Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Política Agrícola

Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp
São Paulo, 16 de Maio de 2019 - Assim como ocorre em Brasília, o agronegócio conseguiu reunir na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) representantes de partidos de esquerda e direita na maior frente parlamentar criada na Casa desde o início da atual legislatura, em 15 de março. De lá pra cá, a SP-Agro, como tem sido chamada, já agrupou 70 deputados – 75% do total. O objetivo é defender os interesses do setor que movimentou R$ 267,9 bilhões apenas no ano de 2017 em São Paulo e é visto por produtores rurais, representantes de entidades de classe e parlamentares como uma área subrepresentada no Legislativo paulista.
A SP-Agro tem representantes de 22 dos 24 partidos – ninguém do PSL ou do PSOL entrou no grupo. Os assuntos definidos como prioritários foram segurança no campo, defesa sanitária, seguro rural, tributação, incentivo à inovação e valorização das instituições de pesquisa e ensino, explica o deputado Itamar Borges (MDB), líder da SP-Agro. A reforma da Previdência também está no radar.

“A frente vem para propor melhorias e aperfeiçoamentos nas legislações que nascerem”, diz. Hoje, há 72 projetos que trazem impactos do agronegócio na Alesp. Entre eles, um que proíbe a criação de animais em confinamento. “Se proibir, acaba com a avicultura, com a suinocultura, com a pecuária”, diz Borges.

O parlamentar destacou a atividade de diagnóstico como uma das maiores funções do grupo – tanto para identificar as necessidades do setor e propor políticas públicas quanto para monitorar e acompanhar como ele pode ser afetado por novas leis. “Temos que fazer com que as políticas públicas se encaixem de uma forma positiva, proativa e não repreensiva”.

Fórum
Mais de 30 entidades de representação de diferentes setores do agronegócio apoiam a SP-Agro. Elas trabalharão juntas no Fórum do Agronegócio Paulista. A ideia é atuar nos moldes do Instituto Pensar Agro, formado por técnicos e especialistas que produzem conhecimento para subsidiar as decisões da Frente Parlamentar da Agropecuária, um dos grupos mais poderosos do Congresso Nacional, com 225 deputados e 32 senadores.

“Temos muitos deputados urbanos e nem todos têm a noção exata do que é o setor, do tanto que ele gera de emprego e de renda. Queremos mostrar isso e ser como é a Frente Parlamentar da Agropecuária em Brasília”, diz Ariel Mendes, líder do Fórum e diretor da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa mais de 140 agroindústrias de suínos e aves ao redor do Brasil.

O Fórum terá reuniões semanais conduzidas pelo corpo técnico das entidades. Os parlamentares só precisam comparecer obrigatoriamente na última reunião do mês. “A nossa ideia é que a cada 60 dias as entidades venham conversar com os parlamentares para apresentar alguma demanda”, acrescenta Itamar Borges. O objetivo é manter o colegiado aberto para ouvir os pedidos do setor, semelhante a como ocorre na FPA em Brasília.

Na avaliação de Ibiapaba Neto, diretor da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), é importante evitar votações ideológicas que podem prejudicar o setor. “As discussões devem ser técnicas acima de tudo. Essa frente traz mais qualificação para os debates”, diz ele, que representa a terceira atividade mais importante do agronegócio paulista, atrás da cana-de-açúcar e da produção de carne bovina.

O ex-deputado federal Evandro Gussi, que hoje preside a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e integrou a FPA, diz que, em um Estado urbanizado como São Paulo, é importante fornecer informações sólidas aos parlamentares sobre agropecuária. “Esse tipo de iniciativa, nos Estados Unidos e em outros países, é um processo complementar entre o poder público e a iniciativa privada. É um movimento global para permitir a oferta de informação e dados para aqueles que vão tomar as decisões”, avalia o representante da entidade que tem mais de 120 usinas associadas.

De acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria estadual de Agricultura e Abastecimento, há cerca de 334 mil propriedades rurais em São Paulo, das quais 283 mil (84%) pertencem a produtores familiares, com cerca de 5 a 40 hectares. Cada hectare tem o equivalente ao tamanho de um campo de futebol. “A representação que o agronegócio tinha é menor do que a importância econômica do setor”, diz Antônio Junqueira, representante da Sociedade Rural Brasileira (SRB) no Fórum.
(Repórter Diário) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)