Terça-feira, 19 de Março de 2019
Política Agrícola

Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio
Brasília, DF, 15 de Fevereiro de 2019 - Diante da crise fiscal que ainda vive o país, vários Estados pretendem taxar tanto a produção quanto as exportações do agronegócio, setor mais dinâmico e o que mais cresce da economia brasileira nos últimos anos.

Os governos estaduais alegam estar em sérias dificuldades ficais, agravadas pela falta de repasses da União como compensação à Lei Kandir, que desde 1996 zerou o ICMS cobrado sobre as exportações de matérias-primas como grãos e minérios.


As exportações do agronegócio somaram US$ 102,1 bilhões nos 12 meses até janeiro de 2019, equivalente a 42,3% de todas as exportações do país. E gerou superávit comercial de US$ 88,1 bilhões no período. Em 2018, o setor também registrou participação de aproximadamente 23% do PIB, segundo estimativas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Em outra frente, estudo recente da LCA Consultores mostrou que 16% da carga tributária do país é paga pelo agronegócio.

Para produtores rurais e exportadores agropecuários, está claro que o setor virou de vez um alvo preferencial da sanha tributária dos Estados. Alertam, porém, que os aumentos de impostos podem comprimir suas margens de lucro, comprometer os bons resultados conferidos na balança comercial, quando não pressionar a inflação de alimentos. E já preparam uma grande mobilização nacional, liderada pela própria CNA e Aprosoja Brasil. "Não se pode punir com mais impostos o setor que está trazendo prosperidade para o país", disse ao Valor a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

O maior exemplo está em Mato Grosso, líder da produção nacional de grãos, como soja -- carro-chefe das exportações. No primeiro mês deste ano, ao mesmo tempo em que decretou situação de calamidade financeira do Estado, o novo governador Mauro Mendes sancionou lei que ampliou o escopo de um encargo que já incidia sobre a comercialização dos principais produtos agropecuários do Estado, o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).

Enquanto soja, algodão, carnes e madeira tiveram aumento das alíquotas, o milho passou a ser incluído na lista dos itens onerados. No caso do algodão, o incremento foi expressivo: de 20,5% para 75% da Unidade de Padrão Fiscal (UPF) por toneladas, sendo que a proposta original do governo era chegar a 200%. A UPF é a base fiscal para incidência do Fethab, que em janeiro estava em R$ 139.

O secretário de Fazenda matogrossense, Rogério Gallo, argumenta que aumentar esse encargo ao agronegócio local não é a solução para todo o problema fiscal do Estado. A estimativa do ganho de arrecadação com o Fethab é de cerca de R$ 400 milhões por ano - o fundo arrecadou R$ 1 bilhão em 2018. Por outro lado, a nova gestão herdou déficit de R$ 2,1 bilhões.

Gallo nega que a nova administração esteja perseguindo o setor e defende que o Estado agregue mais valor à sua produção, com a implantação de agroindústrias que possam gerar riqueza internamente. "Prefiro isentar a exportação do óleo de soja produzido no Estado que a do grão in natura. Temos uma capacidade instalada de esmagamento de soja ociosa, alguma coisa está errada."

Alexandre Schenkel, presidente da Ampa, entidade que reúne os produtores de algodão de Mato Grosso, diz que a medida do governo estadual "penaliza quem é eficiente" e diz que o aumento do Fethab sobre a fibra produzida no Estado vai abocanhar 20% da rentabilidade dos produtores da cultura. "Muitos produtores podem deixar de plantar na próxima safra."

Esse caso, porém, não é o único. A partir de 1º de abril começa a vigorar em Santa Catarina um decreto editado ainda pela gestão anterior que passa a aplicar 17% de ICMS sobre dezenas de agrotóxicos - antes esses insumos eram isentos. O Estado espera arrecadar R$ 30 milhões por ano com a cobrança, mas o secretário de Fazenda, Paulo Eli, conta que o déficit é de R$ 2,5 bilhões.

Tocantins, cuja economia depende em grande parte da atividade agropecuária, também baixou portaria estadual em 1º de fevereiro que prevê a cobrança de 12% de ICMS interestadual sobre o frete rodoviário de cargas destinadas à exportação. O serviço era isento.

Outra grande preocupação do setor é o Convênio 100 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que desde 1997 isenta ou reduz ICMS sobre vários agroquímicos e fertilizantes. Por pressão do setor, o benefício sempre foi renovado, mas o temor agora é de que ele deixe de existir uma vez que sete Estados já decretaram calamidade financeira. Se o convênio for derrubado, o impacto estimado é de R$ 20 bilhões sobre o custo de produção.

"O agronegócio vai se tornar cada vez mais nos próximos anos ainda um alvo da sede arrecadatória do Estado, por uma falsa ideia de que o produtor ganha muito dinheiro. Apesar de o setor movimentar muito, as margens são muito pequenas, e está sujeito a risco alto", diz o tributarista Eduardo Lourenço, sócio do escritório Maneira Advogados.

Para Rafael Fonteles, presidente do Consefaz, conselho de secretários de Fazenda, "ao mesmo tempo em que o agronegócio pode ser a base da economia de alguns Estados, ele é o setor responsável por boa parte do crescimento do país. Então às vezes, você gera uma tributação e resolve uma situação de curto prazo, mas termina gerando um desincentivo ao setor".

