Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Análise

Acordo EUA-China e o agro brasileiro

Brasil pode ser atingido em soja, milho, algodão, etanol e todas as carnes
São Paulo, SP, 18 de Março de 2019 - O encontro entre Jair Bolsonaro e Donald Trump no dia 19 se dará às vésperas da conclusão de um acordo histórico entre os EUA e a China que pode ser altamente disruptivo para o agronegócio mundial, afetando principalmente o Brasil.

O acordo pode representar o fim de uma era em que o comércio se expandia baseado essencialmente na competitividade dos países, sem grande esforço.

Ele traz novos elementos para a equação: pressionados por imenso déficit comercial de US$ 420 bilhões, os EUA deram início a uma guerra mercantilista com a China impondo elevadas tarifas sobre US$ 250 bilhões em importações.

O gigante asiático retrucou impondo tarifas sobre US$ 110 bilhões dos EUA, o que atingiu em cheio a soja americana. A disputa trouxe US$ 8 bilhões adicionais às nossas exportações de soja para a China, levando os incautos a inclusive “comemorar” a guerra comercial.

Tudo indica que os EUA vão forçar a China a ampliar as suas compras de produtos agropecuários americanos em absurdos US$ 30 bilhões anuais, que, na melhor das hipóteses, se somariam aos US$ 14 bilhões que foram adquiridos em 2018.

Previsões mais sombrias dizem que as importações chinesas vindas dos EUA poderiam ultrapassar US$ 50 bilhões anuais, se somadas ao valor de 2017, que foi de US$ 22 bilhões.

Acreditamos que as exportações mundiais de soja voltarão ao seu curso normal pré-2017, com os chineses se beneficiando plenamente da alternância das safras americana (EUA) e sul-americana (Brasil e Argentina), que ocorrem em diferentes momentos do ano. Essa complementariedade garante estabilidade de oferta e menor risco para a China.

Ocorre, porém, que, para chegar aos US$ 30 bilhões adicionais, a China teria de oferecer acesso privilegiado aos EUA em outros produtos.

Dois casos com forte impacto sobre o Brasil são o milho e o algodão. O consumo de milho da China é gigante (280 milhões de toneladas), porém as suas importações têm sido muito reduzidas — apenas 3,5 milhões de toneladas em 2018.
Os EUA pressionarão a China a importar muito mais milho, flexibilizando o seu regime restritivo de cotas de importação e facilitando o ingresso de milho transgênico.

Outros produtos americanos que seriam beneficiados pelo acordo são o etanol de milho, o DDG (subproduto da produção de etanol usado em alimentação animal) e as carnes.

No caso do etanol, a importação viria da obrigatoriedade de mistura de 10% de etanol na gasolina da China (E10), que foi mandatada no passado, mas jamais cumprida.

Estimamos que, entre produtos e subprodutos de milho, etanol e algodão, a China poderia ampliar suas importações dos EUA em mais de US$ 10 bilhões adicionais por ano.

Nas carnes, se a China retirar as restrições técnicas e sanitárias que foram impostas aos americanos nos últimos anos, certamente seremos prejudicados em todas as proteínas animais — aves, suínos e bovinos —, com destaque para as perdas de mercado em pés e coxas de frango.
A China certamente tem meios para atender à forte pressão dos EUA, ampliando o acesso de soja e de outros produtos agropecuários.

Resta saber se isso será feito à luz das regras da OMC, se ela vai “forçar a barra” na flexibilização das barreiras técnicas e sanitárias e se usará a sua estrutura estatal (estoques estratégicos e empresas públicas) para operacionalizar o acordo.

Enfim, se esse acordo se concretizar, poderemos estar entrando numa era de “comércio administrado” caso a caso, sob a égide de interesses geopolíticos, que pode reduzir o nosso acesso à China, ao Brics e a outros mercados emergentes. Aí sim estaríamos entregando a nossa alma.

