Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Agronegócios

Expansão em (quase) todas as frentes
São Paulo, SP, 08 de Agosto de 2018 - Se soja e milho tendem a puxar o aumento da área plantada e da produção de grãos do país na próxima década, produtos básicos como arroz e feijão, cuja oferta é destinada sobretudo ao mercado doméstico, deverão perder espaço no campo. É o que sinaliza o estudo "Projeções do Agronegócio - 2017/18 a 2027/28", recém-divulgado pelo Ministério da Agricultura.

Como já informou o Valor, o trabalho prevê que, no total, a produção brasileira de grãos deverá alcançar ao menos 301,8 milhões de toneladas na safra 2027/28, quase 30% mais que no ciclo 2017/18 (232,6 milhões). A área plantada deverá aumentar pouco menos de 15% na comparação, para 70,7 milhões de hectares, o que confirma um forte ganho de produtividade.




Esse ganho será determinado por avanços expressivos traçados para soja e milho, culturas que já dominam a colheita nacional atualmente. No caso da soja, a área de cultivo deverá chegar a 45,1 milhões de hectares na temporada 2027/28, 28,4% mais que em 2017/18, e a produção atingirá ao menos 155,9 milhões de toneladas, com incremento de 33,2%. No do milho, o ministério projeta aumentos de 6,2% da área na próxima década, para 17,7 milhões de hectares, e de 26,9% da colheita total (primeira e segunda safras), para 113,2 milhões de toneladas.

Se confirmadas as previsões, soja e milho, que representaram 84,1% da área plantada de grãos no país em 2017/18, ocuparão 88,8% da extensão projetada pelo ministério em 2027/28. Na produção, a participação da dupla no horizonte desenhado deverá saltar de 88,7% para 89,2%. Em boa medida, esses crescimentos de área vão se dar sobre pastagens degradadas, mas arroz e feijão, combinação popular no prato do brasileiro, também perderão espaço.

Conforme o estudo divulgado pelo ministério, a área plantada de arroz, que em 2017/18 foi de praticamente 2 milhões de hectares, cairá para 905 mil hectares em 2027/28 (53,8%). Em virtude dos ganhos de produtividade previstos, a produção do cereal poderá aumentar 3,6% na década, para quase 12 milhões de toneladas. Para o feijão, o cenário aponta para redução de 37,2% da área, para pouco mais de 2 milhões de toneladas, e baixa de 8,8% da produção, para 3,1 milhões de toneladas. O consumo de ambos não deverá oscilar muito no cenário traçado: o de arroz poderá subir 1,6%, para 12,2 milhões de toneladas, enquanto o de feijão deverá permanecer estável em 3,3 milhões de toneladas.

Grande parte do previsto aumento de produção de soja e milho será destinada ao mercado externo, o que promete dar ao Brasil status ainda mais relevante nesse comércio - o país já é o maior exportador de soja do mundo e ocupa a segunda posição no caso do milho, atrás dos Estados Unidos. Segundo o ministério, os embarques da oleaginosa deverão crescer 37,9% até 2017/28, para 96,5 milhões de toneladas, enquanto os do cereal tendem a aumentar 33,9%, para 42,8 milhões de toneladas.

De acordo com o trabalho do ministério, portanto, as exportações representarão 61,9% da produção de soja em 2027/28, ante 59,8% em 2017/18, ao passo que a fatia dos embarques de milho na colheita subirá de 35,9% para 37,8%. O consumo doméstico de soja e milho também deverá crescer na próxima década, sobretudo para atender à demanda de criadores de aves e suínos.

O peso do Brasil nas exportações globais de commodities como açúcar, café e suco de laranja, três mercados dominados pelo país nas últimas décadas - ainda que neste ciclo 2018/19 a liderança no açúcar poderá ser perdida para a Índia -, também tende a se manter expressivo nos próximos anos.

Para o açúcar, o ministério prevê aumento de 25,8% no volume dos embarques entre 2017/18 e 2017/28, para 37,2 milhões de toneladas, ou 74,9% da produção projetada (49,7 milhões de toneladas). No café, o incremento traçado é de 17,2%, para 34 milhões de sacas de 60 quilos, ou 47,9% da produção estimada (71 milhões de sacas), ao passo que no suco chega a 17,4%, para 2,7 milhões de toneladas.

Em parte sustentadas pela expansão da colheita de grãos como soja e milho, a produção e a exportação brasileira de carnes deverão continuar em alta na próxima década, segundo o estudo "Projeções do Agronegócio - 2017/18 a 2027/28". O Brasil já lidera a oferta global de carne bovina e é o principal exportador de carne de frango - ranking que, na carne suína, ocupa a quarta colocação.

Com a expectativa de que os rebanhos ocupem uma área cada vez menor e cedam espaço para o aumento do cultivo de grãos, a produção de carne bovina deverá passar de 9,9 milhões de toneladas, em 2018, para 12,1 milhões em 2018 - aumento de 22,7%. Nesse cenário, o ministério estima que as exportação vai aumentar 36%, para 2,8 milhões de toneladas.

Também de acordo com o cenário básico desenhado - todas as taxas de crescimento incluídas no estudo do ministério podem ser maiores a depender de condições climáticas e econômicas vigentes -, para a carne de frango a projeção do ministério é de incrementos de 29,1% da produção na mesma comparação, para 17,3 milhões de toneladas, e de 33,6% das exportações, para 5,2 milhões de toneladas. No caso da carne suína, a Pasta estima avanços de 29,3% na produção, para 4,8 milhões de toneladas, e de 38,9% nas exportações, para pouco menos de 870 mil toneladas.

