Sábado, 25 de Maio de 2019
Exportação

Peste na China eleva e valoriza exportação de carne suína do Brasil
São Paulo, SP, 12 de Março de 2019 - O surto de peste suína africana na China deixou de ser apenas um fator de especulação sobre o comércio mundial de carnes. O Ano Novo Chinês, em fevereiro, marcou um ponto de inflexão no humor - e nas vendas, é claro - da indústria de carne suína do Brasil. A expectativa de executivos do segmento é que os embarques do produto para o país asiático ganhem envergadura nos próximos meses.

"Houve uma mudança total de demanda e preço. É o momento de o país compensar as perdas dos últimos anos", afirmou ao Valor um alto executivo de uma das principais agroindústrias processadoras de suínos do país. De fato, o resultado setorial do ano passado foi desastroso devido à sobreoferta de carne suína no país - em grande parte provocada pelo embargo da Rússia - e dos preços altos da ração animal. A margem bruta da produção de carne suína no sistema de integração ficou negativa em 14%, de acordo com a consultoria MB Agro.

De acordo com um executivo de um grande exportador, o preço do pernil suíno vendido pelo Brasil à China passou de US$ 2 mil por tonelada, no ano passado, para US$ 3 mil nos contratos fechados recentemente, com embarque nos portos brasileiros a partir de abril.

Pelos dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), porém, ainda não é possível confirmar um forte aumento do volume comercializado, mas apenas dos preços (ver arte acima). Na visão do analista César Castro Alves, da MB Agro, o primeiro impacto do surto de peste suína na China, que começou em agosto, foi negativo para os preços. Os produtores locais correram para liquidar o plantel ainda saudável, o que elevou a oferta de carne suína momentaneamente.

Nas últimas semanas, porém, os sinais de redução da oferta chinesa são cada vez maiores, o que casa com a mudança de humor na indústria de carne suína do Brasil. Na bolsa de Chicago, os contratos futuros de suíno magro subiram mais de 16% nos últimos 11 pregões, de acordo com a agência Dow Jones Newswires. Corroborando o cenário, o Ministério da Agricultura da China informou no mês passado que a oferta de carne suína no país caiu 12,6% em janeiro, na comparação anual. Nesse cenário, algumas indústrias de ração na China vêm reportando queda de mais de 20% nas vendas, conforme relatos da agência Agricensus.

Na avaliação do vice-presidente de mercado da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, os chineses caminham para cumprir um papel que, há poucos anos, seria improvável. Pequim deve substituir a Rússia não só em importância no volume de vendas, mas também em preços, o que é fundamental para a recuperação da rentabilidade do segmento, que ainda está negativa em 6%, conforme o indicador da MB Agro.

Até 2017, os russos respondiam por cerca de 40% do volume de carne suína exportada pelo Brasil e 50% da receita cambial. No setor, a dependência da Rússia - um país de comércio instável, dado a rompantes protecionistas -, sempre foi vista como uma grande fragilidade da suinocultura do país.

Conforme Santin, a crise gerada pelo embargo da Rússia à carne suína brasileira - Moscou proibiu a importação do produto nacional em dezembro de 2017 - já vinha sendo amenizada pela demanda chinesa, que estava aquecida mesmo antes do surto de peste suína africana. Mas os preços estavam mais baixos.

Com o agravamento da peste suína no país asiático, o preço médio da carne suína exportada para a China está se aproximando do preço pago pela Rússia - Moscou retirou o embargo ao produto brasileiro no fim do ano passado. De acordo com dados compilados pela ABPA, o preço médio da carne suína exportada para a China passou de US$ 1.726 por tonelada, em setembro do ano passado, para US$ 2.053 por tonelada em dezembro. Trata-se de uma alta de quase 20%.

O movimento de valorização deve continuar. Segundo o dirigente da ABPA, novos contratos de exportação para a China estão sendo fechados a valores próximos de US$ 2,5 mil por tonelada, enquanto as vendas aos russos saem por cerca de US$ 2,6 mil por tonelada. Esses valores devem aparecer nas estatísticas no segundo trimestre, quando os embarques forem realizados pelos nove abatedouros que estão autorizados a vender à China.

Com firme demanda, a China assumiu, pela primeira vez, a liderança do ranking dos maiores compradores da carne suína do Brasil. No primeiro bimestre, as exportações diretas de carne suína do Brasil para a China somaram 20,5 mil toneladas, segundo dados preliminares compilados pala ABPA. Hong Kong foi o segundo maior destino, com 20 mil toneladas. A Rússia ficou na terceira posição, comprando 11 mil toneladas no período, de acordo com Santin.

