Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018
Análise

Dificuldades financeiras da Argentina auxiliam soja em Chicago

Governo interrompe redução gradual da taxa de exportação no farelo e no óleo de soja.
São Paulo, SP, 15 de Agosto de 2018 - A Argentina, importante exportadora de farelo e de óleo de soja, vai interromper a redução gradativa de impostos de exportação nesses dois produtos.

Desde que assumiu a Presidência, Mauricio Macri vinha reduzindo em 0,5 ponto percentual por mês a taxa. No início de seu governo, o imposto estava em 32%. Atualmente, está em 23%. A meta é deixar o governo com taxa de 18%.

A taxa de redução gradual será mantida, no entanto, nas exportações de soja em grãos. Ao contrário do que ocorre no Brasil, as exportações de soja em grãos na Argentina têm menos importância do que as de farelo e de óleo.

Para a analista Daniele Siqueira, da AgRural, a suspensão ocorre porque o governo quer aumentar a arrecadação de impostos e reduzir o déficit fiscal do país, uma medida acertada com o FMI (Fundo Monetário Internacional).

Vista como desestimuladora à produção de soja, a medida do governo argentino provocou uma alta de 2,5% na cotação do farelo, em Chicago, nesta terça-feira (14). O farelo puxou a soja, que teve evolução de 1,3% no contrato de setembro.

A ação do governo argentino provocou uma recuperação do preço internacional da soja, que havia desabado na sexta-feira (10), após os bons números divulgados pelo Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Undos) para o setor.

Em agosto, o governo faz a primeira estimativa de produtividade de soja. Ela veio acima do previsto e pode garantir safra recorde.

A produtividade de soja estimada pelo Usda é de 57,8 sacas por hectare, abaixo das 58,3 sacas da safra 2016/17. Com o aumento de área, porém, a safra deverá atingir o recorde de 124,8 milhões de toneladas em 2018/19.

“Está sobrando soja” diz Siqueira. A produção recorde mantém os EUA na liderança mundial de produção e eleva os estoques finais do país para 21,4 milhões. Ou seja, em 31 de agosto de 2019, os Estados Unidos terão uma sobra de soja nunca atingida antes.

Mesmo em guerra comercial com a China, os americanos não esperam intensa redução nas exportações da oleaginosa. Na safra que está se encerrando, as vendas externas vão somar 57,1 milhões de toneladas. Na próxima (a 2018/19), caem para 56,1 milhões.

E aos brasileiros, maiores produtores mundiais após os EUA, nem rezar adianta para que ocorra uma redução desse volume recorde.

A safra nos EUA está uma semana adiantada em relação ao tempo normal, e restam apenas duas outras para a maturação dos grãos. Eventuais chuvas na colheita poderiam reduzir um pouco a produção.

Esses números, mesmo elevados, não afetam muito, ainda, o mercado brasileiro. Variação cambial e prêmio pago ao produto brasileiro mantiveram os preços internos estáveis, apesar da queda da semana passada em Chicago.

Safra brasileira

Estimativa desta terça-feira da consultoria Céleres indica uma produção de 119,6 milhões de toneladas de soja no Brasil na safra 2018/19.

Área

Essa produção supera em 1 milhão o volume de 2017/18. Uma das razões para a alta é o crescimento da área de plantio. Na safra que será semeada, a área sobe para 36,2 milhões de hectares, acima dos 35,1 milhões da anterior.

Desafiador

Mesmo com esse aumento, Ibiapaba Netto, diretor-executivo da associação, diz que este ciclo será mais um período desafiador. O estoque está abaixo do dos patamares usuais.

Valor de produção

As principais lavouras e a pecuária brasileira deverão acumular um VBP (Valor Bruto de produção) de R$ 563 bilhões neste ano, 2% menor do que o de 2017. Os dados são do Ministério da Agricultura.

Pecuária cai mais O VBP das lavouras recua para R$ 383 bilhões, 3% menor do que no ano anterior. A pecuária (bovinos, suínos, frango, ovos e leite) cai para R$ 180 bilhões, 5% menos.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)
Segunda-Feira, 17/09
Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria (15:16)
O preço do milho deve subir mais? (11:17)
Vetanco realiza treinamento técnico para equipe da Vibra (11:01)
Brasil é convidado de honra em feira na China (09:03)
FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro (08:56)
Exportação perde força com exigência de sustentabilidade (08:54)
Missão na Ásia e Oriente busca ampliar e buscar novos mercados (08:53)
Apesar de embargos, agroindústria de SC aumenta exportação de carne de frango e suína no 1º semestre (08:42)
Exportações do agronegócio cresceram 3,6% em agosto, para US$ 9,3 bi (08:33)
Embrapa abre edital para seleção de parceiro para multiplicação e comercialização de linhagens de aves de corte e postura (08:28)
Na Semana do Ovo, IOB promove Curso ministrado por nutricionistas (08:26)
Agronegócio critica sucessão na Embrapa (08:21)
FRANGO/CEPEA: procura aumenta e eleva cotações (08:09)
OVOS/CEPEA: preço médio na 1ª quinzena é menor que o de agosto (08:08)
Milho: com perspectiva de grande safra nos EUA, mercado recua mais de 4% na semana em Chicago (08:06)
Apesar da queda do dólar, soja disponível sobe 2% em Paranaguá nesta 6ª e bate R$ 100/sc (08:00)
Sexta-Feira, 14/09
Brasil e Chile querem aumentar integração comercial no agro (09:33)
Rede de frango frito Popeyes chega ao Brasil até o fim de 2018 (09:28)
Adair Junior Alves - Assistente Técnico/Comercial, completa seu primeiro ano de atuação na Vetanco (08:56)
Brasil falha nas exportações de processados (07:33)
Cargill anuncia aquisição de participação minoritária na Agriness (07:29)
MP prevê volta de horas-extras de fiscais (07:25)
China se destaca por agregar valor nas cadeias agrícolas (07:23)
Câmbio impulsiona vendas de safras futuras no Brasil, exceto para quem deve em dólar (07:20)
Soja: diante da alta do dólar, preços sobem mais de 2% nesta 5ª no Porto de Paranaguá (07:18)