Esta coluna foi escrita em parceria com André Soares, senior fellow do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais). Marcos Sawaya Jank, Especialista em questões globais do agronegócio, trabalha em Singapura. É livre-docente em engenharia agronômica pela USP.
( Folha de São Paulo) (Marcos Sawaya Jank)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 19/08
De Heus apresenta soluções nutricionais sustentáveis no SIAVS (10:24)
Milho: queda externa pressiona cotações nos portos brasileiros (10:23)
Soja: com vendedores retraídos, preços sobem (10:21)
Milho: Semana começa com cotações desvalorizadas em Chicago (09:52)
AVES e ASES se reúnem com presidente do IDAF para tratar de assuntos voltados para os dois setores (08:49)
Milho: olho nas lavouras (08:26)
Soja: pés no chão (08:24)
Grãos e carnes movem avanço da Frísia (08:18)
Soja sobe mais de 16% em reais por saca desde maio no porto de Paranaguá (08:07)
Milho: cotações sobem 3% nesta sexta-feira, mas acumulam queda de mais de 9% na semana (08:04)
China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês (08:01)
Boi: Mercado futuro encerra a sessão nesta 6ª feira sem grandes movimentações na Bolsa Brasileira (07:45)
Sexta-Feira, 16/08
Frango: preço do milho cai e favorece poder de compra do avicultor (16:37)
Soja: a guerra, de novo (07:20)
ICC Brazil participa do SIAVS 2019 (06:58)
Suínos: maior volume estocado pressiona cotação da carne (06:36)
Boi: preço da arroba atravessa a 1ª quinzena praticamente estável (06:35)
Dividendo a minoritários pressiona caixa da Marfrig (06:31)
JBS amplia unidades já autorizadas a vender à China (06:28)
Setor produtivo e governo debatem medidas de prevenção à peste suína e clássica (06:22)
Boi: Mercado sustentado em São Paulo (06:21)
Milho: Após três dias com fortes baixas, Bolsa de Chicago registra leves ganhos nesta quinta (06:20)
Soja: com vendas de mais de 3 mi de t nas últimas duas semanas, preços seguem fortes (06:18)
Com aquisições e IPO nos EUA no radar, ações da JBS disparam (06:16)
Quinta-Feira, 15/08
Parceria entre ABPA e Apex-Brasil viabiliza ação de imagem internacional com jornalistas estrangeiros (12:54)
Sindiavipar comunica redução do investimento para participação do VI Workshop Sindiavipar (12:39)
Parceria Asgav/OVOS RS e Wallmart realizam 2ª etapa da promoção especial na área de comercialização de ovos (10:59)
Receita pode reconhecer integração vertical às cooperativas (10:40)
JBS lucrou R$ 2,2 bi no segundo trimestre (10:21)
Produção agroindustrial volta a perder força (08:16)
PIB do agro cresce em maio e acumula alta no ano, diz Cepea (07:58)
Agronegócio do Brasil soma US$ 9,2 bi em exportações em julho, queda de 3,4% (07:57)
Milho: baixas voltam e cotações de Chicago caem mais de 12% na semana (07:54)
Soja sobe mais de 1% nos portos do BR nesta 4ª feira e dia é de fortes negócios (07:53)
Possível abertura da Indonésia à carne bovina anima frigoríficos (07:48)
Preços do boi gordo subiram em Mato Grosso do Sul (07:47)
Ministra visitará países árabes em setembro (07:46)
Rigor total para manter as doenças longe dos planteis catarinenses (07:45)
Quarta-Feira, 14/08
Abate inspecionado de frangos caiu 1,5% em relação ao TRIM anterior (09:52)
IBGE: cresceu, em comparação ao mesmo trimestre de 2018, o abate de bovinos, suínos e frangos (09:52)
Volume de ovos cresceu 5,8% na comparação anual, aponta IBGE (09:51)
China frustra previsões do governo e de frigoríficos (09:00)
Presidente do Codex Alimentarius garante a segurança dos alimentos produzidos no Brasil (07:34)
Visita ao laboratório de análises de qualidade de ovos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista (07:33)
Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 603,4 bilhões em 2019 (07:32)
Terça-Feira, 13/08
“Ovo” vegano será um dos temas na Conferência da Fi South America 2019 (13:15)
Avicultores conhecem os pontos críticos e fatores de sucesso no processo de medicação (11:30)
IOB conclui participação na Feira da Avicultura do Nordeste (11:18)
SP: preços agrícolas fecham o mês de julho com queda de 0,04% (11:10)
Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja (09:03)
Milho: USDA amplia produtividade dos EUA e cotações despencam em Chicago nesta 2ªfeira (08:16)
Soja: preços no Brasil driblam quedas de Chicago e sobem até 4% no interior nesta 2ª (08:13)
Santa Catarina responde por 58% das exportações brasileiras de carne suína (08:00)
Segunda-feira calma no mercado do boi gordo (07:50)
Senado debate consequências do fracking para extração de minérios (07:34)