Emergente que é, o Brasil também deverá apresentar índices expressivos de crescimento no consumo doméstico anual de carnes no cenário traçado. Para o frango, a alta prevista até 2028 é de 2,6% ao ano, para 12,2 milhões de toneladas; para a carne suína, a média anual de incremento estimada é de 2,2%, para 3,8 milhões de toneladas enquanto para a carne bovina é de 1,5% ao ano, para 9,3 milhões de toneladas.

Mais em www.agricultura.gov.br





(Valor) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!
  • Notícias Relacionadas
  • Mais lidas em 7 dias
  • Mais lidas em 30 dias

Segunda-Feira, 17/06
2a Conbrasul Ovos destaca transformação global da produção de ovos e desafios do setor na manha desta segunda 17 (13:15)
Valor da Produção Agropecuária de 2019 é de R$ 600,93 bilhões (13:12)
Controle de cascudinhos é tema de palestra no Espírito Santo (11:39)
Preço firme do milho, apesar de safra recorde, testa setor de carnes do Brasil (11:07)
AVES participa de debate sobre a incorporação da Laticínios Veneza a Coopeavi (08:41)
MSD Saúde Animal apoia 2ª Edição do Conbrasul (08:39)
Jinc abre inscrições para a 13ª edição em Concórdia-SC (08:35)
Aviagen América Latina e Pluma Agroavícola Reforçam Compromisso para o Crescimento de Seus Negócios (08:30)
Acordo sanitário com a China deve ser revisado (08:28)
Ministério prevê retomada da venda de carne aos EUA (08:15)
Brasil acionará OMC para contestar barreira da Indonésia a carne de frango (08:13)
Cotações do milho registram maior patamar dos últimos 5 anos na Bolsa de Chicago (08:12)
Soja: Com boas e persistentes chuvas previstas nos EUA, mercado fecha 6ª em alta na CBOT (08:05)
Mais real e apenas com o 'boi China' melhor, mercado do boi renova esperança para esta semana (08:04)
Brasil recorre à OMC contra barreira da Indonésia ao frango brasileiro (07:47)
Sexta-Feira, 14/06
Redução do uso de Antibióticos é tema de palestra promovida pela Vetanco (12:53)
Prevenção contra a PSA (11:11)
É hora de reorganizar os negócios, diz CEO da BRF (06:35)
Frigoríficos já podem retomar exportação de carne bovina à China (06:33)
Consumo de carne suína em baixa na China (06:31)
Mercado do boi 'acordou' mais tarde, reagiu e já mostrou negócios pré crise da vaca louca (06:27)
Mercado do boi gordo está ganhando firmeza (06:25)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (06:21)
Governo gaúcho reativa Câmaras Setoriais e Temáticas (06:18)
Conselho do Agro debate reforma tributária (06:17)
Abatedouro de aves é inaugurado no Parque Agroindustrial de Gurupi (GO) (06:15)
Justiça alemã valida morte de milhões de pintos machos na indústria (06:14)
Autoridades brasileiras e argentinas pedem corredor do milho e internacionalização de aeroporto (06:13)
Consumir carne de frango ao invés da bovina já diminui impactos ambientais (06:12)
Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal (06:09)
Saldo da balança do agronegócio foi de US$ 8,6 bilhões em maio (06:07)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (06:06)
Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos (06:03)
Quinta-Feira, 13/06
SP: Preços Agropecuários recuam 1,76% no fechamento do mês de maio (15:05)
Suínos: liquidez aquecida nos mercados interno e externo eleva preços (14:41)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (12:11)
Setor de equipamentos participa em peso do SIAVS 2019 (12:09)
IBGE: abate de frangos, no 1º trimestre, recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 (11:27)
Ovos de galinha: produção cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997, diz IBGE (11:26)
Korin investe em fábrica para ração de frangos (08:23)
Subprodutos fazem milho dos EUA mais competitivo (08:21)
Cooperativas de crédito ganham força (08:19)
Marfrig descarta ter que comprar ações da National Beef (08:15)
Mercado do boi ganha firmeza (08:10)
Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago (08:05)
Soja sobe quase 20 pts em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 12/06
Aves Hendrix são as campeãs do Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba (15:51)
XIV Simpósio Goiano de Avicultura recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (15:48)
Material de proteção gera crédito de Cofins (09:29)
Nova Gerente Técnica de Vendas da BV Science (09:08)
Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2019/2020 (08:59)
Produção de grãos no Brasil deve ser de 238,9 milhões de toneladas (08:58)
Demanda japonesa por carne continua superando a oferta doméstica (08:56)
Forte quebra nos EUA beneficia exportação brasileira de milho (08:46)
Uma fusão das mais complexas (08:45)
Índice da FGV de produção de agroindústrias caiu em abril (08:42)
Terça-Feira, 11/06
Universidade Estadual de Maringá tem 16 cartas-patentes concedidas pelo INPI (08:16)
“China sustenta a agricultura do Brasil", diz Charles Tang (08:08)
Falta de crédito rural com taxas controladas motiva busca por opções (08:06)
Plano de fusão com a Marfrig divide os conselheiros da BRF (08:03)
Boi Gordo: frigoríficos seguem 'tateando' o mercado (07:56)
MT registra vendas de milho "a todo vapor", com negócios para safras atual e futura (07:51)
Milho fecha 2ª feira com cotações misturadas em Chicago (07:50)
Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª feira (07:43)
Santa Catarina é o maior exportador de carne de frango do Brasil (07:28)