Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Matérias-Primas

Soja fecha com mais de 10 pts de baixa em Chicago
Campinas, SP, 17 de Abril de 2019 - Nesta terça-feira (16), os preços da soja voltaram a recuar na Bolsa de Chicago e fecharam o dia perdendo pouco mais de 10 pontos nos principais contratos. E assim, o maio fechou o dia com US$ 8,88 e o agosto, US$ 9,07 por bushel.

Como explicou o analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities, o dia foi negativo para todos os produtos negociados na CBOT - com o trigo recuando mais de 3% somente nesta terça - e os traders observando um aumento da oferta neste momento.

De acordo com analistas internacionais, o recuo intenso do grão se dá pela informação do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) de que há 60% das lavouras norte-americanas em boas ou excelentes condições. No ano passado, nessa época, o índice era de 31% e o trigo ainda conta com elevados estoques globais pressionando suas cotações.

Além disso, ainda segundo Vanin, com algum foco sobre a questão climática do EUA, o mercado observou ainda uma pequena janela de condições melhores para o desenvolvimento dos trabalhos de campo nos próximos dias, porém, sem muita nudança no quadro atual.

Outro fator de pressão continua sendo também a atuação dos fundos. Também como explicou o analista da Agrinvest, eles continuam aumentando sua posição vendida e, com esse movimento, ajudaram a alimentar ainda mais as baixas em Chicago.

E parte deste movimento se deve à questão da guerra comercial entre China e Estados Unidos.
A falta de informações sobre as relações comerciais entre China e Estados Unidos segue pesando sobre o andamento dos negócios e dos preços, o que ainda limita as especulações sobre as adversidades climáticas no Meio-Oeste americano.

Enquanto as declarações continuam sendo de que as negociações entre os dois países caminham bem, um acordo não é efetivado e há sinais de que a China estaria voltando a se endurecer frente a algumas questões importantes para um consenso.

A demanda da China, não só pela soja dos EUA, mas de uma forma geral, é mais fraca este ano e ao lado do conflito comercial, mantém o mercado pressionado. Até que uma novidade efetiva que mude ao menos a realidade dos altos estoques dos EUA, a pressão permanece e a incerteza também, atuando bem ao lado da cautela dos traders.

Preços no Brasil

No Brasil, os negócios novos são praticamente inexistentes neste momento. Quem comercializa são somente aqueles produtores que precisam de caixa para sanar algumas dívidas. Do contrário, a maior parte segura o que ainda não tem vendido para esperar por preços melhores nos próximos meses.

O que se espera, portanto, é uma escassez de oferta no mercado brasileiro depois do primeiro semestre. Segundo Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting, as exportações deverão puxar altos volumes ainda da oferta brasileira, deixando o mercado interno mais enxuto e, consequentemente, mais disputado.

"Isso vai obrigar as indústrias a correr atrás do grão. Estamos em um ano em que deveremos ter também um crescimento da demanda também por farelo e óleo internamente, então não temos condições de continuar exportando nesse ritmo porque vai faltar soja", diz o especialista.

A pressão de Chicago, nesta terça, chegou aos preços no mercado brasileiro e nem mesmo a alta do dólar - que fechou acima dos R$ 3,90 novamente - ajudou e os indicativos nos portos perderam força também.

No spot, baixa de R$ 0,65% em Paranaguá, para R$ 76,50 por saca, e de 0,79% em Rio Grande, para R$ 75,40. Para maio, queda de 0,65% nos dois terminais, com os últimos preços em R$ 77,00 e R$ 76,00 por saca.

No interior, as baixas chegaram a até 2,44%, como foi o caso de Sorriso, em Mato Grosso, porém, não foram generalizadas. A maior parte das praças de comercialização permaneceram com preços estáveis, sem mudanças.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 21/05
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)
Segunda-Feira, 20/05
'Frango 4.0’: 7 milhões de frangos por ano (09:02)
Mercado do Boi: cotações podem retomar fôlego (08:06)
Soja: semana de bons negócios no Brasil (08:00)
Retaliação da China cria pânico na suinocultura dos EUA e abre brecha para o Brasil (07:53)
SC quer estimular a produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:51)
SC busca solução para o recolhimento de animais mortos (07:50)
Ovos no Amazonas: produção chegou a 520 milhões de unidades em 2018 (07:48)
Aves contrabandeadas são sacrificadas por falta de documentação sanitária (07:47)
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)
Quinta-Feira, 16/05
Boi Gordo: preço do bezerro sobe, mas arroba permanece estável e poder de compra cai (11:00)
Demanda externa provoca reabertura de frigoríficos (10:55)
Ceva promove eventos sobre laringotraqueite infecciosa pelo país (10:44)
Confira a programação completa da 5ª Favesu (09:37)
Limpadora de ovos fica sem receber adicional de insalubridade de granja (09:09)
Governo costura nova medida para elevar disputa no crédito (08:16)
Mercado do Boi Gordo interrompe a queda por um dia para depois retomar rumo de baixa (08:10)
Cotações perdem força, mas milho encerra a quarta-feira ainda em alta na Bolsa de Chicago (08:08)
Preços da soja sobem forte no Brasil nesta 4ª feira (08:05)
Ministério muda regras para ingresso de produtos de origem animal no país (08:03)
Exportações do agro somam US$ 30,42 bi no quadrimestre (07:58)
Consultoria jurídica da CNA beneficia produtores integrados de aves e suínos (07:36)
Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp (07:34)
Criada há três anos, Lei da Integração trouxe equilíbrio entre produtores e agroindústria (07:32)
Quarta-Feira, 15/05
Ceva apresentará no Simpósio Goiano de Avicultura dados da vacina Cevac IBras (11:22)
Cobb-Vantress realiza Escola Técnica Cobb+Aurora e homenageia a empresa pelos 50 anos de história (11:18)
Veja os convidados confirmados do AveLive (09:40)
Conferência FACTA WPSA-Brasil: como a avicultura deve se preparar frente nova demanda? (09:18)
Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda (08:23)
Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto (08:05)
Oferta de boiadas melhora e pressão de baixa ganha força (08:01)
Cotações do milho disparam em Chicago nesta terça-feira (07:59)
Brasil negocia cerca de 2 mi de t de soja nesta 3ª feira com disparada dos preços em Chicago (07:57)
União Europeia volta a ser o principal destino das vendas externas paulistas (07:55)
Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos (07:10)