(Valor) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 19/03
Exportações do agronegócio renderam US$ 7,2 bi em fevereiro (13:26)
Grupo Mantiqueira apresenta produto vegano e outras novidades na Super Rio Expofood (13:17)
Yes amplia estrutura comercial visando crescimento nos mercados nacional e internacional (13:10)
Embrapa: custos de produção de suínos e frangos de corte caem em fevereiro (12:27)
Concurso de Qualidade de Ovos 2019 acontecerá durante a 5ª FAVESU (08:23)
IEA divulga a estimativa da Produção Animal do Estado de São Paulo, em 2018 (08:21)
Nos EUA, redução de peso melhora lucro do frango (08:05)
Macedônia do Norte quer aumentar importação de frango do Paraná (08:04)
Produção paulista de frango caiu 11,1% em 2018 (08:00)
Boi Gordo: segunda quinzena começa com preços em alta (07:45)
Exportação de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro (07:40)
Soja tem pequenas baixas em Chicago nesta 3ª feira (07:29)
Milho desvalorizado em Chicago nesta segunda-feira (07:20)
Segunda-Feira, 18/03
Carnes necessitam de um marketing proativo, segundo analistas do setor (14:26)
Exportação de carne é principal tema na agenda de Tereza Cristina nos EUA (14:21)
Vetanco estará presente ao SBSA 2019 (14:14)
Estoque de soja elevado nos EUA reduz patamar de negócios no Brasil (10:00)
Milho: possível maior oferta pressiona valores internos (09:47)
Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia (08:24)
Declaração de chanceler sobre China gera mal-estar com o agronegócio (08:21)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Acordo EUA-China e o agro brasileiro (07:05)
Peste na China causa disrupção no mercado de carnes e leva à disparada de BRF e JBS na bolsa (07:04)
A força do frango (07:03)
Sexta-Feira, 15/03
Governo libera R$ 73 milhões para serem aplicados no seguro rural neste e no próximo mês (14:33)
Cobb-Vantress patrocina Simpósio de Avicultura em Bogotá (13:17)
Wisium lançará linha com conceito Egg Quality Concept durante Congresso de Ovos (12:53)
Frango: exportação aumenta e china se torna principal destino da proteína (10:23)
Ovos: apesar do início da Quaresma, cotações seguem estáveis (10:22)
Agricultura brasileira é produtiva e sustentável, defende ministro (10:15)
CASP, da área de equipamentos, tem recuperação judicial deferida (10:14)
RJ cancela benefício fiscal e BRF terá de devolver R$ 300 milhões (08:15)
Rio Grande do Sul volta ao segundo lugar na soja (08:12)
FACTA prorroga inscrições para Prêmio Lamas 2019 até 22 de março (08:00)
Termo de cooperação técnica e financeira prevê R$ 1,4 milhão para a Agrodefesa goiana (07:39)
Mercado global de frango deve melhorar gradualmente em 2019 (07:38)
MPE vai investigar abate clandestinos de frango em Sergipe CIDADE (07:37)
Árabes encontram novos possíveis fornecedores no Brasil (07:36)
IMA apreende 1,5 tonelada de carne de frango na zona rural de Santa Rita do Sapucaí, MG (07:35)
Mercado do boi gordo segue firme (07:10)
Preços futuros do milho se mantêm fortes (07:05)
Soja: mercado está apático (07:00)
Quinta-Feira, 14/03
IBGE: Abate de frangos cai 2,5% em 2018, segunda queda consecutiva (10:52)
Produção de ovos aumenta 8,6% e chega a 3,6 bilhões de dúzias, aponta IBGE (10:51)
Menor preço do boi gordo deve favorecer confinador em 2019 (10:06)
Wisium lança projeto especial de logística (09:56)
Suínos: quantidade de carne exportada em fev/19 é recorde para o mês (09:53)
BRF reestrutura food service e prevê crescer ‘dois dígitos’ (08:00)
Agricultores mexicanos pedem tarifas equivalentes sobre produtos norte-americanos (07:34)
Reino Unido suprimirá tarifas de 87% das importações em caso de Brexit sem acordo (07:33)
Suíno Vivo: cotações estáveis nesta quarta (13) (07:15)
Exportação diária de carne bovina in natura sobe 70% (07:10)
Milho: quarta-feira registra poucas movimentações (07:07)
Soja em Chicago tem leve recuo na 5ª feira (07:00)
Conab deve fazer leilões de milho no Mato Grosso (06:33)
Quarta-Feira, 13/03
Exportações de carne suína crescem 5,65% em 2019 (10:46)
Probióticos: principais critérios de seleção e seu papel na saúde intestinal (09:00)
Nutriad e Adisseo divulgam dados de pesquisa sobre micotoxinas em milho no Brasil (08:50)
Evonik participa do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (08:41)
Conab e IBGE baixam projeções para grãos (08:39)
Suíno Vivo: altas em SC e em SP (08:20)
Cotações do boi gordo ganham firmeza (08:15)
Milho ganha força em Chicago nesta terça-feira (08:05)
Soja fecha em alta nesta 3ª em Chicago (08:00)