Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Mercado

FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro
Rio de Janeiro, RJ, 17 de Setembro de 2018 - O câmbio teve papel decisivo na aceleração da taxa do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) entre agosto e setembro, de 0,51% para 1,20%, informou André Braz, economista da Fundação Getulio Vargas (FGV). Ao falar sobre a taxa maior do indicador, ele explicou que a desvalorização do real frente à moeda americana acabou por puxar para cima preço de commodities no exterior, com impacto nos preços do mercado doméstico.

Isso, na prática, fortaleceu a inflação atacadista, apurada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do índice e que passou de 0,64% para 1,76% de agosto para setembro. Como não há sinais de perda de fôlego do dólar em alta, a perspectiva é que os Índices Gerais de Preços (IGPs) comecem a se aproximar da faixa de 1% ainda este mês, alertou ele.

A inflação de materiais para manufatura, usado para mensurar impacto do câmbio na inflação atacadista, devido à grande presença de commodities e importados, subiu de 0,6% para 1,27%, informou ele.

Entre as commodities, o impacto do dólar em alta atingiu tanto as de origem agropecuária quanto mineral. É o caso das acelerações de preços, e fim de deflação, observadas entre agosto e setembro em minério de ferro (de 0,27% para 10,15%); soja em grão (3,59% para 3,82%); e milho em grão (de -3,01% para 8,43%). Todas as três commodities têm peso expressivo no cálculo do IPA, respectivamente de 4,95%; de 5,84%; e de 2,32%.

“Quando nossa moeda enfraquece, pagamos caro por commodity, mesmo que tenhamos todas elas abundantes aqui no Brasil, se o preço é cotado a moeda internacional”, resumiu ele.

Outro produto que deve começar a subir por conta do dólar é o trigo, acrescentou o técnico. Atualmente, a deflação no produto se aprofundou (-0,28% para -1,70%), mas como o país não produz tudo que consome, e parte da demanda é importada, a recente desvalorização cambial também vai afetar o preço do item em breve.

Esses aumentos acendem sinal de alerta para possíveis aumentos de preço nos alimentos do varejo nas próximas apurações dos IGPs, notou Braz. Isso porque todos contam com cadeia de derivados expressiva em alimentação.

Por enquanto, a inflação dos alimentos está comportada, em 0,01% no IGP-10 anunciado hoje - o que ajudou na desaceleração da taxa do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de 0,14% para 0,08%. Mas, em agosto, os preços nessa classe de despesa caíam 0,37%, alertou o especialista.

Braz comentou que o atual movimento de dólar em alta bem como a permanência em patamar elevado tem surpreendido o mercado. Ele citou vários fatores que justificam o cenário, como período eleitoral, quando a moeda brasileira sempre mostra sinais de desvalorização; guerra comercial entre Estados Unidos e China, e aumento de juros americanos.

Mas, observou que, nesse caso, o que mais chama atenção é a continuidade deste fenômeno. Ele frisou que, quanto mais tempo o dólar se manter em patamar acima de R$ 4,10, mais o câmbio terá força para influenciar para cima a inflação. “O câmbio nesse patamar começa a ‘arrastar’ todos os preços”, admitiu.

Além disso, a surpresa com a manutenção do dólar em alta veio em um cenário em que o atacado tem que lidar com os recentes aumentos de combustíveis nas refinarias pela Petrobras, acrescentou. No atacado, a inflação de combustíveis para consumo saltou de 1,38% para 3,40%, com acelerações de preços em gasolina (1,36% para 4,86%) e diesel (estabilidade para 4,63%).

O técnico comentou que há uma chance de taxa de câmbio menor após definição do pleito presidencial, no fim de outubro, pois isso retiraria a incerteza eleitoral como influência a desvalorizar o Real. Mas observou que, até lá, é possível que os IGPs continuem em alta, pressionados por commodities mais caras, influenciadas por dólar em alta, reconheceu.

(Valor) (Alessandra Saraiva)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)