Sábado, 15 de Junho de 2019
Matérias-Primas

Paraná torce por uma safrinha robusta
Londrina, PR, 12 de Abril de 2019 - Há pelo menos dez anos os agricultores do Paraná não fazem tanto esforço para acreditar no que leem nos boletins sobre milho. Depois da forte quebra da safrinha observada no ciclo passado (2017/18), neste ano, aparentemente, vai tudo bem. As estimativas asseguram que a recuperação será expressiva e que haverá oferta suficiente para os mercados doméstico e externo. No campo, porém, o que veem são sinais preocupantes, sobretudo em polos no norte e no noroeste do Estado. As chuvas estão irregulares num momento em que não deveriam estar. E, depois dos problemas com o cereal no ano passado e com a soja já nesta temporada 2018/19, é desnecessário dizer que uma nova frustração vai colocar muita gente nas cordas.

"Em algumas regiões do Estado, será a pior sequência [safrinha de milho-safra de soja-safrinha de milho] em pelo menos dez anos", diz Rita Regina Rocha, diretora da Sociedade Rural do Paraná (SRP). Pecuarista e produtora de grãos em Umuarama, no noroeste paranaense, ela resume um sentimento comum, ilustrado por números.

Nos cálculos do Ministério da Agricultura, o valor bruto da produção ("da porteira para dentro") de soja deverá cair 21,4% em 2019 em relação ao ano passado, para R$ 19,1 bilhões. O do milho poderá subir 31,7%, para R$ 7,9 bilhões. Mas são os mesmos produtores que investem nas duas culturas, e a soma dos VBPs aponta para uma queda de quase 11%, para R$ 27 bilhões. Mais de R$ 3 bilhões a menos de receita total conjunta, e isso se a safrinha de milho for de fato robusta. Em tempos de comércio fechando as portas em polos como Londrina, é uma má notícia.

O Paraná é o segundo maior Estado produtor de grãos do país, atrás apenas de Mato Grosso. Por causa da falta de chuvas e do calor escaldante no verão, especialmente no noroeste, no oeste e no norte, perdeu nesta safra o segundo posto na soja para o Rio Grande do Sul, o que não acontecia desde meados dos anos 1990. "O oeste levou fumo no verão, mas deve ter uma boa safrinha. Mas no norte e no noroeste a situação é preocupante", diz o produtor Ricardo Gomes de Araújo, que planta soja e milho no verão e milho e trigo no inverno em Bela Vista do Paraíso, município vizinho a Londrina, um dos principais polos do norte paranaense.

Até agora, o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Paraná estima que a produção estadual de soja registrará queda de 16% em 2018/19, para 16,1 milhões de toneladas, e que a safrinha de milho crescerá 42%, para 13 milhões. Marco Antonio de Paula, gerente de negócios da Cocamar, cooperativa com sede em Maringá e atuação no norte e no noroeste do Paraná, além de São Paulo e Mato Grosso do Sul, torce para que essa recuperação se confirme, pelo bem dos 13 mil associados do grupo. "Já vimos a inadimplência de alguns cooperados crescer depois das quebras da safrinha passada e da soja agora", afirma.

Na safrinha de milho do ciclo 2017/18, observa o agropecuarista Hugo Virmondes Borges, o custo de produção subiu para R$ 55 por saca de 60 quilos colhida por causa da quebra da produção - seria bem menos em caso de colheita cheia -, e hoje, no mercado, a venda sai por cerca de R$ 32. Sem uma estrutura sólida de seguro rural, que é um dos focos de Tereza Cristina à frente do Ministério da Agricultura, trata-se de um rombo difícil de ser tapado.

Carla Sanches Rossato, que produz grãos nos municípios de Sertaneja e Santa Mariana, no extremo norte paranaense, é um termômetro de como o clima tem sido irregular mesmo em uma mesma região do Estado - o que muitas vezes, diante dos grandes volumes produzidos, mascara problemas localizados. "Em lavouras distantes 7 quilômetros uma da outra, a diferença de produtividade da soja chegou a 30% nesta safra", disse.

