Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019
Matérias-Primas

Guerra comercial já eleva os preços na China
Pequim, China, 18 de Outubro de 2018 - A guerra comercial sino-americana está provocando uma alta generalizada dos preços na China, deixando as autoridades nervosas à medida que os consumidores começam a sentir esse impacto.

A inflação anual ao consumidor na China subiu 2,5% em setembro, segundo dado oficial divulgado na terça-feira. Esse aumento se deveu em parte aos preços dos alimentos, com as condições climáticas desfavoráveis afetando o abastecimento. Mas as tarifas impostas por Pequim a produtos americanos, em resposta às sobretaxas de produtos importados da China aplicadas pelos EUA, também tiveram seu papel.

Em julho, o governo chinês impôs uma tarifa adicional de 25% sobre as importações de automóveis americanos, elevando a taxa para 40%. As montadoras estão repassando parte do custo extra aos consumidores. Um modelo básico Model S da Tesla, custa hoje 850.000 yuans (US$ 123.000), sendo que o preço anterior era de 710.000 yuans. BMW e Daimler também subiram os preços dos utilitários esportivos fabricados nos EUA em 4% a 7%.

Uma unidade chinesa da Henkel, fabricante alemã de produtos de consumo e químicos, elevou os preços de adesivos e outros produtos vendidos na China, mas sem informar o percentual, segundo a imprensa local. Em sua justificativa aos consumidores, a companhia mencionou as tarifas retaliatórias aos produtos americanos e o enfraquecimento do yuan, sugerindo que a companhia importava dos EUA adesivos e produtos químicos usados em sua produção.

A unidade da Henkel elevou os preços em 16% em média em julho. Teme-se que esse recente aumento possa afugentar os clientes.

Uma subsidiária local do conglomerado americano 3M subiu os preços dos produtos chineses em cerca de 3% a 5%, graças à alta dos preços das matérias-primas e dos custos com mão de obra, além das flutuações cambiais.

Dada a função da 3M de fornecedora a fabricantes de smartphones, há quem tema que o aumento possa tornar a produção de celulares mais cara. A escalada da guerra comercial poderá corroer a lucratividade dos fabricantes chineses de smartphones, segundo um analista da área de tecnologia.

Uma tarifa sobre as aparas de papel americanas, matéria-prima importante para os fabricantes de papel, levou a Lee & Man Paper Manufacturing e seus pares a aumentar alguns preços em agosto. As altas variaram de produto para produto, mas ficaram em torno de 3%.

Companhias que usam insumos químicos feitos nos EUA em produtos como tintas e materiais de construção teriam alertado os consumidores que aumentos nos preços também estão por vir.

As autoridades chinesas estão agindo para conter a inflação para evitar descontentamento público, prestando especial atenção à soja.

A soja é processada para a produção de óleo de cozinha e o farelo resultante desse processo é usado como alimento de porcos. Como a carne suína e o óleo de soja são elementos importantes da dieta chinesa, os preços da soja têm um impacto significativo sobre a inflação ao consumidor.

A China importa quase 90% da soja que consome, com um terço das importações vindo dos EUA. Mas o governo impôs uma tarifa adicional de 25% sobre a soja americana em julho - uma ação que, embora vise atingir os agricultores que apoiam o presidente americano Donald Trump, também poderá elevar os preços internos.

Os consumidores são sensíveis às altas nos preços da carne suína e do óleo de cozinha. Embora os preços da carne suína estejam no mesmo nível de um ano atrás, eles subiram 40% nos últimos seis meses.

O preço do farelo de soja teve uma alta anual de 10% a 20%, pressionando os custos dos criadores de porcos. Os produtores agora estão perdendo 200 yuans por porco, segundo a imprensa chinesa. O governo oferece subsídios, num esforço para apoiar os produtores rurais locais e também para impedir a alta dos preços da carne suína apesar do aumento dos custos.

Enquanto isso, o preço que a China paga pela soja importada aumentou por seis meses seguidos até setembro, com os compradores mudando dos anteriormente baratos grãos americanos para os sul-americanos, mais caros.

(Valor) (Shunsuke Tabeta e Issaku Harada | Nikkei)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 16/01
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)
Segunda-Feira, 14/01
Cooperativa Lar apresenta planos de desenvolvimento para 2019 (12:49)
MILHO/CEPEA: preços apresentam comportamento distinto dentre as regiões (10:33)
SOJA/CEPEA: desvalorização do dólar frente ao real pressiona cotações internas (10:31)
Empresas de proteína animal buscam aproximação com pasta da Agricultura (08:30)
Mesmo com Carne Fraca, Brasil lidera vendas à UE (08:18)
Empreitada da BRF na Argentina deixa R$ 1,2 bi em perdas (08:10)
Oferta maior que a demanda no mercado de ovos (08:06)
Boi Gordo: escalas de abate confortáveis, mas pressão de baixa não é generalizada (08:03)
Para evitar risco de desabastecimento, China deve triplicar compras de milho (08:01)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira realizando lucros e refletindo menores importações da China (08:00)
Sexta-Feira, 11/01
FRANGO/CEPEA: poder de compra segue pressionado neste início de 2019 (09:22)
OVOS/CEPEA: preços iniciam 2019 em queda (09:20)
Cooperativas engajadas no desenvolvimento catarinense (08:00)
BRF conclui venda de ativos na Argentina e arrecada R$ 560 milhões (07:45)
Boi Gordo: recuo na demanda reflete em desvalorização da arroba (07:42)
Milho: Bolsa de Chicago encerra quinta-feira com quedas de 5 pontos (07:32)
Soja fecha com baixas de dois dígitos em Chicago nesta 5ª feira (07:30)
Quinta-Feira, 10/01
C.Vale inicia calendário de eventos promovendo mais uma edição de seu tradicional dia de campo (11:39)
SUÍNOS/CEPEA: embarques de carne suína voltam a recuar em dezembro (09:31)
BOI/CEPEA: 40% das exportações brasileiras são destinadas para Hong Kong e China (09:30)
Conab divulga novo estudo da safra de grãos e estima que produção será de 237,3 milhões de toneladas (09:28)
China pode comandar mercado mundial de aves (08:18)
Financiamento da produção aumentou 14% em relação ao semestre anterior (08:16)
Milho: preços em alta na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja: novas altas em Chicago (08:00)
Mercado do boi sem viés definido (07:50)
Parceria com empresa alemã pode tornar Toledo (PR) referência em biogás (07:36)
Saiba como usar a tecnologia no Agro a seu favor (07:35)
Nestlé lança seu primeiro hambúrguer sem carne (07:31)
Criadores de Rondônia compram mais de 1,5 mil toneladas de milho (07:30)
Cooperativa Languiru apresenta projeto de expansão da avicultura (01:38)
Hambúrguer vegano "que sangra" agora tem versão sem glúten e com 240 calorias (01:32)
Uso de xilanase para melhoria da funcionalidade de fibras nos monogástricos é defendida pela AB Vista (01:30)