Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018
Matérias-Primas

Guerra comercial já eleva os preços na China
Pequim, China, 18 de Outubro de 2018 - A guerra comercial sino-americana está provocando uma alta generalizada dos preços na China, deixando as autoridades nervosas à medida que os consumidores começam a sentir esse impacto.

A inflação anual ao consumidor na China subiu 2,5% em setembro, segundo dado oficial divulgado na terça-feira. Esse aumento se deveu em parte aos preços dos alimentos, com as condições climáticas desfavoráveis afetando o abastecimento. Mas as tarifas impostas por Pequim a produtos americanos, em resposta às sobretaxas de produtos importados da China aplicadas pelos EUA, também tiveram seu papel.

Em julho, o governo chinês impôs uma tarifa adicional de 25% sobre as importações de automóveis americanos, elevando a taxa para 40%. As montadoras estão repassando parte do custo extra aos consumidores. Um modelo básico Model S da Tesla, custa hoje 850.000 yuans (US$ 123.000), sendo que o preço anterior era de 710.000 yuans. BMW e Daimler também subiram os preços dos utilitários esportivos fabricados nos EUA em 4% a 7%.

Uma unidade chinesa da Henkel, fabricante alemã de produtos de consumo e químicos, elevou os preços de adesivos e outros produtos vendidos na China, mas sem informar o percentual, segundo a imprensa local. Em sua justificativa aos consumidores, a companhia mencionou as tarifas retaliatórias aos produtos americanos e o enfraquecimento do yuan, sugerindo que a companhia importava dos EUA adesivos e produtos químicos usados em sua produção.

A unidade da Henkel elevou os preços em 16% em média em julho. Teme-se que esse recente aumento possa afugentar os clientes.

Uma subsidiária local do conglomerado americano 3M subiu os preços dos produtos chineses em cerca de 3% a 5%, graças à alta dos preços das matérias-primas e dos custos com mão de obra, além das flutuações cambiais.

Dada a função da 3M de fornecedora a fabricantes de smartphones, há quem tema que o aumento possa tornar a produção de celulares mais cara. A escalada da guerra comercial poderá corroer a lucratividade dos fabricantes chineses de smartphones, segundo um analista da área de tecnologia.

Uma tarifa sobre as aparas de papel americanas, matéria-prima importante para os fabricantes de papel, levou a Lee & Man Paper Manufacturing e seus pares a aumentar alguns preços em agosto. As altas variaram de produto para produto, mas ficaram em torno de 3%.

Companhias que usam insumos químicos feitos nos EUA em produtos como tintas e materiais de construção teriam alertado os consumidores que aumentos nos preços também estão por vir.

As autoridades chinesas estão agindo para conter a inflação para evitar descontentamento público, prestando especial atenção à soja.

A soja é processada para a produção de óleo de cozinha e o farelo resultante desse processo é usado como alimento de porcos. Como a carne suína e o óleo de soja são elementos importantes da dieta chinesa, os preços da soja têm um impacto significativo sobre a inflação ao consumidor.

A China importa quase 90% da soja que consome, com um terço das importações vindo dos EUA. Mas o governo impôs uma tarifa adicional de 25% sobre a soja americana em julho - uma ação que, embora vise atingir os agricultores que apoiam o presidente americano Donald Trump, também poderá elevar os preços internos.

Os consumidores são sensíveis às altas nos preços da carne suína e do óleo de cozinha. Embora os preços da carne suína estejam no mesmo nível de um ano atrás, eles subiram 40% nos últimos seis meses.

O preço do farelo de soja teve uma alta anual de 10% a 20%, pressionando os custos dos criadores de porcos. Os produtores agora estão perdendo 200 yuans por porco, segundo a imprensa chinesa. O governo oferece subsídios, num esforço para apoiar os produtores rurais locais e também para impedir a alta dos preços da carne suína apesar do aumento dos custos.

Enquanto isso, o preço que a China paga pela soja importada aumentou por seis meses seguidos até setembro, com os compradores mudando dos anteriormente baratos grãos americanos para os sul-americanos, mais caros.

(Valor) (Shunsuke Tabeta e Issaku Harada | Nikkei)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)
Quarta-Feira, 07/11
Tereza Cristina é anunciada como ministra da Agricultura de Bolsonaro (19:28)
JBS vai vender carne na China pela internet (08:32)
Acionistas da BRF aprovam extensão do mandato de Pedro Parente (07:46)
Presidente da ABPA é palestrante do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio (07:30)
Carne bovina tem alta e pode colaborar com retomada de preço no mercado do boi (07:18)
Importações chinesas de soja vão cair 10%, diz USDA (07:10)
Soja fecha estável em Chicago e mantém mercado lento também no Brasil nesta 3ª feira (07:00)
Terça-Feira, 06/11
Chineses questionam Blairo sobre posições de Bolsonaro (13:40)
Palestra sobre os benefícios do ovo na Multivix e na Católica de Vitória (09:36)
DSM apresenta inovação e ciência aplicada em avicultura na conferência da PSA Latin American 2018 (08:30)
Cobb-Vantress realiza 7º Encontro Empresarial, em Puerto Madero (08:20)
Milho: demanda dá suporte e mercado consolida terceira valorização consecutiva em Chicago nesta 2ª (08:04)
Soja: sinalização de acordo entre China e EUA reduz pressão e Chicago testa leves altas nesta 3ª (08:00)
Guerra comercial de Trump custa caro para os EUA nas exportações de soja (07:50)
Egito cancela viagem de Aloysio Nunes e da comitiva brasileira (07:19)
China: exportação agropecuária tem entrave e oportunidade (07:18)
Copagril realiza 8ª Semana da Política da Qualidade e Segurança do Alimento (07:17)
Tocantins reúne representantes do setor de milho para falar sobre aflatoxina (07:16)