Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Soja: prêmios batem nos US$ 3 no Brasil nesta 3ª feira com queda do dólar e na Bolsa de Chicago
Campinas, SP, 10 de Outubro de 2018 - O mercado da soja começou o dia operando com estabilidade na Bolsa de Chicago nesta terça-feira (9), mas foi intensificando suas baixas para terminar o dia em campo negativo. As baixas entre os principais contratos foram de pouco mais de 5 pontos.

Dessa forma, o vencimento novembro/18 ficou em US$ 8,63 por bushel, sendo este ainda o mais negociado neste momento, enquanto o maio/17, que é referência para a nova safra do Brasil, encerrou o dia com US$ 9,02.

Segundo explicam analistas internacionais, o mercado sente a pressão do aumento de produção nos EUA que poderia vir no novo boletim mensal de oferta e demanda que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quinta-feira (11).

"Qualquer volume que seja adicionado na safra americana será adicionado também aos estoques e isso pressiona o mercado, que já está precificando o que pode vir nesse boletim", diz o analista de mercado Carlos Cogo, da Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica.

E dessa forma, a pressão sobre as cotações em Chicago deve persistir até que os novos números sejam divulgados.

Além disso, pressionam também os preços as exportações norte-americanas ainda limitadas pela falta da China por conta da taxação de 25% sobre o produto dos EUA, ainda segundo o executivo, e isso segue no radar dos traders.

Nesta terça, os números dos embarques de soja dos EUA, também informados pelo USDA, ficaram dentro das expectativas do mercado.

Na semana encerrada em 4 de outubro, os Estados Unidos embarcaram 569,776 mil toneladas de soja, enquanto o mercado esperava algo entre 490 mil e 900 mil toneladas. Com um total dentro do esperado, o volume acumulado na temporada é de 3.540,940 milhões de toneladas, contra mais de 5,4 milhões do ano passado, nesse mesmo período.

Além disso, os mapas climáticos para os Estados Unidos já começam a mostrar certa trégua nos próximos 8 a 14 dias e, se confirmando essas condições, os trabalhos de campo poderiam retomar seu ritmo e voltar a pressionar as cotações.

Preços no Brasil

Os preços da soja no Brasil continuaram recuando nesta terça-feira na medida em que não só o dólar voltou a cair de forma expressiva - cerca de 1,5% somente nesta sessão - mas com as cotações perdendo força também na Bolsa de Chicago.

Somente em Paranaguá, a soja disponível perdeu 5,26% nesta terça-feira, fechando o dia com R$ 90,00 por saca, enquanor a safra nova foi a R$ 82,00, com baixa de 3,53%. Em Rio Grande, queda de 1,09% no disponível e de 1,08% para novembro, com preços de R$ 90,50 e R$ 92,00 por saca, respectivamente.

Ainda segundo Cogo, esse é "o pior momento para os preços e o produtor deve esperar para voltar ao mercado e voltar a vender". Como explica o consultor, essa combinação de dólar e Chicago em queda ainda deve durar por uns dias e o que continua a sustentar os preços para o produtor brasileiro são os prêmios.

"Os prêmios têm tido uma escalada quase que ininterrupta. Para ser ter uma ideia, nesta terça houve oferta com até US$ 3,00 por bushel de prêmio já que no spot não tem mais nada de soja e o comprador tenta originar aqui no Brasil, tenta fazer com que seja atraente para o vendedor brasileiro", explica.

E não é só no disponível que os prêmios estão fortalecidos, mas para a soja da safra nova também. "O que se esperava de prêmios mais baixos para maid adiante pode não se confirmar", diz Cogo, mostrando que já há uma sinalização de que a oferta da nova temporada brasileira também será ajustada e disputada. Para essa soja, os prêmios chegam a bater em US$ 1,30 e mais nos meses entre março e maio.

Com uma nova baixa, o dólar fechou o pregão desta terça cotado a R$ 3,7107, perdendo 1,47%. Ainda animado com o resultado do primeiro turno das eleições no Brasil, a divisa deu continuidade ao movimento de queda iniciado nesta segunda (8).

"O otimismo doméstico está se sobrepondo ao exterior. É muito recente o resultado de domingo", disse o operador da H.Commcor Corretora Cleber Alessie Machado à agência de notícias Reuters, acrescentando que o fato de o dólar ter fechado longe das mínimas na véspera favoreceu o movimento nesta sessão.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)