Antônio de Oliveira Sampaio, presidente da SRP, usa esses exemplos para chamar a atenção para a necessidade não só de gestões de propriedades eficientes, mas também de uma política agrícola oficial sólida e ágil, com seguro e crédito disponíveis e capazes de oferecer alguma proteção às margens dos produtores. "E o risco agronômico hoje cresceu", completa Luiz Meneguel Vilela, sócio da holding SL. "Antes a soja era estável e o milho oferecia risco. Agora, com as sementes precoces e superprecoces, plantar soja também é arriscado".

(Valor) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 15/06
2ª Conbrasul Ovos começa neste domingo com participantes de vários países da avicultura de postura mundial (18:19)
Sexta-Feira, 14/06
Redução do uso de Antibióticos é tema de palestra promovida pela Vetanco (12:53)
Prevenção contra a PSA (11:11)
É hora de reorganizar os negócios, diz CEO da BRF (06:35)
Frigoríficos já podem retomar exportação de carne bovina à China (06:33)
Consumo de carne suína em baixa na China (06:31)
Mercado do boi 'acordou' mais tarde, reagiu e já mostrou negócios pré crise da vaca louca (06:27)
Mercado do boi gordo está ganhando firmeza (06:25)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (06:21)
Governo gaúcho reativa Câmaras Setoriais e Temáticas (06:18)
Conselho do Agro debate reforma tributária (06:17)
Abatedouro de aves é inaugurado no Parque Agroindustrial de Gurupi (GO) (06:15)
Justiça alemã valida morte de milhões de pintos machos na indústria (06:14)
Autoridades brasileiras e argentinas pedem corredor do milho e internacionalização de aeroporto (06:13)
Consumir carne de frango ao invés da bovina já diminui impactos ambientais (06:12)
Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal (06:09)
Saldo da balança do agronegócio foi de US$ 8,6 bilhões em maio (06:07)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (06:06)
Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos (06:03)
Quinta-Feira, 13/06
SP: Preços Agropecuários recuam 1,76% no fechamento do mês de maio (15:05)
Suínos: liquidez aquecida nos mercados interno e externo eleva preços (14:41)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (12:11)
Setor de equipamentos participa em peso do SIAVS 2019 (12:09)
IBGE: abate de frangos, no 1º trimestre, recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 (11:27)
Ovos de galinha: produção cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997, diz IBGE (11:26)
Korin investe em fábrica para ração de frangos (08:23)
Subprodutos fazem milho dos EUA mais competitivo (08:21)
Cooperativas de crédito ganham força (08:19)
Marfrig descarta ter que comprar ações da National Beef (08:15)
Mercado do boi ganha firmeza (08:10)
Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago (08:05)
Soja sobe quase 20 pts em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 12/06
Aves Hendrix são as campeãs do Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba (15:51)
XIV Simpósio Goiano de Avicultura recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (15:48)
Material de proteção gera crédito de Cofins (09:29)
Nova Gerente Técnica de Vendas da BV Science (09:08)
Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2019/2020 (08:59)
Produção de grãos no Brasil deve ser de 238,9 milhões de toneladas (08:58)
Demanda japonesa por carne continua superando a oferta doméstica (08:56)
Forte quebra nos EUA beneficia exportação brasileira de milho (08:46)
Uma fusão das mais complexas (08:45)
Índice da FGV de produção de agroindústrias caiu em abril (08:42)
Terça-Feira, 11/06
Universidade Estadual de Maringá tem 16 cartas-patentes concedidas pelo INPI (08:16)
“China sustenta a agricultura do Brasil", diz Charles Tang (08:08)
Falta de crédito rural com taxas controladas motiva busca por opções (08:06)
Plano de fusão com a Marfrig divide os conselheiros da BRF (08:03)
Boi Gordo: frigoríficos seguem 'tateando' o mercado (07:56)
MT registra vendas de milho "a todo vapor", com negócios para safras atual e futura (07:51)
Milho fecha 2ª feira com cotações misturadas em Chicago (07:50)
Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª feira (07:43)
Santa Catarina é o maior exportador de carne de frango do Brasil (07:28)