Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018
Logística

Frete pode tirar US$ 1,75 bi das exportações de milho
São Paulo, SP, 10 de Agosto de 2018 - Ao encarecer os fretes rodoviários, o tabelamento adotado pelo governo federal pode fazer o Brasil perder até US$ 1,75 bilhão de receita com exportações de milho neste ano. Esse cálculo, feito a partir do preço médio do milho exportado no mês passado, considera uma redução expressiva do volume das exportações do cereal.

Segundo analistas e executivos do setor, o aumento dos fretes pode inviabilizar parte das exportações do cereal do Centro-Oeste, principal região produtora do país. Na avaliação do diretor-executivo de oleaginosas da Louis Dreyfus Company (LDC), Luis Barbieri, as exportações de milho podem ficar em 20 milhões de toneladas este ano, bem abaixo das 31 milhões vendidas ao exterior em 2017 e inferior as 30 milhões de toneladas estimadas inicialmente para este ano.

“O transporte do milho de Mato Grosso já fica mais caro que o próprio milho em muitos momentos do ano”, afirma Ana Luiza Lodi, analista de mercado da FCStone.

Segundo boletim divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) hoje, a movimentação das cargas em direção aos portos ficou aquém do que se imaginava em julho. “Os line ups [filas de espera de navios] para julho indicavam um volume de mais de 2 milhões de toneladas e, no entanto, o realizado foi de 1,1 milhão”.

O aumento do frete está diretamente relacionado ao estabelecimento da tabela de fretes mínimos. Segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec ), a tabela gerou aumento de aproximadamente US$ 2,4 bilhões nos custos logísticos para exportação de grãos.

No relatório, a Conab apontou que a alta do custo com frete tem afetado a dinâmica das tradings e tem parado as negociações em Mato Grosso. Diante disso, a estatal estimou que as exportações podem ser reduzidas de 30 milhões de toneladas para 27 milhões de toneladas neste ano.

De acordo com Ana Luiza Lodi, a tabela de fretes rodoviários encareceu o transporte de milho do Mato Grosso até os portos, tornando mais viável a exportação do cereal produzido ao Sul do país. O problema é que não há disponibilidade do cereal da região. “O milho de rotas mais curtas fica mais atrativo, mas há pouco excedente para exportação nessas localidades”, disse a analista da FCStone.

Cálculos do Grupo de Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-Log) mostram que a média do frete para o transporte de grãos entre Sorriso (MT) e Santos (SP) praticado em julho ficou em R$ 325,41, apenas 5% maior que o de maio — antes da tabela —, mas 20,5% superior ao do mesmo mês do ano passado.

O preço praticado no mês passado ficou 14,1% abaixo do valor mínimo estabelecido na tabela do frete. “Tem negócios saindo fora da tabela, mas há o risco de multas. Para soja, até arrisca-se mais, mas para o milho não está saindo quase nada”, acrescentou a analista.

A lei que impôs o tabelamento dos fretes teve a sanção presidencial publicada hoje no Diário Oficial. Em reação, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com um novo pedido para suspender o tabelamento. A demanda da CNA é que a tabela seja suspensa antes mesmo da audiência pública marcada para o dia 27 de agosto no STF, quando será discutido se é legal ou não o governo determinar o preço do frete.

(Valor) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)
Segunda-Feira, 17/09
Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria (15:16)
O preço do milho deve subir mais? (11:17)
Vetanco realiza treinamento técnico para equipe da Vibra (11:01)
Brasil é convidado de honra em feira na China (09:03)
FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro (08:56)
Exportação perde força com exigência de sustentabilidade (08:54)
Missão na Ásia e Oriente busca ampliar e buscar novos mercados (08:53)
Apesar de embargos, agroindústria de SC aumenta exportação de carne de frango e suína no 1º semestre (08:42)
Exportações do agronegócio cresceram 3,6% em agosto, para US$ 9,3 bi (08:33)
Embrapa abre edital para seleção de parceiro para multiplicação e comercialização de linhagens de aves de corte e postura (08:28)
Na Semana do Ovo, IOB promove Curso ministrado por nutricionistas (08:26)
Agronegócio critica sucessão na Embrapa (08:21)
FRANGO/CEPEA: procura aumenta e eleva cotações (08:09)
OVOS/CEPEA: preço médio na 1ª quinzena é menor que o de agosto (08:08)
Milho: com perspectiva de grande safra nos EUA, mercado recua mais de 4% na semana em Chicago (08:06)
Apesar da queda do dólar, soja disponível sobe 2% em Paranaguá nesta 6ª e bate R$ 100/sc (08:00)
Sexta-Feira, 14/09
Brasil e Chile querem aumentar integração comercial no agro (09:33)
Rede de frango frito Popeyes chega ao Brasil até o fim de 2018 (09:28)
Adair Junior Alves - Assistente Técnico/Comercial, completa seu primeiro ano de atuação na Vetanco (08:56)
Brasil falha nas exportações de processados (07:33)
Cargill anuncia aquisição de participação minoritária na Agriness (07:29)
MP prevê volta de horas-extras de fiscais (07:25)
China se destaca por agregar valor nas cadeias agrícolas (07:23)
Câmbio impulsiona vendas de safras futuras no Brasil, exceto para quem deve em dólar (07:20)
Soja: diante da alta do dólar, preços sobem mais de 2% nesta 5ª no Porto de Paranaguá (07:18)