Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa
Campinas, SP, 19 de Setembro de 2018 - Os preços da soja voltaram a recuar nesta terça-feira (18) no mercado brasileiro, principalmente nos portos, com o mercado acompanhando as baixas registradas na Bolsa de Chicago. Ainda assim, as referências ainda sustentam referências firmes e importantes para os produtores nacionais.

O produto disponível, no terminal de Paranaguá, fechou o dia com R$ 97,70 por saca e queda de 0,31%, enquanto em Rio Grande foi a R$ 93,00, com queda de 1,06%, e de 0,74% para o indicativo de outubro/18. Já a referência março/19 ficou com R$ 86,00 por saca, estável no porto paranaense.

No interior, os preços caminharam nas duas direções e, cada vez mais, obedecem às suas realidades mais regionalizadas. E em muitas delas, as cotações refletiram uma nova alta do dólar frente ao real como foi observado nesta terça-feira. Assim, em vários pontos do país as altas chegarama superar 1%.

A moeda americana terminou os negócios com alta de 0,41%, valendo R$ 4,1422, corrigindo parte da baixa de 1% do pregão anterior.

"O mercado já vê com bons olhos um segundo turno entre Bolsonaro e PT, porque há grandes chances do deputado vencer", comentou o operador Jefferson Laatus, sócio da LAATUS Educacional á agência de notícias Reuters, ponderando, entretanto, que o movimento da véspera foi um pouco exagerado "e o mercado tentava corrigir um pouco nesta sessão".

Ao lado do câmbio, porém, a demanda que se mostra ainda muito forte pela soja brasileira, os baixos estoques nacionais e os consequentes prêmios altos pagos pelo produto brasileiro formam um ambiente ainda mais favorável para os preços.

As novas ações dos Estados Unidos e da China em meio a uma guerra comercial que já se arrasta desde maio podem continuar favorecendo a formação dos preços da soja no Brasil. O governo americano impôs mais US$ 200 bilhões em tarifas sobre produtos da nação asiática e os chineses retaliaram com outros US$ 60 bilhões em produtos estadunidenses.

A demanda da China pela soja dos Estados Unidos, que já vinha enfraquecida, deverá ficar ainda mais restrita e os maiores compradores mundiais deverão manter seu foco na América do Sul. Os prêmios pagos pelo produto brasileiro deverão, portanto, manter sua consistência e até mesmo as posições mais distantes de entrega, também poderão, mesmo que não tranistem no mesmo intervalo dos prêmios atuais, ganhar um pouco mais de força.

Bolsa de Chicago


Na contramão, as novas notícias da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo mais uma vez pressionaram os preços da soja na Bolsa de Chicago. No pregão desta terça, os futuros da oleaginosa terminaram perdendo mais de 9 pontos entre as posições mais negociadas.

Assim, o contrato novembro/18 terminou os negócios valendo US$ 8,14 por bushel, enquanto o março/18, referência para a safra brasileira, ficou em US$ 8,41.

"As tensões comerciais e o avanço da colheita americana continuam pressionando os preços da soja", diz o analista internacional Ben Potter, do portal Farm Futures.

De acordo com números divulgados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) no final da tarde de ontem, 6% da área cultivada já foi colhida. No ano passado eram 4% e a média dos últimos cinco anos é de 3%. O índice fica bem acima das expectativas do mercado que variavam de 2% a 3% para esta semana.

O reporte mostra ainda que 67% das lavouras dos EUA estavam em boas ou excelentes condições, contra 68% da semana anterior. 23% dos campos se apresentavam em situação regular e 10% em condições ruins ou muito ruins.

Entre os prêmios para a soja americana, os valores recuaram de 5 a 10 cents de dólar na maior parte das praças processadoras dos Estados Unidos, mas conseguiram manter alguma estabilidade no interior do Meio-Oeste norte-americano.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)