Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018
Agronegócios

Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria

Levantamento da Agri Stats mostra onde está o aumento e tendências.
Chapecó, SC, 17 de Setembro de 2018 - O custo médio do quilo de carne de frango produzido subiu 15% entre janeiro e junho, segundo dados da Agri Stats, líder mundial em análises e relatórios estatísticos para a agroindústria. Segundo dados consolidados do primeiro semestre de 2018, o preço médio de produção do quilo da carne de frango passou de R$ 2,14, em janeiro, para R$ 2,22, em março, chegando a R$ 2,46, em junho. A alta significativa em três meses é reflexo do aumento no custo dos grãos e da greve de caminhoneiros realizada no período, que impactaram o mercado avícola brasileiro.

Ainda segundo a consultoria, a tendência é que esses custos continuem aumentando para a agroindústria nos próximos meses, ainda como consequência destes desafios, superando os R$ 2,60 até agosto.

O levantamento ainda mostra que o peso médio do frango no abate aumentou de 2,910kg, em março, para 3,015kg, em junho. A explicação é que a greve e os bloqueios para a exportação de aves fizeram com que os produtores mantivessem o frango no campo por mais tempo. A consequência foi o maior consumo de ração pelos animais neste período, com alta do volume de abate após a retomada dos transportes, entre maio e junho.

Com relação aos ingredientes da ração, o cenário também não contribuiu. O preço do farelo de soja subiu mais de 20% no período, de R$ 1.178 por tonelada, em março, para R$ 1.414 por tonelada, em junho. Já o milho teve alta de R$ 30,66 a saca, em março, para R$ 39,10, em junho, no preço médio.
“O frango no campo por mais tempo, principalmente no mês da greve dos caminhoneiros, consumiu cerca de 80 gramas a mais de ração para cada quilo de carne de frango produzido. Isso significa um aumento médio de 250 gramas a mais de ração para cada ave abatida, um impacto muito considerável já que a ração representa 70% dos custos de produção do frango”, explica Geraldo Broering, gerente geral da Agri Stats.

A tendência para o setor de grãos é incerta para o próximo ano, segundo a consultoria, já que a USDA, o departamento de Agricultura dos Estados Unidos, divulgou a previsão de redução de 3% na produção de milho do país em 2019. Diminuindo a produção, o produtor norte-americano pode ter que comprar a commoditie de outros países produtores, como o Brasil, influenciando os preços. O mesmo pode acontecer com os chineses. “As empresas precisame encontrar o melhor equilíbrio econômico para ter um melhor custo alimentar, que é a relação entre os custos com fórmulas e a conversão alimentar, senão a conta não fecha”, sugere Broering.
O custo da carne após o abate também teve aumento, partindo de R$ 3,83 reais, em março, para R$ 4,05, em junho. Este custo, no entanto, foi amenizado pelo fato de o frango ter sido abatido mais pesado, o que diluiu alguns custos fixos de abatedouro, como manutenção, depreciação e custo com salários etc.

“Algumas empresas conseguiram rápida recuperação dos desafios recentes da avicultura, com ajustes no volume de produção, nos estoques e no mix de produtos, gerando mais valor e melhorando o faturamento. Muitas companhias se organizaram, buscaram alternativas e encontraram soluções para expandir a área comercial com novas fontes de negócios”, conclui o gerente.

Sobre a Agri Stats

Fundada nos Estados Unidos, em 1985, a Agri Stats é líder mundial no fornecimento de análises e relatórios estatísticos sobre custos de produção para a agroindústria. No Brasil desde 2012, a consultoria oferece benchmarking para os mercados de aves e suínos, com metodologia própria, equipe especializada e um banco de dados com informações de produção de toda a América. A Agri Stats gera relatórios customizados e estatísticos, que avaliam como a empresa cliente está posicionada em rankings de custos (de produção, mão de obra, transportes, manejo etc) e preços de venda, com o objetivo de proporcionar comparação real entre os valores investidos pelo cliente e demais empresas do mercado, identificando oportunidades para reduzir custos e aumentar a produtividade.
(Agri Stats) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 18/10
Vetanco participa do ACAV 2018 (14:46)
Chile reabre mercado para avicultura do RS (13:32)
SUÍNOS/CEPEA: exportação elevada sustenta preços no Brasil (10:15)
BOI/CEPEA: produtividade de carne por animal é maior em SP (09:44)
Adaptação veterinária (08:55)
Guerra comercial já eleva os preços na China (08:45)
BRF negocia acordo de leniência com MPF e CGU (08:14)
Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor (08:11)
Soja: mercado no Brasil tem novo dia de pressão nesta 4ª e continua sentindo peso do câmbio (08:00)
Força-tarefa encontra três novos focos de peste suína no Ceará (07:28)
O frigorífico que produz carne de frango sem matar nenhuma ave (06:51)
Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)
Sexta-Feira, 12/10