O impacto positivo não beneficia só frigoríficos de carne suína. Conforme a ABPA, a China se tornou, pela primeira vez, o principal destino das exportações de carne de frango do Brasil. O país desbancou em fevereiro a Arábia Saudita, que vem tomando medidas para proteger a indústria local e, no fim de janeiro, suspendeu a importação de diversos abatedouros de frango do Brasil.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 25/05
Sexta-Feira, 24/05
MSD Saúde Animal promove 2° Encontro Empresarial na Europa para experiências com Innovax ND-IBD (10:40)
Frango: exportação aquecida diminui oferta interna e eleva preços (10:16)
ABPA comemora renovação de cotas de importação do México para aves (10:11)
IPCA-15 foi de 0,35% em maio (10:09)
Confiança do Agronegócio encerra 1º trimestre otimista (09:23)
Safra de grãos do Paraná poderá chegar a 37 milhões de toneladas (09:06)
Balança comercial do agronegócio deste ano não repete o recorde de 2018 (08:59)
Ministério busca ampliar número de frigoríficos aptos a exportar à China (08:46)
EUA confirmam ajuda de até US$ 16 bi a produtores (08:42)
Mercado do Boi: compradores fazem oferta de compra abaixo da referência em boa parte das praças pecuárias (08:37)
Exportação de milho do Brasil, mais competitivo que o dos EUA, deve ganhar ritmo (08:28)
Suínos: preço do milho sobe, mas média ainda favorece relação de troca (08:17)
Boi: exportações de carne seguem em ritmo acelerado (08:16)
Pecuaristas ainda com poder de cadenciar vendas, mais China, seguram a @ do boi (08:14)
Milho se desvaloriza em Chicago (08:12)
Soja tem leve avanço em Chicago nesta 6ª feira (08:04)
Acordo entre UE e Mercosul leva pânico a produtores de carne franceses (08:00)
Projeto Campo Futuro levanta custos de produção agropecuária em Santa Catarina (07:40)
Governador do Paraná conhece abatedouro avícola daUnitá (07:39)
Brasil manda lista de 30 frigoríficos indicados a exportar para a China (07:36)
Quinta-Feira, 23/05
Conferência FACTA WPSA-Brasil marca os 30 anos da entidade e coloca a avicultura brasileira em evidência (09:21)
CEO da Aviagen explora “Responsabilidade de Alimentar o mundo”, tema da Conferência FACTA 2019 (09:00)
ICC Brazil reforça o seu compromisso com as universidades (08:48)
Nova fórmula reduz fretes para os grãos (08:47)
Queda não será generalizada (08:46)
Queda não será generalizada (08:46)
Americanos obtêm mais carne bovina com rebanho menor (08:40)
China quer habilitar apenas mais 20 frigoríficos brasileiros (08:34)
Mercado do boi: preços seguem andando de lado (08:05)
Soja opera estável nesta 5ª feira em Chicago (08:00)
Tereza Cristina: “Vamos democratizar mais o crédito agrícola” (07:33)
Abertura do CPAgro Copacol tem a participação de 1,7 mil pessoas (07:31)
Diretor-Geral da FAO: voto do Brasil vai para vice-ministro da agricultura chinês (07:31)
SRB debate futuro dos contratos agrários com Ministro do STJ (07:30)
Oeste catarinense busca internacionalização da região (07:28)
Milho se recupera durante a 4ª feira e registra 8º dia seguido de cotações em alta na Bolsa de Chicago (07:05)
Soja fecha em alta na CBOT nesta 4ª feira (07:00)
Quarta-Feira, 22/05
SP: preços agropecuários caem 0,43% na primeira semana de maio (11:14)
5ª FAVESU: maior evento de avicultura e suinocultura do ES será em junho (11:03)
Regulamento traz organização e transparência para o Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos (09:36)
Yes amplia equipe e anuncia novo gerente comercial para o Brasil (08:47)
Venda de participação em ativos no Oriente Médio no foco da BRF (08:27)
Mercado do boi: alterações pontuais nas cotações (08:15)
Peste suína africana na China deve dar suporte aos preços da carne nos Estados Unidos (08:10)
Milho fecha terça-feira em alta pela sétima sessão seguida (08:05)
Soja: mercado inverte movimento e fecha em queda na 3ª feira (08:00)
Matopiba deverá ser o principal fornecedor de milho brasileiro para o México (07:17)
Terça-Feira, 21/05
Marcas apostam em 'carne vegetal' no país (15:39)
Safeeds apresenta linha de conservantes na Fenagra 2019 (15:35)
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)