Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Matérias-Primas

Paraná torce por uma safrinha robusta
Londrina, PR, 12 de Abril de 2019 - Há pelo menos dez anos os agricultores do Paraná não fazem tanto esforço para acreditar no que leem nos boletins sobre milho. Depois da forte quebra da safrinha observada no ciclo passado (2017/18), neste ano, aparentemente, vai tudo bem. As estimativas asseguram que a recuperação será expressiva e que haverá oferta suficiente para os mercados doméstico e externo. No campo, porém, o que veem são sinais preocupantes, sobretudo em polos no norte e no noroeste do Estado. As chuvas estão irregulares num momento em que não deveriam estar. E, depois dos problemas com o cereal no ano passado e com a soja já nesta temporada 2018/19, é desnecessário dizer que uma nova frustração vai colocar muita gente nas cordas.

"Em algumas regiões do Estado, será a pior sequência [safrinha de milho-safra de soja-safrinha de milho] em pelo menos dez anos", diz Rita Regina Rocha, diretora da Sociedade Rural do Paraná (SRP). Pecuarista e produtora de grãos em Umuarama, no noroeste paranaense, ela resume um sentimento comum, ilustrado por números.

Nos cálculos do Ministério da Agricultura, o valor bruto da produção ("da porteira para dentro") de soja deverá cair 21,4% em 2019 em relação ao ano passado, para R$ 19,1 bilhões. O do milho poderá subir 31,7%, para R$ 7,9 bilhões. Mas são os mesmos produtores que investem nas duas culturas, e a soma dos VBPs aponta para uma queda de quase 11%, para R$ 27 bilhões. Mais de R$ 3 bilhões a menos de receita total conjunta, e isso se a safrinha de milho for de fato robusta. Em tempos de comércio fechando as portas em polos como Londrina, é uma má notícia.

O Paraná é o segundo maior Estado produtor de grãos do país, atrás apenas de Mato Grosso. Por causa da falta de chuvas e do calor escaldante no verão, especialmente no noroeste, no oeste e no norte, perdeu nesta safra o segundo posto na soja para o Rio Grande do Sul, o que não acontecia desde meados dos anos 1990. "O oeste levou fumo no verão, mas deve ter uma boa safrinha. Mas no norte e no noroeste a situação é preocupante", diz o produtor Ricardo Gomes de Araújo, que planta soja e milho no verão e milho e trigo no inverno em Bela Vista do Paraíso, município vizinho a Londrina, um dos principais polos do norte paranaense.

Até agora, o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Paraná estima que a produção estadual de soja registrará queda de 16% em 2018/19, para 16,1 milhões de toneladas, e que a safrinha de milho crescerá 42%, para 13 milhões. Marco Antonio de Paula, gerente de negócios da Cocamar, cooperativa com sede em Maringá e atuação no norte e no noroeste do Paraná, além de São Paulo e Mato Grosso do Sul, torce para que essa recuperação se confirme, pelo bem dos 13 mil associados do grupo. "Já vimos a inadimplência de alguns cooperados crescer depois das quebras da safrinha passada e da soja agora", afirma.

Na safrinha de milho do ciclo 2017/18, observa o agropecuarista Hugo Virmondes Borges, o custo de produção subiu para R$ 55 por saca de 60 quilos colhida por causa da quebra da produção - seria bem menos em caso de colheita cheia -, e hoje, no mercado, a venda sai por cerca de R$ 32. Sem uma estrutura sólida de seguro rural, que é um dos focos de Tereza Cristina à frente do Ministério da Agricultura, trata-se de um rombo difícil de ser tapado.

Carla Sanches Rossato, que produz grãos nos municípios de Sertaneja e Santa Mariana, no extremo norte paranaense, é um termômetro de como o clima tem sido irregular mesmo em uma mesma região do Estado - o que muitas vezes, diante dos grandes volumes produzidos, mascara problemas localizados. "Em lavouras distantes 7 quilômetros uma da outra, a diferença de produtividade da soja chegou a 30% nesta safra", disse.

Antônio de Oliveira Sampaio, presidente da SRP, usa esses exemplos para chamar a atenção para a necessidade não só de gestões de propriedades eficientes, mas também de uma política agrícola oficial sólida e ágil, com seguro e crédito disponíveis e capazes de oferecer alguma proteção às margens dos produtores. "E o risco agronômico hoje cresceu", completa Luiz Meneguel Vilela, sócio da holding SL. "Antes a soja era estável e o milho oferecia risco. Agora, com as sementes precoces e superprecoces, plantar soja também é arriscado".

