Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019
Exportação

Participação maior do agro exterior passa por viés mais comercial do governo

Brasil tem condições de expandir produção e exportação de proteínas, mas precisa ser mais duro com parceiros
São Paulo, SP, 11 de Outubro de 2018 - O setor de proteínas esteve reunido nesta quarta-feira (10) para discutir como o Brasil poderá aumentar a capacidade de produção para atender a demanda mundial futura de alimentos.

Durante o seminário Horizons, realizada em Atibaia (SP), entidades e produtores apontaram o potencial que o país ainda tem para ser explorado.

Algumas das mudanças devem vir de dentro da porteira. Outras, como escoamento de produtos e um foco maior do governo na política comercial no exterior, já estão fora do alcance dos produtores.

Roberto Jank, da Agrindus, produtora de leite, diz que o setor tem de ser mais intensivo e usar mais e melhor os recursos finitos.

O modelo de produção não é prioritário, mas o produtor tem de mostrar que consegue fazer. Afinal, o maior custo na pecuária é o das oportunidades, diz ele.

A intensificação de produção no setor poderia liberar pelo menos 20 milhões de hectares de terra já aberta para a sociedade.

Jank destaca que a produção brasileira cresceu muito nas últimas décadas, mas ainda tem um longo caminho a percorrer. De 1974 a 2016, o Brasil avançou 374% no setor de leite. A média mundial do período é de 71%.

Para Francisco Turra, da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), o status sanitário do Brasil é um trunfo, e o país tem condições de oferecer um produto diferenciado ao mercado externo.

"Precisamos, porém, de um governo forte e que veja o mercado externo como uma via dupla". O país se curva demais perante outros parceiros, o que dificulta as negociações, segundo o executivo da ABPA.

Um setor que ainda tem muito a crescer é o da piscicultura, mas também encontra os mesmos gargalos das demais proteínas. Os problemas vão de licenciamento a escoamento de produtos.

A avaliação é de Ricardo Neukirchner, da Peixe BR, entidade que reúne produtores do setor. Para ele, o país tem água e diversidade de espécies. Além de ser uma atividade sustentável, "a piscicultura é uma máquina de conversão alimentar", diz. A cada 1,2 quilo de ração, o produtor consegue 1 kg de carne.

A produção brasileira de peixe é de 692 mil toneladas por ano, mas o país tem capacidade de produção de 3 milhões de toneladas, se aprovados os projetos submetidos ao governo.

Antonio Camardelli, da Abiec (Associação Brasileira das Industrias Exportadoras de Carnes), afirma que, para continuar suprindo o mundo com produto brasileiro, não basta apenas aumentar a produtividade, mas é preciso estruturar melhor o sistema de escoamento.

O executivo da Abiec concorda com Turra de que o Brasil precisa ter um viés mais comercial no governo. A carne bovina brasileira está fora de 40% dos mercados que melhor remuneram a proteína, diz ele.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)