Sábado, 15 de Junho de 2019
Mercado

FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro
Rio de Janeiro, RJ, 17 de Setembro de 2018 - O câmbio teve papel decisivo na aceleração da taxa do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) entre agosto e setembro, de 0,51% para 1,20%, informou André Braz, economista da Fundação Getulio Vargas (FGV). Ao falar sobre a taxa maior do indicador, ele explicou que a desvalorização do real frente à moeda americana acabou por puxar para cima preço de commodities no exterior, com impacto nos preços do mercado doméstico.

Isso, na prática, fortaleceu a inflação atacadista, apurada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do índice e que passou de 0,64% para 1,76% de agosto para setembro. Como não há sinais de perda de fôlego do dólar em alta, a perspectiva é que os Índices Gerais de Preços (IGPs) comecem a se aproximar da faixa de 1% ainda este mês, alertou ele.

A inflação de materiais para manufatura, usado para mensurar impacto do câmbio na inflação atacadista, devido à grande presença de commodities e importados, subiu de 0,6% para 1,27%, informou ele.

Entre as commodities, o impacto do dólar em alta atingiu tanto as de origem agropecuária quanto mineral. É o caso das acelerações de preços, e fim de deflação, observadas entre agosto e setembro em minério de ferro (de 0,27% para 10,15%); soja em grão (3,59% para 3,82%); e milho em grão (de -3,01% para 8,43%). Todas as três commodities têm peso expressivo no cálculo do IPA, respectivamente de 4,95%; de 5,84%; e de 2,32%.

“Quando nossa moeda enfraquece, pagamos caro por commodity, mesmo que tenhamos todas elas abundantes aqui no Brasil, se o preço é cotado a moeda internacional”, resumiu ele.

Outro produto que deve começar a subir por conta do dólar é o trigo, acrescentou o técnico. Atualmente, a deflação no produto se aprofundou (-0,28% para -1,70%), mas como o país não produz tudo que consome, e parte da demanda é importada, a recente desvalorização cambial também vai afetar o preço do item em breve.

Esses aumentos acendem sinal de alerta para possíveis aumentos de preço nos alimentos do varejo nas próximas apurações dos IGPs, notou Braz. Isso porque todos contam com cadeia de derivados expressiva em alimentação.

Por enquanto, a inflação dos alimentos está comportada, em 0,01% no IGP-10 anunciado hoje - o que ajudou na desaceleração da taxa do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de 0,14% para 0,08%. Mas, em agosto, os preços nessa classe de despesa caíam 0,37%, alertou o especialista.

Braz comentou que o atual movimento de dólar em alta bem como a permanência em patamar elevado tem surpreendido o mercado. Ele citou vários fatores que justificam o cenário, como período eleitoral, quando a moeda brasileira sempre mostra sinais de desvalorização; guerra comercial entre Estados Unidos e China, e aumento de juros americanos.

Mas, observou que, nesse caso, o que mais chama atenção é a continuidade deste fenômeno. Ele frisou que, quanto mais tempo o dólar se manter em patamar acima de R$ 4,10, mais o câmbio terá força para influenciar para cima a inflação. “O câmbio nesse patamar começa a ‘arrastar’ todos os preços”, admitiu.

Além disso, a surpresa com a manutenção do dólar em alta veio em um cenário em que o atacado tem que lidar com os recentes aumentos de combustíveis nas refinarias pela Petrobras, acrescentou. No atacado, a inflação de combustíveis para consumo saltou de 1,38% para 3,40%, com acelerações de preços em gasolina (1,36% para 4,86%) e diesel (estabilidade para 4,63%).

O técnico comentou que há uma chance de taxa de câmbio menor após definição do pleito presidencial, no fim de outubro, pois isso retiraria a incerteza eleitoral como influência a desvalorizar o Real. Mas observou que, até lá, é possível que os IGPs continuem em alta, pressionados por commodities mais caras, influenciadas por dólar em alta, reconheceu.

(Valor) (Alessandra Saraiva)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 15/06
2ª Conbrasul Ovos começa neste domingo com participantes de vários países da avicultura de postura mundial (18:19)
Sexta-Feira, 14/06
Redução do uso de Antibióticos é tema de palestra promovida pela Vetanco (12:53)
Prevenção contra a PSA (11:11)
É hora de reorganizar os negócios, diz CEO da BRF (06:35)
Frigoríficos já podem retomar exportação de carne bovina à China (06:33)
Consumo de carne suína em baixa na China (06:31)
Mercado do boi 'acordou' mais tarde, reagiu e já mostrou negócios pré crise da vaca louca (06:27)
Mercado do boi gordo está ganhando firmeza (06:25)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (06:21)
Governo gaúcho reativa Câmaras Setoriais e Temáticas (06:18)
Conselho do Agro debate reforma tributária (06:17)
Abatedouro de aves é inaugurado no Parque Agroindustrial de Gurupi (GO) (06:15)
Justiça alemã valida morte de milhões de pintos machos na indústria (06:14)
Autoridades brasileiras e argentinas pedem corredor do milho e internacionalização de aeroporto (06:13)
Consumir carne de frango ao invés da bovina já diminui impactos ambientais (06:12)
Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal (06:09)
Saldo da balança do agronegócio foi de US$ 8,6 bilhões em maio (06:07)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (06:06)
Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos (06:03)
Quinta-Feira, 13/06
SP: Preços Agropecuários recuam 1,76% no fechamento do mês de maio (15:05)
Suínos: liquidez aquecida nos mercados interno e externo eleva preços (14:41)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (12:11)
Setor de equipamentos participa em peso do SIAVS 2019 (12:09)
IBGE: abate de frangos, no 1º trimestre, recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 (11:27)
Ovos de galinha: produção cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997, diz IBGE (11:26)
Korin investe em fábrica para ração de frangos (08:23)
Subprodutos fazem milho dos EUA mais competitivo (08:21)
Cooperativas de crédito ganham força (08:19)
Marfrig descarta ter que comprar ações da National Beef (08:15)
Mercado do boi ganha firmeza (08:10)
Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago (08:05)
Soja sobe quase 20 pts em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 12/06
Aves Hendrix são as campeãs do Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba (15:51)
XIV Simpósio Goiano de Avicultura recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (15:48)
Material de proteção gera crédito de Cofins (09:29)
Nova Gerente Técnica de Vendas da BV Science (09:08)
Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2019/2020 (08:59)
Produção de grãos no Brasil deve ser de 238,9 milhões de toneladas (08:58)
Demanda japonesa por carne continua superando a oferta doméstica (08:56)
Forte quebra nos EUA beneficia exportação brasileira de milho (08:46)
Uma fusão das mais complexas (08:45)
Índice da FGV de produção de agroindústrias caiu em abril (08:42)
Terça-Feira, 11/06
Universidade Estadual de Maringá tem 16 cartas-patentes concedidas pelo INPI (08:16)
“China sustenta a agricultura do Brasil", diz Charles Tang (08:08)
Falta de crédito rural com taxas controladas motiva busca por opções (08:06)
Plano de fusão com a Marfrig divide os conselheiros da BRF (08:03)
Boi Gordo: frigoríficos seguem 'tateando' o mercado (07:56)
MT registra vendas de milho "a todo vapor", com negócios para safras atual e futura (07:51)
Milho fecha 2ª feira com cotações misturadas em Chicago (07:50)
Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª feira (07:43)
Santa Catarina é o maior exportador de carne de frango do Brasil (07:28)