Sexta-feira, 22 de Março de 2019
Empresas

Recall da BRF expõe falha e transparência
São Paulo, SP, 14 de Fevereiro de 2019 - A detecção de um tipo da bactéria salmonela (Enteritidis) levou a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, a anunciar um recall de lotes de carne de frango in natura produzidos entre outubro e novembro de 2018 no abatedouro da companhia em Dourados (MS).

Em comunicado enviado ontem à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a BRF informou que está fazendo uma campanha para recolher 164,7 toneladas de frango destinado ao mercado brasileiro e de 299,6 toneladas do produto para exportação. Após recolhidos, o destino do produto será decidido pelo Ministério da Agricultura e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Eventualmente, os produtos poderão ser termoprocessados para a comercialização.

Pouco usual na indústria frigorífica brasileira, o recall da BRF é um marco da reestruturação da área de qualidade da companhia, iniciada após a chegada de Pedro Parente à presidência do conselho de administração, em abril do ano passado. A empresa brasileira foi acusada, no passado, de ocultar do público problemas desse gênero.

O recall da BRF ocorre quase um ano após a deflagração da Operação Trapaça, investigação da Polícia Federal (PF) que apura, entre outras coisas, fraudes cometidas por ex-funcionários da BRF para burlar os testes de salmonela. Em reação às descobertas da Trapaça, a União Europeia proibiu a BRF de exportar para os países do bloco.

Em meio aos esforços para recuperar a credibilidade, bastante arranhada após a Operação Trapaça, a BRF negocia, como o Valor já informou, um acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF) e com a Controladoria-Geral da União (CGU). Se o acordo prosperar, a BRF será a primeira companhia do país a reconhecer crimes contra a saúde.

Do ponto de vista da saúde humana, a presença de salmonela não é necessariamente um problema. Se a carne de frango for cozida de forma correta pelos consumidores, a bactéria morre. Ocorre que, por conta do maior risco de infecções intestinais, a legislação não permite a venda de frango in natura com a presença de dois tipos de salmonela: Enteritidis e Tifimurium.

No caso dos lotes de frango do recall da BRF, a presença de Enteritidis foi detectada após testes de laboratório da própria empresa. Na prática, produtos com a presença desses dois tipos de salmonela só poderiam ser comercializados se tivessem sido cozidos na própria fábrica, e vendidos como alimentos processados (salsicha e nuggets, por exemplo).

Em comunicado, a BRF informou ter tomado as medidas necessárias para que o episódio seja pontual. "[A BRF] mantém a produção da planta de Dourados sob um processo rigoroso de manutenção e liberação dos produtos para assegurar que a ocorrência foi pontual e não se repetirá".

Ao Valor, um executivo com décadas de experiência em frigoríficos do Brasil e do exterior elogiou a transparência da BRF ao anunciar o recolhimento voluntário dos lotes de frango, em acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em contrapartida, argumentou que o problema em Dourados "mostra que a operação da BRF ainda está com falhas e gera prejuízos". Dados preliminares dariam conta de despesas de R$ 2 milhões para fazer o recall, disse uma fonte. Na B3, as ações da BRF caíram 3,22% ontem, a maior baixa do Ibovespa.

A despeito das críticas, o recolhimento de carnes devido à presença de salmonela não é incomum em grandes mercados, como nos Estados Unidos. No ano passado, a JBS teve de recolher 5,5 mil toneladas de carne moída produzida em Tolleson, no Estado do Arizona. A presença da bactéria foi associada à ocorrência de infecções intestinais em diversos Estados, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência vinculada ao Departamento de Saúde dos EUA.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 22/03
Quinta-Feira, 21/03
Suínos: demanda mantém preços elevados em SP (10:04)
Boi Gordo: abates aumentam 3,5% frente à 2017; volume é o maior desde 2014 (10:01)
Para reflexão do setor: NotCo chega ao Brasil com sua maionese sem ovo (09:19)
Missão do USDA que avaliará carne bovina será agendada esta semana (08:41)
Abate de suínos aumenta 61% em 11 anos, afirma IBGE (08:18)
ECPP fecha parceria com a Gujão Alimentos (08:04)
PIB do Agro fecha 2018 com estabilidade (07:28)
Tereza Cristina diz que agro precisa de investimentos em infraestrutura (07:26)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (07:07)
Cotações da arroba do boi gordo em alta (07:05)
Milho fecha a 4ª feira estável em Chicago (07:03)
Soja recua mais de 1% nos portos do Brasil (07:00)
Quarta-Feira, 20/03
Evonik lança novo método rápido e confiável para avaliar a qualidade de matérias-primas (13:42)
Cinergis Agronegócios realiza sua II Reunião Técnico-Comercial (12:41)
EUA vão informar em três dias quando virão ao Brasil inspecionar frigoríficos para liberar importação de carne bovina (12:32)
Funrural: terra de ninguém (11:47)
Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais (11:15)
Da Unitá para o mundo (10:43)
Deputados paulistas articulam bancada do agronegócio na ALESP (10:42)
SC: exportações do complexo soja aumentam 58% em 2019 (09:10)
China recusa habilitação de frigoríficos (08:20)
Estados Unidos mandarão equipe de inspeção ao Brasil para autorizar importação de carne in natura (08:15)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça-feira (19) (07:23)
Boi Gordo: mercado segue firme (07:22)
Em poucos dias começa o Congresso de Ovos da APA (07:17)
Milho fecha a 3ª feira com resultados misturados (07:05)
Soja fecha mais uma vez estável em Chicago (07:00)
Terça-Feira, 19/03
Exportações do agronegócio renderam US$ 7,2 bi em fevereiro (13:26)
Grupo Mantiqueira apresenta produto vegano e outras novidades na Super Rio Expofood (13:17)
Yes amplia estrutura comercial visando crescimento nos mercados nacional e internacional (13:10)
Embrapa: custos de produção de suínos e frangos de corte caem em fevereiro (12:27)
Concurso de Qualidade de Ovos 2019 acontecerá durante a 5ª FAVESU (08:23)
IEA divulga a estimativa da Produção Animal do Estado de São Paulo, em 2018 (08:21)
Nos EUA, redução de peso melhora lucro do frango (08:05)
Macedônia do Norte quer aumentar importação de frango do Paraná (08:04)
Produção paulista de frango caiu 11,1% em 2018 (08:00)
Boi Gordo: segunda quinzena começa com preços em alta (07:45)
Exportação de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro (07:40)
Soja tem pequenas baixas em Chicago nesta 3ª feira (07:29)
Milho desvalorizado em Chicago nesta segunda-feira (07:20)
Segunda-Feira, 18/03
Carnes necessitam de um marketing proativo, segundo analistas do setor (14:26)
Exportação de carne é principal tema na agenda de Tereza Cristina nos EUA (14:21)
Vetanco estará presente ao SBSA 2019 (14:14)
Estoque de soja elevado nos EUA reduz patamar de negócios no Brasil (10:00)
Milho: possível maior oferta pressiona valores internos (09:47)
Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia (08:24)
Declaração de chanceler sobre China gera mal-estar com o agronegócio (08:21)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Acordo EUA-China e o agro brasileiro (07:05)
Peste na China causa disrupção no mercado de carnes e leva à disparada de BRF e JBS na bolsa (07:04)
A força do frango (07:03)