Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Exportação

Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais
Genebra, 20 de Março de 2019 -

O Brasil vai ganhar bem mais do que perder trocando Tratamento Especial e Diferenciado (TED) em futuros acordos comerciais pelo apoio americano para entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). No mínimo, o governo vai ter de acelerar reformas para se enquadrar nas regras da OCDE.

O que pode causar desconforto em certos setores é a rapidez com que o governo brasileiro aceitou as exigências americanas, nos termos impostos por Washington.

Os países ricos passaram anos pedindo para o Brasil aderir à OCDE e enquadrar a economia brasileira nas normas que eles negociaram entre si. O governo Trump freou essa dinâmica. Mas uma adesão do Brasil na entidade vai ter impacto positivo também para os parceiros.

De toda forma, é muito improvável que os EUA façam concessões importantes para os emergentes nas próximas negociações na Organização Mundial do Comércio. O Brasil está portanto abrindo mão de um "Tratamento Especial e Diferenciado" que não existiria de toda forma.

Na teoria, o Brasil tem algumas vantagens nos acordos em vigor, mas o país praticamente não utiliza isso. No setor agrícola, países em desenvolvimento podem conceder subsídios equivalentes a até 10% do valor da produção, enquanto os desenvolvidos só podem dar o equivalente a 5%. Ocorre que o Brasil, grande potência agrícola, dá subvenções bem abaixo desses percentuais.

Como país em desenvolvimento, o Brasil tem flexibilidade para barrar importações no caso de crise de balanço de pagamentos. Com o atual nível de reservas internacionais do Brasil, isso não faz diferença.

"TED não é um problema para o setor industrial", diz o gerente-executivo de Assuntos Internacionais da Confederação Nacional da Industria (CNI), Diego Bonomo. Ele conta que não há demanda no setor privado para ter esse tipo de mecanismo nas negociações comerciais. A CNI dá um exemplo na outra direção: queria que o Brasil tivesse assumido compromissos mais ambiciosos no Acordo de Facilitação de Comércio na OMC, mas o governo obteve mais prazo para reforma da aduana.

Já a entrada na OCDE, que ainda vai demorar um bom tempo, deve impor uma convergência acelerada do Brasil aos padrões de melhores práticas globais, melhoria do ambiente regulatório, modernização institucional, aprimoramento da governança. Para aderir, o país terá que reformar políticas públicas. Ou seja, a adesão ajudará as reformas.

O Brasil terá que aderir ao código de liberalização de capitais. Isso levará o Banco Central a modernizar os marcos regulatórios no setor bancário. A etapa que determina que a entrada de banco estrangeiro depende de autorização do presidente da República terá de ser eliminada. Haverá mudanças relacionadas a preços de transferência, dupla tributação. O Brasil pode ser pressionado a acabar com certas exigências de conteúdo local que persistem.

O ingresso na OCDE é visto como irmão gêmeo do grau de investimento dado por agências de classificação de risco. Para o setor privado, ao se enquadrar nas regras da entidade, o país receberá informalmente um selo de qualidade que vai se refletir na queda de risco-país.

Uma vez na OCDE, o Brasil vai ter voz na negociação de novas regras e, portanto, papel na determinação de uma agenda que influencie outras negociações internacionais. Assim, o Brasil troca algo que não utiliza por um caminho que pode levá-lo a melhorar práticas do setor público.

A proposta colocada na OMC por Washington estabelece que, para facilitar a implementação de "acordos futuros"' na OMC, um país não poderá ter TED se for enquadrado em um desses critérios: ser membro da OCDE; ser membro do G-20; fazer mais de 0,5% do comércio mundial; e ter alta renda pela conceito do Banco Mundial.

O problema dos Estados Unidos é o tratamento obtido pela China nos acordos da OMC, e só subsidiariamente afetam o Brasil e Índia. Por isso, a expectativa na cena comercial era de que novas condições do TED, uma busca de meio-termo, seriam negociadas entre países ricos e emergentes.

