Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Exportação

Exportação perde força com exigência de sustentabilidade
Genebra, Suíça, 17 de Setembro de 2018 - Exigências de Padrões Voluntários de Sustentabilidade (PVS) atingem crescentemente exportações brasileiras e reduzem sua competitividade, segundo estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) que será lançado hoje em Nova Déli (India).

Critérios ambientais e sociais rigorosos na produção das mercadorias, exigidos por consumidores e clientes externos, afetam possivelmente 44% do total das exportações do país.

Isso significa que pode haver um preço adicional imposto a US$ 100 bilhões nas exportações do país em decorrência dessas certificações.

"Mesmo se 0,1% a 1,0% desse montante for associado com custos de PVS, é razoável considerar que PVS tem um papel significante na redução da competitividade de produtos que o Brasil exporta", escrevem dois técnicos do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Rogério de Oliveira Correa e Dolores Teixeira de Brito, num capítulo sobre desafios do Brasil.

Eles ressalvam que o governo não fez ainda avaliação de custo desse tipo de mecanismo. Mas dizem ser inegável a crescente demanda pela adoção de PVS vinda de consumidores e clientes internacionais.

Vários setores econômicos no Brasil já engajados em adotar PVS incluem o agronegócio (soja, café, açúcar, sucos, cacau, milho e outros), produtos florestais (madeira, papel, móveis), carnes (produtos de bovino, suíno, frango), além de tabaco, pescado, óleos essenciais e têxteis.

O relatório será lançado na "International Convention on Sustainable Trade and Standards", em Nova Déli. Calcula que hoje já há quase 500 rótulos ecológicos e PVS em 199 países e 25 setores industriais.

"Esses padrões podem levar indústrias em direção de melhorar o desempenho social, ambiental e econômico", diz a sub-secretária-geral da Agência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), Isabelle Durant. "Padrões traduzem o amplo conceito de sustentabilidade em medidas específicas e concretas para companhias e seus fornecedores, e influencia decisões de consumo".

Conforme o relatório, rótulos ecológicos e PVS, que melhoram não só a qualidade, mas a sustentabilidade dos produtos, podem ajudar países em desenvolvimento a desbloquear o acesso a novos mercados.

Esses mecanismos se propagam diante de demandas do consumidor, estratégias de mitigação de riscos por multinacionais e o papel de compras públicas.

Os PVS focalizam diferentes aspectos de sustentabilidade (ambiental ou programas sociais, por exemplo) operando em diferentes partes de um país, afirma a Unctad.

As respostas de países produtores à exigência desses padrões vêm não apenas da Europa, mas também economias emergentes como Brasil, China e Índia começaram a levá-los em conta nas compras públicas, por exemplo.

No Brasil, segundo os dois técnicos do Inmetro, a proliferação de padrões de sustentabilidade pode criar confusão entre cadeias de produção e consumidor, com dificuldades em diferenciar rótulos, especialmente aqueles que se sobrepõem.

Eles escrevem que os custos para atender às exigências e ter PVS podem ser a principal barreira para pequenos produtores brasileiros terem acesso ao mercado externo, especialmente quando não têm garantias do retorno do investimento.

De um lado, altos custos de implementação de PVS reduzem vantagem competitiva de certos setores. De outro, produtores podem produzir algo mais atraente para atender demanda de sustentabilidade pelos consumidores, e a qualidade também melhora.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)