:14)
Estoque de soja elevado nos EUA reduz patamar de negócios no Brasil (10:00)
Milho: possível maior oferta pressiona valores internos (09:47)
Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia (08:24)
Declaração de chanceler sobre China gera mal-estar com o agronegócio (08:21)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Acordo EUA-China e o agro brasileiro (07:05)
Peste na China causa disrupção no mercado de carnes e leva à disparada de BRF e JBS na bolsa (07:04)
A força do frango (07:03)
Sexta-Feira, 15/03
Governo libera R$ 73 milhões para serem aplicados no seguro rural neste e no próximo mês (14:33)
Cobb-Vantress patrocina Simpósio de Avicultura em Bogotá (13:17)
Wisium lançará linha com conceito Egg Quality Concept durante Congresso de Ovos (12:53)
Frango: exportação aumenta e china se torna principal destino da proteína (10:23)
Ovos: apesar do início da Quaresma, cotações seguem estáveis (10:22)
Agricultura brasileira é produtiva e sustentável, defende ministro (10:15)
CASP, da área de equipamentos, tem recuperação judicial deferida (10:14)
RJ cancela benefício fiscal e BRF terá de devolver R$ 300 milhões (08:15)
Rio Grande do Sul volta ao segundo lugar na soja (08:12)
FACTA prorroga inscrições para Prêmio Lamas 2019 até 22 de março (08:00)
Termo de cooperação técnica e financeira prevê R$ 1,4 milhão para a Agrodefesa goiana (07:39)
Mercado global de frango deve melhorar gradualmente em 2019 (07:38)
MPE vai investigar abate clandestinos de frango em Sergipe CIDADE (07:37)
Árabes encontram novos possíveis fornecedores no Brasil (07:36)
IMA apreende 1,5 tonelada de carne de frango na zona rural de Santa Rita do Sapucaí, MG (07:35)
Mercado do boi gordo segue firme (07:10)
Preços futuros do milho se mantêm fortes (07:05)
Soja: mercado está apático (07:00)
Quinta-Feira, 14/03
IBGE: Abate de frangos cai 2,5% em 2018, segunda queda consecutiva (10:52)
Produção de ovos aumenta 8,6% e chega a 3,6 bilhões de dúzias, aponta IBGE (10:51)
Menor preço do boi gordo deve favorecer confinador em 2019 (10:06)
Wisium lança projeto especial de logística (09:56)
Suínos: quantidade de carne exportada em fev/19 é recorde para o mês (09:53)
BRF reestrutura food service e prevê crescer ‘dois dígitos’ (08:00)
Agricultores mexicanos pedem tarifas equivalentes sobre produtos norte-americanos (07:34)
Reino Unido suprimirá tarifas de 87% das importações em caso de Brexit sem acordo (07:33)
Suíno Vivo: cotações estáveis nesta quarta (13) (07:15)
Exportação diária de carne bovina in natura sobe 70% (07:10)
Milho: quarta-feira registra poucas movimentações (07:07)
Soja em Chicago tem leve recuo na 5ª feira (07:00)
Conab deve fazer leilões de milho no Mato Grosso (06:33)
Quarta-Feira, 13/03
Exportações de carne suína crescem 5,65% em 2019 (10:46)
Probióticos: principais critérios de seleção e seu papel na saúde intestinal (09:00)
Nutriad e Adisseo divulgam dados de pesquisa sobre micotoxinas em milho no Brasil (08:50)
Evonik participa do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (08:41)
Conab e IBGE baixam projeções para grãos (08:39)
Suíno Vivo: altas em SC e em SP (08:20)
Cotações do boi gordo ganham firmeza (08:15)
Milho ganha força em Chicago nesta terça-feira (08:05)
Soja fecha em alta nesta 3ª em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 12/03
2019: o ano em que a avicultura vai brilhar na América do Sul (08:49)
Produção de aves livres de antibióticos e segurança alimentar (08:48)
Grupo Mantiqueira comemora conquista do selo ‘eureciclo’ (08:40)
Ovo e a alimentação da gestante e lactante (08:38)
SBSA: Vetanco participa da Poultry Fair com 100% do time de avicultura (08:21)
Exportações de carne de frango chegam a 316,9 mil toneladas em fevereiro (08:20)
Peste na China eleva e valoriza exportação de carne suína do Brasil (08:19)
Crise sanitária da suinocultura chinesa pode abrir portas para o Brasil, afirma Mendonça de Barros (08:17)
Demanda por crédito rural segue aquecida (08:15)
Milho encerra segunda-feira desvalorizado em Chicago (08:06)
Soja: fundos seguem vendendo posições e Chicago fecha em queda nesta 2ª feira (08:00)