Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Mercado Externo

China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa
Genebra, Suíça., 19 de Setembro de 2018 - Outras guerras econômicas, além das sobretaxas impostas pelo governo de Donald Trump contra a China, estão ocorrendo de maneira menos aparente e empurrando Pequim a investir mais na Europa, apontam alguns analistas.

“Antes de tudo, a guerra comercial não é uma guerra comercial e sim uma tentativa de conter o desenvolvimento econômico da China”, avaliam dois especialistas do banco francês Natixis em Cingapura, Alicia Garcia Herrero e Jianwei Xu.

Os analistas observam que a primeira rodada de sobretaxas dos EUA visou limitar exportações chinesas com maior tecnologia, para frear o avanço tecnológico de Pequim. A retaliação inicial chinesa focou mais em produtos agrícolas, por exemplo, de forma a não afetar a importação de produtos que sua indústria necessita para melhorar a competitividade, incluindo semicondutores.

A segunda rodada de sobretaxas de Washington focou em produtos intermediários chineses, para reduzir o papel da China nas cadeias globais de valor e atrair empresas de volta aos EUA. De seu lado, o pacote de retaliação chinês foi em linha com o primeiro, já que tem menos espaço para alvejar produtos americanos de tecnologia.

Fusões & aquisições

Mas outros tipos de guerra estão ocorrendo, notam os dois analistas. Por exemplo, os EUA estão bloqueando cada vez mais operações de fusões e aquisições da China nos EUA, especialmente no setor de alta tecnologia. O instrumento mais óbvio é a Comissão sobre Investimento Estrangeiro nos EUA (CFIUS), que examina os investimentos estrangeiros na economia americana.

Conforme os analistas, recentemente uma boa parte das ações do CFIUS teve como alvo a China e especialmente o setor industrial. Outros estudos calculam que Pequim investe agora nove vezes mais na Europa do que nos EUA.

Segundo o American Enterprise Institute, investimentos chineses nos EUA declinaram de US$ 25 bilhões em 2017 para menos de US$ 6 bilhões no primeiro semestre de 2018, uma queda de 76%.

Ao mesmo tempo, os investimentos chineses em fusões e aquisições na Europa alcançaram US$ 20 bilhões no primeiro semestre, comparado a US$ 30 bilhões em todo o ano de 2017.

“Eu não consigo encontrar uma única transação de fusão e aquisição de compradores chineses no setor de tecnologia industrial nos EUA em 2017, mas posso encontrar centenas delas na Europa”, disse Alicia Herrero em debate esta semana em Bruxelas.

Para a especialista em China, as tarifas impostas por Trump vão forçar a China a acelerar o movimento para aumentar a competitividade de sua indústria, e depender menos  dos EUA. Significa que a Europa vai se tornar ainda mais o mercado em que os chineses tentarão adquirir alta tecnologia.

Reação da Europa

Nesse contexto, a União Europeia (UE) estuda uma legislação para controle do Investimento Estrangeiro Direto (IED) diante da crescente presença chinesa em diferentes países do bloco.

Ao mesmo tempo em que criticam medidas unilaterais de Trump, que ameaçam desestabilizar a economia global, a UE reclama que a China pouco avançou nas promessas de fazer reformas, melhorar o acesso a seu mercado e estabelecer mais reciprocidade nos investimentos e comércio.

Para analistas, a reforma tributária de Trump também tem consequências. Isso é especialmente importante para países como a China que tem recebido grandes volumes de IED de firmas americanas e agora podem ver lucros repatriados para os EUA. No entanto, Pequim reagiu oferecendo isenção de impostos para certas empresas estrangeiras.

Para analistas do banco espanhol BBVA, “a agressão comercial dos EUA”, somada a ataques contra empresas de tecnologia chinesas, eleva o temor em economias da Ásia, como Japão, Coreia do Sul e Tailândia. Esses países vendem muitos produtos internediários para a China. E veem risco de a guerra comercial provocar retração na demanda chinesa por esses produtos, que entram na produção final de muitos produtos.

Conforme o Rabobank, da Holanda, não são apenas empresas chinesas as afetadas pela nova rodada de sobretaxas impostas por Trump. Vários equipamentos de tecnologia feitos na China por empresas dos EUA também serão atingidas pela medida.

(Valor ) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)