O governo brasileiro recentemente chegou a sinalizar com uma via entre dois polos distintos, dos EUA e da China, defendendo manutenção do TED nos acordos existentes e uma revisão nos futuros acordos argumentando que o mecanismo ajuda a acomodar interesses de países desenvolvidos também. Eles recebem tratamento especial com outro nome, o de "flexibilidade". Um corte menor de tarifas para produtos agrícolas sensíveis de países ricos é uma espécie de TED para desenvolvidos. Em Washington, porém, Bolsonaro adotou uma posição solitária do Brasil na OMC, que terá ganhos a longo prazo, mesmo com o risco de perder aliados nas negociações globais.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 19/08
De Heus apresenta soluções nutricionais sustentáveis no SIAVS (10:24)
Milho: queda externa pressiona cotações nos portos brasileiros (10:23)
Soja: com vendedores retraídos, preços sobem (10:21)
Milho: Semana começa com cotações desvalorizadas em Chicago (09:52)
AVES e ASES se reúnem com presidente do IDAF para tratar de assuntos voltados para os dois setores (08:49)
Milho: olho nas lavouras (08:26)
Soja: pés no chão (08:24)
Grãos e carnes movem avanço da Frísia (08:18)
Soja sobe mais de 16% em reais por saca desde maio no porto de Paranaguá (08:07)
Milho: cotações sobem 3% nesta sexta-feira, mas acumulam queda de mais de 9% na semana (08:04)
China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês (08:01)
Boi: Mercado futuro encerra a sessão nesta 6ª feira sem grandes movimentações na Bolsa Brasileira (07:45)
Sexta-Feira, 16/08
Frango: preço do milho cai e favorece poder de compra do avicultor (16:37)
Soja: a guerra, de novo (07:20)
ICC Brazil participa do SIAVS 2019 (06:58)
Suínos: maior volume estocado pressiona cotação da carne (06:36)
Boi: preço da arroba atravessa a 1ª quinzena praticamente estável (06:35)
Dividendo a minoritários pressiona caixa da Marfrig (06:31)
JBS amplia unidades já autorizadas a vender à China (06:28)
Setor produtivo e governo debatem medidas de prevenção à peste suína e clássica (06:22)
Boi: Mercado sustentado em São Paulo (06:21)
Milho: Após três dias com fortes baixas, Bolsa de Chicago registra leves ganhos nesta quinta (06:20)
Soja: com vendas de mais de 3 mi de t nas últimas duas semanas, preços seguem fortes (06:18)
Com aquisições e IPO nos EUA no radar, ações da JBS disparam (06:16)
Quinta-Feira, 15/08
Parceria entre ABPA e Apex-Brasil viabiliza ação de imagem internacional com jornalistas estrangeiros (12:54)
Sindiavipar comunica redução do investimento para participação do VI Workshop Sindiavipar (12:39)
Parceria Asgav/OVOS RS e Wallmart realizam 2ª etapa da promoção especial na área de comercialização de ovos (10:59)
Receita pode reconhecer integração vertical às cooperativas (10:40)
JBS lucrou R$ 2,2 bi no segundo trimestre (10:21)
Produção agroindustrial volta a perder força (08:16)
PIB do agro cresce em maio e acumula alta no ano, diz Cepea (07:58)
Agronegócio do Brasil soma US$ 9,2 bi em exportações em julho, queda de 3,4% (07:57)
Milho: baixas voltam e cotações de Chicago caem mais de 12% na semana (07:54)
Soja sobe mais de 1% nos portos do BR nesta 4ª feira e dia é de fortes negócios (07:53)
Possível abertura da Indonésia à carne bovina anima frigoríficos (07:48)
Preços do boi gordo subiram em Mato Grosso do Sul (07:47)
Ministra visitará países árabes em setembro (07:46)
Rigor total para manter as doenças longe dos planteis catarinenses (07:45)
Quarta-Feira, 14/08
Abate inspecionado de frangos caiu 1,5% em relação ao TRIM anterior (09:52)
IBGE: cresceu, em comparação ao mesmo trimestre de 2018, o abate de bovinos, suínos e frangos (09:52)
Volume de ovos cresceu 5,8% na comparação anual, aponta IBGE (09:51)
China frustra previsões do governo e de frigoríficos (09:00)
Presidente do Codex Alimentarius garante a segurança dos alimentos produzidos no Brasil (07:34)
Visita ao laboratório de análises de qualidade de ovos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista (07:33)
Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 603,4 bilhões em 2019 (07:32)
Terça-Feira, 13/08
“Ovo” vegano será um dos temas na Conferência da Fi South America 2019 (13:15)
Avicultores conhecem os pontos críticos e fatores de sucesso no processo de medicação (11:30)
IOB conclui participação na Feira da Avicultura do Nordeste (11:18)
SP: preços agrícolas fecham o mês de julho com queda de 0,04% (11:10)
Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja (09:03)
Milho: USDA amplia produtividade dos EUA e cotações despencam em Chicago nesta 2ªfeira (08:16)
Soja: preços no Brasil driblam quedas de Chicago e sobem até 4% no interior nesta 2ª (08:13)
Santa Catarina responde por 58% das exportações brasileiras de carne suína (08:00)
Segunda-feira calma no mercado do boi gordo (07:50)
Senado debate consequências do fracking para extração de minérios (07:34)