Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Mercado Externo

Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos
São Paulo, 15 de Maio de 2019 - Um mês de jejum durante o dia. E de encontros e refeições partilhadas após o pôr do sol. Para os muçulmanos, o calendário da religião aponta o ano de 1440 e a época é de Ramadã, mês que impacta também o calendário comercial dos países árabes. Neste período, as refeições noturnas começam com a quebra do jejum (Iftar). É costume iniciar a alimentação com tâmara e seguir com banquetes para reunir parentes e amigos.

São essas reuniões e a tradição de doar alimentos aos pobres que influenciam no comércio e importação de alimentos. “Logicamente, nos meses que antecedem o Ramadã as movimentações e compras aumentam. Há consumo maior na região e o estoque também cresce. As pessoas acabam estocando mais para atender a demanda, porque esses países recebem muitos turistas, além de pessoas de fora que retornam aos seus países de origem em função da celebração”, afirmou Mohamed Hussein El Zoghbi, presidente da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras), em entrevista à ANBA.
E quais os impactos no setor de alimentos do Brasil em decorrência do Ramadã? “Os contratos [com países árabes] são fechados com antecedência de pelo menos três meses, porque além da produção, há o embarque e a estocagem. E tudo que você compra leva um tempo para chegar ao seu destino. As compras começam a se normalizar no mês do Ramadã. As exportações, você vai ver [subirem] nos meses que antecedem, com certeza”, declarou Zoghbi.

Além do consumo noturno, o estoque se dá em decorrência da redução das atividades comerciais, feitas habitualmente durante o dia e que diminuem no Ramadã. Entre os produtos que têm maiores demandas estão alguns de grande produção no Brasil, frango, carne bovina e soja. Itens industrializados como sopas e sucos também têm vendas ampliadas pela época. Entre os árabes, agricultores de tâmara intensificam a produção.

Do Brasil para os árabes
Este ano o Ramadã teve início em 05 de maio, e o aumento nos embarques de alimentos do Brasil aos países árabes pode ser visto a partir de março. Foram 1,05 millhão de toneladas, frente a 963 mil toneladas em fevereiro. A tendência vem seguindo até o mês de abril, que antecede a celebração.

Um dos principais mercados para o setor produtivo de carne de frango do Brasil, o bloco de países árabes aumenta sua demanda no período. No comparativo entre abril de 2018 e abril de 2019, a venda de frango aos países árabes cresceu 34,9% em volume, para 338,9 mil toneladas, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Acarne bovina e a soja também apresentaram maior movimentação. De acordo com dados da Inteligência de Mercado da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em abril de 2019 em relação ao mesmo mês de 2018, houve crescimento de 107% na exportação de carne bovina, chegando a 24,45 mil toneladas. Já as vendas de soja no mesmo comparativo subiram 58,34%, somando 116 mil toneladas do produto.
Ainda no comparativo dos meses de abril deste ano e do ano passado, os embarques totais de alimentos seguiram em variação positiva de 46,13%, atingindo 926,25 mil toneladas exportadas. Embora possam existir variações nesse crescimento em alguns anos, Zoghbi explica que elas não afetam a tendência natural de aumento. “O mercado é consistente. É um mercado muito importante para o Brasil. São sempre assim sazonais e nessa época dois meses antes sobem as vendas. Já no mês do Ramadã, caem um pouco por causa dos estoques”, apontou.
(ANBA ) (Thais Sousa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 21/05
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)
Segunda-Feira, 20/05
'Frango 4.0’: 7 milhões de frangos por ano (09:02)
Mercado do Boi: cotações podem retomar fôlego (08:06)
Soja: semana de bons negócios no Brasil (08:00)
Retaliação da China cria pânico na suinocultura dos EUA e abre brecha para o Brasil (07:53)
SC quer estimular a produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:51)
SC busca solução para o recolhimento de animais mortos (07:50)
Ovos no Amazonas: produção chegou a 520 milhões de unidades em 2018 (07:48)
Aves contrabandeadas são sacrificadas por falta de documentação sanitária (07:47)
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)
Quinta-Feira, 16/05
Boi Gordo: preço do bezerro sobe, mas arroba permanece estável e poder de compra cai (11:00)
Demanda externa provoca reabertura de frigoríficos (10:55)
Ceva promove eventos sobre laringotraqueite infecciosa pelo país (10:44)
Confira a programação completa da 5ª Favesu (09:37)
Limpadora de ovos fica sem receber adicional de insalubridade de granja (09:09)
Governo costura nova medida para elevar disputa no crédito (08:16)
Mercado do Boi Gordo interrompe a queda por um dia para depois retomar rumo de baixa (08:10)
Cotações perdem força, mas milho encerra a quarta-feira ainda em alta na Bolsa de Chicago (08:08)
Preços da soja sobem forte no Brasil nesta 4ª feira (08:05)
Ministério muda regras para ingresso de produtos de origem animal no país (08:03)
Exportações do agro somam US$ 30,42 bi no quadrimestre (07:58)
Consultoria jurídica da CNA beneficia produtores integrados de aves e suínos (07:36)
Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp (07:34)
Criada há três anos, Lei da Integração trouxe equilíbrio entre produtores e agroindústria (07:32)
Quarta-Feira, 15/05
Ceva apresentará no Simpósio Goiano de Avicultura dados da vacina Cevac IBras (11:22)
Cobb-Vantress realiza Escola Técnica Cobb+Aurora e homenageia a empresa pelos 50 anos de história (11:18)
Veja os convidados confirmados do AveLive (09:40)
Conferência FACTA WPSA-Brasil: como a avicultura deve se preparar frente nova demanda? (09:18)
Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda (08:23)
Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto (08:05)
Oferta de boiadas melhora e pressão de baixa ganha força (08:01)
Cotações do milho disparam em Chicago nesta terça-feira (07:59)
Brasil negocia cerca de 2 mi de t de soja nesta 3ª feira com disparada dos preços em Chicago (07:57)
União Europeia volta a ser o principal destino das vendas externas paulistas (07:55)
Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos (07:10)