Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Exportação

Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia
Genebra, 18 de Março de 2019 - Em meio aos tormentos do Reino Unido sobre como fazer o Brexit, sua saída da União Europeia (UE), uma coisa pelo menos parece certa: o Brasil e outros exportadores agrícolas vão perder fatias de mercado na Europa.

Com o Brexit, o mercado comum passa de 28 para 27 membros e quase 200 concessões individuais serão modificadas e 400 linhas tarifárias estão sujeitas a mudanças, representando a maior alteração nos compromissos de um membro da Organização Mundial do Comércio (OMC).

A UE é o maior importador e exportador agrícola do mundo e essencial no equilíbrio desse mercado. Qualquer mudança nas suas cotas, pelas quais permite a entrada de volume limitado com tarifa menor, terá impacto comercial significativo para os exportadores.

A insatisfação é generalizada entre os exportadores agrícolas sobre o plano de repartição de cotas que a UE definiu, para ser aplicada quando os britânicos deixarem o mercado comum europeu. Uma parte das atuais cotas passaria a ser do Reino Unido. Na prática, traz mais custos logísticos e incertezas aos exportadores.

O Brasil tem várias cotas específicas que vão encolher no mercado comum europeu, nos casos de açúcar, frango e carne bovina.

Pelo que Bruxelas propõe, uma cota destinada especificamente ao açúcar brasileiro, hoje de 388,1 mil toneladas, será reduzida para 348,5 mil toneladas, com o resto devendo ser oferecido em outra cota pelo Reino Unido. Uma cota que o Brasil divide com outros exportadores de açúcar vai passar de 372,9 mil toneladas para 341,5 mil toneladas.

No caso do frango (salgado, processado, congelado etc.), várias cotas específicas somadas para o Brasil declinam de 338,6 mil toneladas para 261,6 mil toneladas - contração de 22,7%. Uma cota para carne bovina sem osso cairá de 10 mil toneladas para 8.951 toneladas. Outra cota para carne de peru congelada recuará de 3.110 toneladas para 2.692 toneladas.

O Brasil e outros exportadores voltaram a cobrar da UE compensações pela redução das cotas. Os exportadores insistem que a UE ofereceu a entrada de parte dos produtos com tarifa menor em razão de concessões que recebeu. Se um país deixa o mercado comum europeu, é problema dos europeus.

De seu lado, a UE resiste e diz que ninguém a convence a alterar sua repartição de cotas. Também recusa a cobrança do Brasil e de outros exportadores para oferecer compensações. Bruxelas tampouco diz se aceitará buscar alguma compensação alternativa, por exemplo, facilitando certas licenças de importação.

Do lado do Reino Unido, na semana passada, o governo de Theresa May revelou um "regime tarifário temporário" para o caso de o país fazer um Brexit brusco. Os parlamentares acabaram recusando a ideia de sair da UE sem um acordo. Mas o plano tarifário do governo alimentou a inquietação de exportadores agrícolas para o que pode vir pela frente.

Pelo plano, 87% das mercadorias importadas pelo Reino Unido seriam livres de alíquotas. Tarifas seriam aplicadas para produtos de especial interesse do Brasil, como carne bovina, frango e açúcar, além de fertilizantes, carros, cerâmica.

Além disso, o governo britânico previu não aplicar tarifa de importação sobre bens atravessando a fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte (a primeira permanece na UE, a segunda sai com o Brexit). Significa que os produtores de carne bovina irlandeses, os principais concorrentes do Brasil na Europa, teriam livre acesso ao mercado britânico. A medida é claramente ilegal, atropelando um dos princípios básicos da OMC, pela qual o que for dado a um país tem que ser oferecido a todos.

Londres previu no seu "regime temporário tarifário", no caso de um dia ser aplicado, cotas autônomas, vistas por certos exportadores como um modo de melhor acomodar produtores europeus, antigos sócios no mercado comum.

