Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Câmbio impulsiona vendas de safras futuras no Brasil, exceto para quem deve em dólar
São Paulo, SP, 14 de Setembro de 2018 - As vendas antecipadas de soja e milho da safra que vai ser colhida somente no ano que vem no Brasil, que estavam lentas em meio a preocupações com custos adicionais da tabela do frete, ganharam ritmo com dólar superando 4 reais ao final de agosto, segundo especialistas.

Com o câmbio em patamares históricos diante de preocupações eleitorais, o preço dessas commodities se fortalece em reais, incentivando aqueles produtores que conseguem negociar suas colheitas na moeda brasileira, um fator importante para investimentos na próxima safra 2018/19.

"As negociações estão fluindo muito melhor. A tendência é que persista desta maneira, até por conta do movimento cambial. As tradings acabam sendo mais atuantes nas compras...", disse o analista Fernando Iglesias, da consultoria Safras & Mercado.

Ele ponderou que a soja brasileira está "muito competitiva", com a fraqueza do real, e que as vendas de grãos poderiam estar mais avançadas não fosse a tabela do frete.

Com o câmbio e a forte demanda da China pela safra brasileira, os prêmios elevados nos portos pelo produto nacional estão compensando uma queda no mercado internacional, que tem oscilado perto dos menores níveis em cerca de dez anos.

Nas contas da Safras, os produtores do país comercializaram 22,8 por cento da produção futura de soja até 6 setembro, o dobro do registrado no mesmo período do ano passado, mas ainda assim abaixo da média histórica para a época, de 25,8 por cento.

A moeda norte-americana mais forte também ajuda a compensar parte dos custos maiores com o tabelamento do transporte rodoviário das mercadorias, uma vez que o frete é cotado em reais, lembrou o superintendente do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca.

"Pouca coisa tinha rodado (negócios futuros) e tem que começar a rodar, a fórceps. Não é o mercado ideal (com a tabela de frete)... Mas quando o mercado começa a ter posições, com estoque baixo de milho, não tem outra alternativa a não ser negociar...", disse ele, ao explicar como a comercialização acabou saindo de uma "inércia".

Ele destacou especialmente o avanço nos negócios de milho da próxima safra. Dados do Imea divulgados nesta semana apontaram que a comercialização do cereal da safra 2018/19 avançou cerca de 10 pontos percentuais em apenas um mês, para 24 por cento de uma safra projetada em 27,4 milhões de toneladas.

As vendas da safra futura de soja de Mato Grosso cresceram mais de 6 pontos ante agosto, para quase 30 por cento, e estão um pouco acima da média histórica para o período, segundo o Imea, que também aponta negócios caminhando para a safra velha, com a China "limpando o estoque brasileiro" da oleaginosa, uma vez que o país asiático em guerra comercial com os EUA aplica uma tarifa ao produto norte-americano.

NEGÓCIOS EM REAIS

Já os produtores que têm dívida em dólar, muitos dos quais plantam em grandes áreas e usam a moeda norte-americana nos negócios, estão tirando menos proveito da situação, o que pode até limitar o avanço de plantio brasileiro, que deve começar já em setembro em algumas regiões.

Na avaliação de Fernando Muraro, da consultoria AgRural, o salto na comercialização antecipada de milho 2018/19, maior até que o avanço nas vendas de soja de Mato Grosso, evidencia que o câmbio está ajudando mais aqueles produtores que comercializam em reais, e não em dólares --os negócios do cereal, em geral, são feitos na moeda brasileira.

Ele lembrou que uma parte importante dos produtores tem dívidas em dólar --uma vez que empréstimos na moeda norte-americana têm custos mais baixos--, um aspecto negativo do enfraquecimento do real, que em geral beneficia o setor agrícola.

"Para quem faz negócio em reais está lindo, maravilhoso. Em dólares, está terrível. Um pé no forno e outro na geladeira...", afirmou Muraro.

Ele lembrou que os preços em dólares da soja em Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, estão bem próximos do ponto de equilíbrio ("break even") para aqueles produtores que são proprietários das terras, mas destacou que aqueles que são arrendatários já estão no negativo, o que sinaliza um limite para expansão de área plantada.

A situação é semelhante em outras áreas, como o oeste da Bahia, onde há grandes áreas disponíveis para novas lavouras.

"Ele vai precisar (em dólares) de muito mais soja para pagar suas contas do que na safra 2017/18", ressaltou o analista.

Segundo Muraro, "em reais, o Brasil vai muito bem, obrigado".

Mas a grande preocupação é com o produtor que faz as contas em dólar, comentou ele, estimando que nas principais regiões produtoras entre 25 e 40 por cento da área plantada é financiada na moeda dos EUA --quanto mais nova a área, maior o endividamento.
(Reuters) (Roberto Samora)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)