Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018
Agronegócios

Aumento da oferta de frango pressiona Seara
São Paulo, SP, 16 de Agosto de 2018 - As perspectivas para as agroindústrias de frango do país continuam negativas, sinalizou ontem o executivo-chefe de operações da JBS, Gilberto Tomazoni. Em teleconferência com analistas para comentar os resultados do segundo trimestre, o executivo afirmou que a Seara, que reúne os negócios de aves, suínos e alimentos processados da empresa no Brasil, enfrenta um cenário adverso que poderá ficar mais difícil.

Além dos obstáculos para reajustar os preços e assim repassar a alta de custos com milho - o principal ingrediente da ração -, os alojamentos de pintos de corte (indicador da produção futura de carne de frango) no Brasil voltaram a crescer, o que poderá gerar pressão adicional no mercado, conforme o executivo da JBS.

Segundo ele, esse aumento da oferta de frango no Brasil poderá comprometer até o aumento de preços da carne de frango que os exportadores do país haviam conseguido no mercado internacional. "Temos visto que os alojamentos começam a crescer e isso pode ser uma preocupação", afirmou.

No mercado doméstico, a Seara enfrentou dificuldades para reajustar os preços no segundo trimestre, disse Tomazoni. Quando divulgou os resultados de janeiro a março, em maio, o executivo afirmou que pretendia promover um reajuste médio de 5% entre abril e junho. O repasse médio, porém, ficou em 3%, mesmo que em junho tenha ficado mais "intenso", como acrescentou na teleconferência o presidente do conselho de administração e diretor de relações com investidores da JBS, Jerry O'Callaghan.

Devido ao excesso de oferta - provocado em parte pelo embargo europeu à concorrente BRF -, as dificuldades de repasse de preços e a greve dos caminhoneiros, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da Seara caiu 68% no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2017, para R$ 113,8 milhões. Já a receita somou R$ 4,1 bilhões, queda de 5,4% na mesma comparação.

De acordo com Tomazoni, para equilibrar a situação, a empresa teria de fazer um reajuste de 7% nos preços dos produtos da Seara. Mas, diante do cenário adverso, o executivo não deixou claro se o objetivo será cumprido neste trimestre.

Na contramão do que ocorre com a Seara, os negócios da JBS no mercado de carne bovina dos EUA têm perspectivas amplamente positivas, reforçou ontem, também na teleconferência, o CEO da JBS USA, André Nogueira.

O bom momento do divisão americana de carne bovina, que concentra mais de 40% das vendas da JBS, animou os analistas no pregão de ontem. Na bolsa, as ações da empresa subiram 2,8%, para R$ 9,17, na contramão do Ibovespa. O índice caiu 1,9% ontem, fechando a 77.077 pontos.

O cenário positivo nos EUA é sustentado pela oferta de bovinos, que deve crescer ao menos até 2021, segundo Nogueira. Além disso, a demanda externa pela carne bovina americana deverá seguir firme, puxada pelas importações do Japão e da Coreia do Sul. Nos EUA, a economia aquecida também estimula o consumo de carne bovina. "Não vemos nenhum sinal de demanda mudando. A demanda continua muito forte nos mercados doméstico e de exportação", afirmou Nogueira.

Questionado por um analista sobre o patamar de margem Ebitda que pode ser obtido pelo negócio de carne bovina nos EUA no próximo ano, o executivo concordou que uma margem de 8% - bem acima de média histórica - é factível. Esse número foi calculado a partir das projeções da concorrente americana Tyson Foods, que estima margem operacional de 6%. "Não é nada absurdo", afirmou o executivo.

No segundo trimestre deste ano, a unidade de negócios da JBS USA Beef, que também reúne as operações no Canadá e na Austrália, reportou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de US$ 570,1 milhões, aumento de 76% na comparação com o mesmo intervalo do último ano.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)
Segunda-Feira, 17/09
Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria (15:16)
O preço do milho deve subir mais? (11:17)
Vetanco realiza treinamento técnico para equipe da Vibra (11:01)
Brasil é convidado de honra em feira na China (09:03)
FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro (08:56)
Exportação perde força com exigência de sustentabilidade (08:54)
Missão na Ásia e Oriente busca ampliar e buscar novos mercados (08:53)
Apesar de embargos, agroindústria de SC aumenta exportação de carne de frango e suína no 1º semestre (08:42)
Exportações do agronegócio cresceram 3,6% em agosto, para US$ 9,3 bi (08:33)
Embrapa abre edital para seleção de parceiro para multiplicação e comercialização de linhagens de aves de corte e postura (08:28)
Na Semana do Ovo, IOB promove Curso ministrado por nutricionistas (08:26)
Agronegócio critica sucessão na Embrapa (08:21)
FRANGO/CEPEA: procura aumenta e eleva cotações (08:09)
OVOS/CEPEA: preço médio na 1ª quinzena é menor que o de agosto (08:08)
Milho: com perspectiva de grande safra nos EUA, mercado recua mais de 4% na semana em Chicago (08:06)
Apesar da queda do dólar, soja disponível sobe 2% em Paranaguá nesta 6ª e bate R$ 100/sc (08:00)
Sexta-Feira, 14/09
Brasil e Chile querem aumentar integração comercial no agro (09:33)
Rede de frango frito Popeyes chega ao Brasil até o fim de 2018 (09:28)
Adair Junior Alves - Assistente Técnico/Comercial, completa seu primeiro ano de atuação na Vetanco (08:56)
Brasil falha nas exportações de processados (07:33)
Cargill anuncia aquisição de participação minoritária na Agriness (07:29)
MP prevê volta de horas-extras de fiscais (07:25)
China se destaca por agregar valor nas cadeias agrícolas (07:23)
Câmbio impulsiona vendas de safras futuras no Brasil, exceto para quem deve em dólar (07:20)
Soja: diante da alta do dólar, preços sobem mais de 2% nesta 5ª no Porto de Paranaguá (07:18)