Ninguém sabe como terminará o Brexit. O plano original era para o Reino Unido sair da UE no dia 29 deste mês. Agora vai pedir prorrogação do prazo. O que parece provável, do lado dos exportadores, é retaliar a União Europeia em algum momento pela recusa em dar compensação pela perda de mercado que terão.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 19/08
De Heus apresenta soluções nutricionais sustentáveis no SIAVS (10:24)
Milho: queda externa pressiona cotações nos portos brasileiros (10:23)
Soja: com vendedores retraídos, preços sobem (10:21)
Milho: Semana começa com cotações desvalorizadas em Chicago (09:52)
AVES e ASES se reúnem com presidente do IDAF para tratar de assuntos voltados para os dois setores (08:49)
Milho: olho nas lavouras (08:26)
Soja: pés no chão (08:24)
Grãos e carnes movem avanço da Frísia (08:18)
Soja sobe mais de 16% em reais por saca desde maio no porto de Paranaguá (08:07)
Milho: cotações sobem 3% nesta sexta-feira, mas acumulam queda de mais de 9% na semana (08:04)
China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês (08:01)
Boi: Mercado futuro encerra a sessão nesta 6ª feira sem grandes movimentações na Bolsa Brasileira (07:45)
Sexta-Feira, 16/08
Frango: preço do milho cai e favorece poder de compra do avicultor (16:37)
Soja: a guerra, de novo (07:20)
ICC Brazil participa do SIAVS 2019 (06:58)
Suínos: maior volume estocado pressiona cotação da carne (06:36)
Boi: preço da arroba atravessa a 1ª quinzena praticamente estável (06:35)
Dividendo a minoritários pressiona caixa da Marfrig (06:31)
JBS amplia unidades já autorizadas a vender à China (06:28)
Setor produtivo e governo debatem medidas de prevenção à peste suína e clássica (06:22)
Boi: Mercado sustentado em São Paulo (06:21)
Milho: Após três dias com fortes baixas, Bolsa de Chicago registra leves ganhos nesta quinta (06:20)
Soja: com vendas de mais de 3 mi de t nas últimas duas semanas, preços seguem fortes (06:18)
Com aquisições e IPO nos EUA no radar, ações da JBS disparam (06:16)
Quinta-Feira, 15/08
Parceria entre ABPA e Apex-Brasil viabiliza ação de imagem internacional com jornalistas estrangeiros (12:54)
Sindiavipar comunica redução do investimento para participação do VI Workshop Sindiavipar (12:39)
Parceria Asgav/OVOS RS e Wallmart realizam 2ª etapa da promoção especial na área de comercialização de ovos (10:59)
Receita pode reconhecer integração vertical às cooperativas (10:40)
JBS lucrou R$ 2,2 bi no segundo trimestre (10:21)
Produção agroindustrial volta a perder força (08:16)
PIB do agro cresce em maio e acumula alta no ano, diz Cepea (07:58)
Agronegócio do Brasil soma US$ 9,2 bi em exportações em julho, queda de 3,4% (07:57)
Milho: baixas voltam e cotações de Chicago caem mais de 12% na semana (07:54)
Soja sobe mais de 1% nos portos do BR nesta 4ª feira e dia é de fortes negócios (07:53)
Possível abertura da Indonésia à carne bovina anima frigoríficos (07:48)
Preços do boi gordo subiram em Mato Grosso do Sul (07:47)
Ministra visitará países árabes em setembro (07:46)
Rigor total para manter as doenças longe dos planteis catarinenses (07:45)
Quarta-Feira, 14/08
Abate inspecionado de frangos caiu 1,5% em relação ao TRIM anterior (09:52)
IBGE: cresceu, em comparação ao mesmo trimestre de 2018, o abate de bovinos, suínos e frangos (09:52)
Volume de ovos cresceu 5,8% na comparação anual, aponta IBGE (09:51)
China frustra previsões do governo e de frigoríficos (09:00)
Presidente do Codex Alimentarius garante a segurança dos alimentos produzidos no Brasil (07:34)
Visita ao laboratório de análises de qualidade de ovos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista (07:33)
Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 603,4 bilhões em 2019 (07:32)
Terça-Feira, 13/08
“Ovo” vegano será um dos temas na Conferência da Fi South America 2019 (13:15)
Avicultores conhecem os pontos críticos e fatores de sucesso no processo de medicação (11:30)
IOB conclui participação na Feira da Avicultura do Nordeste (11:18)
SP: preços agrícolas fecham o mês de julho com queda de 0,04% (11:10)
Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja (09:03)
Milho: USDA amplia produtividade dos EUA e cotações despencam em Chicago nesta 2ªfeira (08:16)
Soja: preços no Brasil driblam quedas de Chicago e sobem até 4% no interior nesta 2ª (08:13)
Santa Catarina responde por 58% das exportações brasileiras de carne suína (08:00)
Segunda-feira calma no mercado do boi gordo (07:50)
Senado debate consequências do fracking para extração de minérios (07:34)