Sexta-feira, 22 de Março de 2019
Análise

Cenário da agropecuária é nebuloso para 2019
SÃO PAULO, 30 de Novembro de 2018 - O cenário do agronegócio para o próximo ano poderá ser menos favorável do que o atual. Além dos tradicionais problemas estruturais que afetam o setor, foram incorporados outros que exigem solução rápida.

O país tem algumas pendências internas dos últimos dois anos para serem resolvidas, principalmente no segmento de proteína animal.

Além disso, o futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL) entrou em uma discussão desnecessária que, se não foi apenas um embate do período de campanha eleitoral, trará consequências negativas para o agronegócio brasileiro.

No setor de grãos, os custos de produção aumentaram e boa parte dos insumos foi comprada com uma taxa de câmbio elevada. Um fortalecimento do real no próximo ano tira competitividade do produto brasileiro e, consequentemente, renda do produtor.

No setor de proteínas, as coisas são mais complicadas. O Brasil não sabe ainda se os recentes gargalos ocorridos no setor já foram solucionados.

As operações da Polícia Federal no setor de carnes acabaram ou ainda sobra algum rescaldo? E como fica a situação dos funcionários do Ministério da Agricultura envolvidos nessas operações?

A importância do agronegócio para o país é indiscutível, mas alguns acertos deverão ser feitos rapidamente. Buracos na defesa sanitária fazem o país amargar uma queda de 6% nas receitas com carnes neste ano.

Vários dos principais mercados importadores de proteínas impuseram barreiras às carnes brasileiras. A recuperação externa desse setor, que rendeu US$ 15,5 bilhões em 2017, será lenta. Dependerá não só de ajustes do Ministério da Agricultura, mas também das empresas do setor.

As principais quedas ocorrem com as carnes de frango e de suínos. As de aves recuaram 12%, em valores, de janeiro a outubro, principalmente devido a barreiras impostas pela União Europeia.

A suína, que teve o mercado da Rússia fechado —agora reaberto em parte—, obteve 28% menos receitas neste ano.

O próximo ano promete ser um período de ajustes na economia internacional, o que não é bom para o Brasil, grande mercado exportador de commodities. Os Estados Unidos deverão elevar as taxas de juros. Se isso ocorrer, provocará uma desaceleração no consumo mundial.

As perspectivas para os produtores brasileiros de algodão, cultura na qual o país vem obtendo recordes nos últimos anos, é boa. Já para soja e milho, principalmente devido aos estoques mundiais elevados, nem tanto.

Além desses problemas inerentes ao mercado, o setor não poderá conviver com adoções de políticas que afetam as exportações. Uma delas é a da sustentabilidade na produção.

A sustentabilidade deve ser encarada não apenas como um tema ambiental, mas como um equilíbrio econômico e social do setor. Os próprios líderes do agronegócio já estão fazendo o novo governo entender que essas questões são fundamentais.



Líder mundial em exportações de vários produtos agropecuários, o Brasil não pode impor religião e ideologias nas negociações comerciais.

A clara tendência do novo governo apenas para os Estados Unidos pode ser interessante nas áreas de tecnologia e de outros bens, mas não acrescenta muito no agronegócio. Os americanos são os principais competidores do Brasil em grãos e carnes.

A visão antiglobalização do presidente Donald Trump, também apreciada pelo futuro governo do Brasil, está fora de foco e não cabe no orçamento brasileiro.

Só no agronegócio, os Estados Unidos estão gastando bilhões de dólares para manter essa política. Um dinheiro que o Brasil não tem.

O futuro governo deverá evitar também entraves com chineses e árabes, grandes parceiros dos brasileiros no agronegócio. Declarações e atitudes do novo presidente colocaram vários países em estado de alerta com o Brasil.



A questão com a Europa também é delicada e envolve, principalmente, pontos ambientais. Não basta ter produto de qualidade, os brasileiros têm de informar como produzem. É uma exigência atual do mercado internacional.



As mesmas mídias que impulsionaram a campanha eleitoral de Bolsonaro servirão de acompanhamento, em tempo real, para a verificação do que e como se produz no país.



