Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018
Matérias-Primas

Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA
Campinas, SP, 16 de Outubro de 2018 - O mercado do milho na Bolsa de Chicago trabalhou o dia todo com estabilidade para encerrar o pregão desta segunda-feira (15) com leves altas de pouco mais de 3 pontos entre os principais vencimentos. Assim, o contrato dezembro/18 segue operando acima dos US$ 3,70 por bushel.

Neste início de semana, os traders estiveram muito atentos à questão climática nos Estados Unidos. O último fim de semana foi de muita chuva e neve sobre alguns estados produtores e assim, depois de uma correção no início do dia, o mercado voltou aos seus fundamentos para terminar o dia em campo positivo

Segundo explicou o diretor da De Baco Corretora, Marcelo De Baco, "em Iowa, Dakota do Sul e Nebraska 72%, em média, da área de milho está por colher, e era esperado uma colheita de aproximadamente 33 milhões de toneladas de soja nestes três estados (estes estados representam 26% da safra de soja americana estimada)".

Além disso, o executivo explica ainda que "os especialistas ainda não podem afirmar se haverá impactos de produtividade e/ou qualidade". E nesta segunda, após o fechamento do mercado em Chicago, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz seu novo reporte semanal de acompanhamento de safras atualizando quanto da área de milho do país já foi colhida.

Com esses novos dados será possível o mercado conhecer melhor os efeitos dessas adversidades climáticas.

"Nós tivemos relatórios dessas condições adversas no fim de semana e acredito que mundo esteja acordando para isso. São os fundos olhando e adicionando prêmio de risco ao mercado", diz o presidente da US Commodities, Don Roose, à Reuters Internacional.

Na outra ponta, as altas foram limitadas pelos baixos números dos embarques semanais norte-americanos também trazidos pelo USDA nesta segunda.

Os EUA embarcaram 996,643 mil toneladas, contra mais de 1,3 milhão da semana anterior. E para o cereal, as projeções do mercado variavam de 1,19 a 1,5 milhão de toneladas. Em todo o ano comercial, os embarques americanos de milho já somam 6.836,495 milhões de toneladas, contra pouco mais de 3,9 milhões do ano passado.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)
Quarta-Feira, 07/11
Tereza Cristina é anunciada como ministra da Agricultura de Bolsonaro (19:28)
JBS vai vender carne na China pela internet (08:32)
Acionistas da BRF aprovam extensão do mandato de Pedro Parente (07:46)
Presidente da ABPA é palestrante do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio (07:30)
Carne bovina tem alta e pode colaborar com retomada de preço no mercado do boi (07:18)
Importações chinesas de soja vão cair 10%, diz USDA (07:10)
Soja fecha estável em Chicago e mantém mercado lento também no Brasil nesta 3ª feira (07:00)
Terça-Feira, 06/11
Chineses questionam Blairo sobre posições de Bolsonaro (13:40)
Palestra sobre os benefícios do ovo na Multivix e na Católica de Vitória (09:36)
DSM apresenta inovação e ciência aplicada em avicultura na conferência da PSA Latin American 2018 (08:30)
Cobb-Vantress realiza 7º Encontro Empresarial, em Puerto Madero (08:20)
Milho: demanda dá suporte e mercado consolida terceira valorização consecutiva em Chicago nesta 2ª (08:04)
Soja: sinalização de acordo entre China e EUA reduz pressão e Chicago testa leves altas nesta 3ª (08:00)
Guerra comercial de Trump custa caro para os EUA nas exportações de soja (07:50)
Egito cancela viagem de Aloysio Nunes e da comitiva brasileira (07:19)
China: exportação agropecuária tem entrave e oportunidade (07:18)
Copagril realiza 8ª Semana da Política da Qualidade e Segurança do Alimento (07:17)
Tocantins reúne representantes do setor de milho para falar sobre aflatoxina (07:16)