Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Matérias-Primas

Soja: semana de bons negócios no Brasil
Campinas, SP, 20 de Maio de 2019 - Os preços da soja fecharam o pregão da última sexta-feira (17), na Bolsa de Chicago, com mais de 20 pontos de queda. As cotações foram pressionadas por um movimento de realização de lucros e pelas informações de que a China está descartando novas negociações com os EUA no curto prazo diante do que chamou de "imposições" do presidente Donald Trump.

Assim, o vencimento terminou o dia com US$ 8,21 por bushel, com queda de 18 pontos. Em relação à última sexta-feira, porém, a posição tem uma alta de 1,48% Já o agosto, que terminou com US$ 8,28 e perdendo 18,25 pontos, subiu em relação ao dia 10, 1,60%.

Com as baixas em Chicago, os prêmios subiram no Brasil e superaram os 100 pontos, como relatou o diretor do Grupo Labhoro, Ginaldo Sousa, em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta sexta. Algumas posições chegaram a bater os 110 pontos acima dos valores da CBOT diante, não só do recuo no quadro internacional, mas também da forte demanda pela soja do Brasil.

E não só pelos prêmios, mas os preços da soja no mercado brasileiro foram favorecidos também pelo dólar. A moeda americana voltou a disparar e terminou a sexta-feira nos R$ 4,10, com alta de 1,62%. Na máxima do dia, a divisa bateu nos R$ 4,11 e o fechamento é o mais alto desde 19 de setembro.

O dólar subiu, na semana, 4% frente ao incerto e aquecido cenário político nacional, bem como pela elevada aversão ao risco no internacional, intensificada, principalmente, pelas questões da guerra comercial entre China e Estados Unidos. O sentimento do mercado financeiro global é de que um acordo entre as duas maiores economias esteja cada vez mais distante.

Assim, nos melhores momentos do dia - e da semana -, os preços da soja nos portos brasileiros variaram entre R$ 80,00 e R$ 81,50 por saca e motivaram bons negócios. Ainda como explicou Sousa, os três pés de formação dos preços da soja no mercado brasileiro se mostraram positivos nos últimos dias - já que Chicago caiu, nesta sexta-feira, depois de três dias consecutivos de altas fortes - e criaram um "momento ímpar" para o produtor brasileiro.

Somente na última terça-feira (14), quando os preços dispararam na Bolsa de Chicago e fecharam com ganhos de quase 30 pontos - o Brasil negociou aproximadamente dois milhões de toneladas de soja entre portos e interior.

Para o presidente da AgResource (ARC), Dan Basse, os chineses poderiam esperar os resultados das eleições presidenciais em 2020 para voltar a negociar efetivamente com os EUA, o que amplia ainda mais as oportunidades para a soja brasileira.

"Isso quer dizer que o Brasil pode ser o maior exportador para a China até o começo de 2021", diz. "O importante será saber aproveitar as oportunidades que o mercado vai trazer a partir de agora", finalizou.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 26/06
Terça-Feira, 25/06
Evonik participa de mais uma edição do Simpósio Goiano de Avicultura (09:06)
PR: Exportação avícola para a China em maio é 110% superior ao mesmo mês de 2018 (08:31)
Frigoríficos já encaram problema na venda ao Irã (08:27)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho (08:13)
Boi Gordo: mercado parado, mas firme (08:11)
Milho: cotações sobem em Chicago (08:03)
Soja fecha em campo positivo nesta 2ª feira (08:00)
Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação (07:47)
Economia do Sul se destaca e cresce mais que média do país (06:54)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho; embarques de soja têm força (06:46)
OMC vai avaliar se Indonésia mantém barreira comercial a carne de frango brasileira (06:44)
Tocantins recebe investidores dos Emirados Árabes interessados em consolidar negócios no Estado (06:43)
Segunda-Feira, 24/06
Polinutri anuncia seu novo presidente executivo (11:52)
Ovos: poder de compra deve cair pelo segundo mês seguido (10:45)
Soja: movimento de alta é interrompido (10:43)
Milho: exportação mantém preço em alta (10:42)
Wisium destacará diferenciais do Emulmix durante o Avicultor 2019 (10:37)
Custo de produção de suínos cai no mês de maio; produzir frango ficou mais caro (08:16)
Na FAO, ministra defende fim do protecionismo dos países desenvolvidos na agricultura (08:14)
Apoiado pelo Brasil, vice-ministro da Agricultura chinês é eleito novo diretor-geral da FAO (08:12)
Mercado do boi firme na volta do feriado (08:02)
Soja: mercado inicia semana intensa operando em alta na CBOT nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 21/06
Em Roma, Tereza Cristina afirma que vai trabalhar para eleição de candidato chinês na FAO (14:02)
Boi Gordo: preços da arroba voltam a subir no mercado paulista (13:11)
Suínos: diferença entre preço de exportação e o praticado no país diminui (13:10)
Frango: preços da carne e dos cortes estão em queda (08:02)
SC: alta de 51% nas exportações de carne suína em maio (07:48)
Avicultor 2019 será também no Espaço Cento e Quatro (07:43)
Previsão de safra recorde 'congestiona' cooperativas no Paraná (07:41)
O inverno que começa nesta sexta-feira terá influência do El Niño (07:38)
Copacol iniciou pagamento de complementação (07:36)
Preço médio do frango registrou valorização de 21,4% em MS em 2019 (07:34)
Embargo da UE de volta à pauta brasileira (07:30)
JBS desembolsa R$ 2,7 bi para amortizar dívidas com bancos no Brasil (07:21)
Soja encerra o pregão desta 5ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:17)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (07:16)
Mercado do boi retoma patamares de preços anteriores à episódio da vaca louca. (07:13)
Quinta-Feira, 20/06