A agropecuária tem de estar preparada, com transparência, para essa proliferação das informações que virão pela frente. Elas poderão facilitar as negociações, mas também significar um aumento das chamadas barreiras técnicas.


As entidades de classe, que acompanham diariamente o setor, deverão assumir papel importante no desenho desse agronegócio de novas exigências e de maior visibilidade


Nos últimos dez anos, graças às exportações de US$ 870 bilhões, o setor deu vida à economia nacional.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 22/03
Quinta-Feira, 21/03
Suínos: demanda mantém preços elevados em SP (10:04)
Boi Gordo: abates aumentam 3,5% frente à 2017; volume é o maior desde 2014 (10:01)
Para reflexão do setor: NotCo chega ao Brasil com sua maionese sem ovo (09:19)
Missão do USDA que avaliará carne bovina será agendada esta semana (08:41)
Abate de suínos aumenta 61% em 11 anos, afirma IBGE (08:18)
ECPP fecha parceria com a Gujão Alimentos (08:04)
PIB do Agro fecha 2018 com estabilidade (07:28)
Tereza Cristina diz que agro precisa de investimentos em infraestrutura (07:26)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (07:07)
Cotações da arroba do boi gordo em alta (07:05)
Milho fecha a 4ª feira estável em Chicago (07:03)
Soja recua mais de 1% nos portos do Brasil (07:00)
Quarta-Feira, 20/03
Evonik lança novo método rápido e confiável para avaliar a qualidade de matérias-primas (13:42)
Cinergis Agronegócios realiza sua II Reunião Técnico-Comercial (12:41)
EUA vão informar em três dias quando virão ao Brasil inspecionar frigoríficos para liberar importação de carne bovina (12:32)
Funrural: terra de ninguém (11:47)
Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais (11:15)
Da Unitá para o mundo (10:43)
Deputados paulistas articulam bancada do agronegócio na ALESP (10:42)
SC: exportações do complexo soja aumentam 58% em 2019 (09:10)
China recusa habilitação de frigoríficos (08:20)
Estados Unidos mandarão equipe de inspeção ao Brasil para autorizar importação de carne in natura (08:15)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça-feira (19) (07:23)
Boi Gordo: mercado segue firme (07:22)
Em poucos dias começa o Congresso de Ovos da APA (07:17)
Milho fecha a 3ª feira com resultados misturados (07:05)
Soja fecha mais uma vez estável em Chicago (07:00)
Terça-Feira, 19/03
Exportações do agronegócio renderam US$ 7,2 bi em fevereiro (13:26)
Grupo Mantiqueira apresenta produto vegano e outras novidades na Super Rio Expofood (13:17)
Yes amplia estrutura comercial visando crescimento nos mercados nacional e internacional (13:10)
Embrapa: custos de produção de suínos e frangos de corte caem em fevereiro (12:27)
Concurso de Qualidade de Ovos 2019 acontecerá durante a 5ª FAVESU (08:23)
IEA divulga a estimativa da Produção Animal do Estado de São Paulo, em 2018 (08:21)
Nos EUA, redução de peso melhora lucro do frango (08:05)
Macedônia do Norte quer aumentar importação de frango do Paraná (08:04)
Produção paulista de frango caiu 11,1% em 2018 (08:00)
Boi Gordo: segunda quinzena começa com preços em alta (07:45)
Exportação de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro (07:40)
Soja tem pequenas baixas em Chicago nesta 3ª feira (07:29)
Milho desvalorizado em Chicago nesta segunda-feira (07:20)
Segunda-Feira, 18/03
Carnes necessitam de um marketing proativo, segundo analistas do setor (14:26)
Exportação de carne é principal tema na agenda de Tereza Cristina nos EUA (14:21)
Vetanco estará presente ao SBSA 2019 (14:14)
Estoque de soja elevado nos EUA reduz patamar de negócios no Brasil (10:00)
Milho: possível maior oferta pressiona valores internos (09:47)
Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia (08:24)
Declaração de chanceler sobre China gera mal-estar com o agronegócio (08:21)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Acordo EUA-China e o agro brasileiro (07:05)
Peste na China causa disrupção no mercado de carnes e leva à disparada de BRF e JBS na bolsa (07:04)
A força do frango (07:03)