Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Exportação

Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam

Mercado precisa de um novo jeito, de observação e de métodos, segundo Fernando Muraro, da AgRural.
São Paulo, SP, 17 de Maio de 2019 - O mercado de commodities atualmente tem alguns fatores imponderáveis. A simplicidade do acompanhamento da oferta e da demanda das commodities já não é suficiente para uma avaliação do setor.

Dinheiro em excesso no mundo e facilidades nas comunicações trouxeram uma “financeirização” ao mercado há uma década.

Além dessas incertezas de quando e para onde o mercado financeiro vai, outros componentes de momento também dificultam o entendimento do mercado: guerra comercial, dólar e até a peste suína na China.

A avaliação é de Fernando Muraro, diretor da AgRural, que diz ser necessário “um novo jeito de ver o mercado”. É necessária muita observação e método, segundo ele. Ele classifica o ano de 2019, por exemplo, como um período de reviravolta.

“O (Donald) Trump, presidente dos Estados Unidos, está botando fogo no mundo.” E isso é mais um componente para as avaliações, já complicadas devido ao comportamento da Bolsa de Chicago, e plantio nos Estados Unidos.

Em 2000, a Bolsa de Chicago negociava o correspondente a quatro safras mundiais de milho e dez de soja. No ano passado, esses volumes atingiram 11 para o milho e 22 para a soja.
No início do ano passado, os fundos de investimentos, que viram que o mercado de commodities é muito atraente, tinham 28 milhões de toneladas de soja compradas em suas carteiras. Neste ano, estão com 22 milhões vendidas.

Quando entram comprando no mercado, os preços sobem. Quando saem,
desabam.

O mercado é muito influenciado, ainda, pelo dólar index, uma cesta de seis moedas em relação ao dólar americano. Existe uma correlação inversa e perversa. Quando a taxa do dólar sobe, derruba os preços das commodities.

Além desses efeitos externos contínuos sofridos pelas commodities, o mercado é afetado por ações de governos, como a guerra comercial entre chineses e americanos.

Essas disputadas comerciais entre os Estados Unidos, o maior produtor, e a China, a maior importadora, geram um excesso de estoques nos armazéns americanos. Já no Brasil, os chineses pagam prêmios para ter a soja brasileira.

A oleaginosa registrou o menor preços dos últimos 11 anos nesta semana. Além de dificuldades dos americanos para semear o milho, cuja área poderá ser transferida para a soja, o mercado prevê um consumo menor na China devido à peste suína.
Definir a hora de vender se tornou um ponto estratégico e necessita modelos de acompanhamento. “Tempo é mais importante do que preço”, diz ele.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 26/06
Terça-Feira, 25/06
Evonik participa de mais uma edição do Simpósio Goiano de Avicultura (09:06)
PR: Exportação avícola para a China em maio é 110% superior ao mesmo mês de 2018 (08:31)
Frigoríficos já encaram problema na venda ao Irã (08:27)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho (08:13)
Boi Gordo: mercado parado, mas firme (08:11)
Milho: cotações sobem em Chicago (08:03)
Soja fecha em campo positivo nesta 2ª feira (08:00)
Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação (07:47)
Economia do Sul se destaca e cresce mais que média do país (06:54)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho; embarques de soja têm força (06:46)
OMC vai avaliar se Indonésia mantém barreira comercial a carne de frango brasileira (06:44)
Tocantins recebe investidores dos Emirados Árabes interessados em consolidar negócios no Estado (06:43)
Segunda-Feira, 24/06
Polinutri anuncia seu novo presidente executivo (11:52)
Ovos: poder de compra deve cair pelo segundo mês seguido (10:45)
Soja: movimento de alta é interrompido (10:43)
Milho: exportação mantém preço em alta (10:42)
Wisium destacará diferenciais do Emulmix durante o Avicultor 2019 (10:37)
Custo de produção de suínos cai no mês de maio; produzir frango ficou mais caro (08:16)
Na FAO, ministra defende fim do protecionismo dos países desenvolvidos na agricultura (08:14)
Apoiado pelo Brasil, vice-ministro da Agricultura chinês é eleito novo diretor-geral da FAO (08:12)
Mercado do boi firme na volta do feriado (08:02)
Soja: mercado inicia semana intensa operando em alta na CBOT nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 21/06
Em Roma, Tereza Cristina afirma que vai trabalhar para eleição de candidato chinês na FAO (14:02)
Boi Gordo: preços da arroba voltam a subir no mercado paulista (13:11)
Suínos: diferença entre preço de exportação e o praticado no país diminui (13:10)
Frango: preços da carne e dos cortes estão em queda (08:02)
SC: alta de 51% nas exportações de carne suína em maio (07:48)
Avicultor 2019 será também no Espaço Cento e Quatro (07:43)
Previsão de safra recorde 'congestiona' cooperativas no Paraná (07:41)
O inverno que começa nesta sexta-feira terá influência do El Niño (07:38)
Copacol iniciou pagamento de complementação (07:36)
Preço médio do frango registrou valorização de 21,4% em MS em 2019 (07:34)
Embargo da UE de volta à pauta brasileira (07:30)
JBS desembolsa R$ 2,7 bi para amortizar dívidas com bancos no Brasil (07:21)
Soja encerra o pregão desta 5ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:17)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (07:16)
Mercado do boi retoma patamares de preços anteriores à episódio da vaca louca. (07:13)
Quinta-Feira, 20/06