Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade
Campinas, SP, 14 de Novembro de 2018 - O dólar voltou a subir de forma expressiva nesta terça-feira (13) frente ao real e fechou acima dos R$ 3,80, registrando seu maior nível desde o último dia 5 de outubro, ainda assim, o impacto sobre os preços da soja no mercado brasileiro continua sendo limitado. A estabilidade, mais uma vez, marcou o dia para a formação das cotações no país e os negócios continuam bem lentos por aqui.

Nos portos, Paranaguá manteve os R$ 85,00 por saca no disponível, enquanto subiu 1,28% na safra nova, para R$ 79,00. Em Rio Grande, alta de 0,58% no spot e de 0,34% no dezembro, com as últimas referências em R$ 87,00 e R$ 87,80 por saca, respectivamente.

No interior do Brasil, quando todas as praças de comercialização encerraram a terça-feira com valores estáveis, sem qualquer mudança em relação às referências do dia anterior. Algumas exceções ficaram por conta, por exemplo, do Oeste da Bahia, onde o preço subiu 9,52% para R$ 69,00.

Como explicou o economista e analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais, a comercialização no país segue travada, uma vez que os atuais preços são pouco atrativos e resultam em um falta de interesse por parte dos vendedores, tanto da safra nova, quanto da safra velha.

A alta do dólar, afinal, perde boa parte da força diante de um mercado fraco na Bolsa de Chicago. À espera de novidades, as cotações da oleaginosa no mercado futuro norte-americano seguem pressionadas, caminhando de lado, perdendo um pouco mais a cada dia.

Ao mesmo tempo, os prêmios no mercado brasileiro, como explica Motter, também cederam de forma intensa nos últimos 15 a 20 dias e os preços da soja brasileira sentem mais esssa 'pressão adicional'.

Bolsa de Chicago

No mercado internacional, faltam novidades para motivar uma definição de caminho para os preços e, nesta terça, o fechamentou acabou sendo negativo na Bolsa de Chicago. Os futuros cederam de 4,50 e 5 pontos nos principais contratos, com o janeiro valendo US$ 8,78 e o maio/19 a US$ 9,05 por bushel.

A colheita sendo concluída nos EUA, bem como o desenvolvimento do plantio na América do Sul são fatores de acompanhamento dos traders, bem como a demanda fraca, nesse momento, pela soja norte-americana.

Dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgados nesta terça mostram que, na semana encerrada em 8 de novembro, os EUA embarcaram 1.301,775 milhão de toneladas, contra projeções de 900 mil a 1,28 milhão de toneladas.

O volume é ligeiramente maior do que o da semana anterior, e eleva o total acumulado no ano comercial para 9.908,846 milhões de toneladas, contra mais de 17 milhões do ano passado, nesse mesmo período.

Ainda assim, o maior fator de atenção e especulação continua sendo a disputa comercial dos EUA com a China e para o próximo encontro do G20, que acontece na Argentina, no final do mês, e onde se encontram Donald Trump e Xi Jinping para uma nova rodada de discussões.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)