(Valor) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 19/08
De Heus apresenta soluções nutricionais sustentáveis no SIAVS (10:24)
Milho: queda externa pressiona cotações nos portos brasileiros (10:23)
Soja: com vendedores retraídos, preços sobem (10:21)
Milho: Semana começa com cotações desvalorizadas em Chicago (09:52)
AVES e ASES se reúnem com presidente do IDAF para tratar de assuntos voltados para os dois setores (08:49)
Milho: olho nas lavouras (08:26)
Soja: pés no chão (08:24)
Grãos e carnes movem avanço da Frísia (08:18)
Soja sobe mais de 16% em reais por saca desde maio no porto de Paranaguá (08:07)
Milho: cotações sobem 3% nesta sexta-feira, mas acumulam queda de mais de 9% na semana (08:04)
China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês (08:01)
Boi: Mercado futuro encerra a sessão nesta 6ª feira sem grandes movimentações na Bolsa Brasileira (07:45)
Sexta-Feira, 16/08
Frango: preço do milho cai e favorece poder de compra do avicultor (16:37)
Soja: a guerra, de novo (07:20)
ICC Brazil participa do SIAVS 2019 (06:58)
Suínos: maior volume estocado pressiona cotação da carne (06:36)
Boi: preço da arroba atravessa a 1ª quinzena praticamente estável (06:35)
Dividendo a minoritários pressiona caixa da Marfrig (06:31)
JBS amplia unidades já autorizadas a vender à China (06:28)
Setor produtivo e governo debatem medidas de prevenção à peste suína e clássica (06:22)
Boi: Mercado sustentado em São Paulo (06:21)
Milho: Após três dias com fortes baixas, Bolsa de Chicago registra leves ganhos nesta quinta (06:20)
Soja: com vendas de mais de 3 mi de t nas últimas duas semanas, preços seguem fortes (06:18)
Com aquisições e IPO nos EUA no radar, ações da JBS disparam (06:16)
Quinta-Feira, 15/08
Parceria entre ABPA e Apex-Brasil viabiliza ação de imagem internacional com jornalistas estrangeiros (12:54)
Sindiavipar comunica redução do investimento para participação do VI Workshop Sindiavipar (12:39)
Parceria Asgav/OVOS RS e Wallmart realizam 2ª etapa da promoção especial na área de comercialização de ovos (10:59)
Receita pode reconhecer integração vertical às cooperativas (10:40)
JBS lucrou R$ 2,2 bi no segundo trimestre (10:21)
Produção agroindustrial volta a perder força (08:16)
PIB do agro cresce em maio e acumula alta no ano, diz Cepea (07:58)
Agronegócio do Brasil soma US$ 9,2 bi em exportações em julho, queda de 3,4% (07:57)
Milho: baixas voltam e cotações de Chicago caem mais de 12% na semana (07:54)
Soja sobe mais de 1% nos portos do BR nesta 4ª feira e dia é de fortes negócios (07:53)
Possível abertura da Indonésia à carne bovina anima frigoríficos (07:48)
Preços do boi gordo subiram em Mato Grosso do Sul (07:47)
Ministra visitará países árabes em setembro (07:46)
Rigor total para manter as doenças longe dos planteis catarinenses (07:45)
Quarta-Feira, 14/08
Abate inspecionado de frangos caiu 1,5% em relação ao TRIM anterior (09:52)
IBGE: cresceu, em comparação ao mesmo trimestre de 2018, o abate de bovinos, suínos e frangos (09:52)
Volume de ovos cresceu 5,8% na comparação anual, aponta IBGE (09:51)
China frustra previsões do governo e de frigoríficos (09:00)
Presidente do Codex Alimentarius garante a segurança dos alimentos produzidos no Brasil (07:34)
Visita ao laboratório de análises de qualidade de ovos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista (07:33)
Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 603,4 bilhões em 2019 (07:32)
Terça-Feira, 13/08
“Ovo” vegano será um dos temas na Conferência da Fi South America 2019 (13:15)
Avicultores conhecem os pontos críticos e fatores de sucesso no processo de medicação (11:30)
IOB conclui participação na Feira da Avicultura do Nordeste (11:18)
SP: preços agrícolas fecham o mês de julho com queda de 0,04% (11:10)
Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja (09:03)
Milho: USDA amplia produtividade dos EUA e cotações despencam em Chicago nesta 2ªfeira (08:16)
Soja: preços no Brasil driblam quedas de Chicago e sobem até 4% no interior nesta 2ª (08:13)
Santa Catarina responde por 58% das exportações brasileiras de carne suína (08:00)
Segunda-feira calma no mercado do boi gordo (07:50)
Senado debate consequências do fracking para extração de minérios (07:34)