Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Exportação

Balança comercial do agronegócio deste ano não repete o recorde de 2018

Exportações poderão ficar pelos menos US$ 8 bilhões abaixo dos US$ 102 bi do ano passado
São Paulo, SP, 24 de Maio de 2019 - As receitas externas do agronegócio vão impulsionar menos a economia
brasileira neste ano. As exportações perdem força e vão render menos do que no ano passado.

Os preços externos de commodities estão em queda. No ano passado, as
exportações totais do setor foram recordes, somando US$ 102 bilhões. Neste
ano, deverão ser pelo menos US$ 8 bilhões inferiores.
A principal queda nas exportações vem do complexo soja, o líder nas
exportações brasileiras.

Após ter registrado um patamar recorde em 2018, quando as receitas em
dólares atingiram US$ 41 bilhões, as exportações do setor podem recua para
US$ 33 bilhões neste ano. Volume e preço menores vão determinar a queda.
Em 2018, por causa da guerra comercial dos Estados Unidos com a China
e da quebra de safra na Argentina, o Brasil elevou para um patamar recorde o volume exportado para os chineses.

As carnes, outro item de importância para a balança comercial,
poderá ter comportamento inverso ao da soja.

A China também determinará o desempenho do setor. O efeito da peste
suína africana no país asiático é tão grande que a produção de carne suína poderá cair 30%.
Com isso, a China vai elevar as importações de proteínas, abrindo espaço
para os produtos brasileiros.
As exportações deste ano poderão superar em pelo menos US$ 1 bilhão o
patamar de US$ 14,7 bilhões de 2018.

O terceiro principal item da balança comercial do agronegócio, os produtos
florestais, também não terá o mesmo bom desenvolvimento de 2018.
As exportações devem recuar para US$ 13 bilhões, em razão da redução de
preços da celulose.

Quanto às exportações de madeiras, elas vão depender do ritmo das
economias dos Estados Unidos, do Canadá e da China, grandes importadores
do Brasil.

As exportações de açúcar, que em 2018 já tiveram desempenho bem inferior
ao de 2017, voltam a recuar neste ano.
As vendas externas se manterão em volume, mas as receitas, por causa dos
preços externos menores, deverão cair próximo de 5%. Em 2018 somaram
US$ 6,5 bilhões.

Café e suco também perdem espaço na balança deste ano. Em ambos os
casos os preços internacionais estão em queda. As exportações de café crescem em volume, mas as receitas poderão ficar abaixo dos US$ 5 bilhões
do ano passado.
As exportações de suco de laranja, em razão da demanda externa menor pela
commodity nos últimos anos, ficarão abaixo dos US$ 2 bilhões do ano
passado.

Milho e algodão melhoraram suas posições. O país terá mais milho para
exportar, por causa da grande produção deste ano. O cereal do Brasil vai
concorrer, no entanto, com o da Argentina, país que terá safra recorde.
O comportamento da taxa de câmbio será decisivo para o produto brasileiro.
Nos patamares atuais dará boa competitividade ao cereal.
No caso do algodão, o volume exportado cresce, e as receitas
deverão superar os US$ 2 bilhões do ano passado.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 26/06
Terça-Feira, 25/06
Evonik participa de mais uma edição do Simpósio Goiano de Avicultura (09:06)
PR: Exportação avícola para a China em maio é 110% superior ao mesmo mês de 2018 (08:31)
Frigoríficos já encaram problema na venda ao Irã (08:27)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho (08:13)
Boi Gordo: mercado parado, mas firme (08:11)
Milho: cotações sobem em Chicago (08:03)
Soja fecha em campo positivo nesta 2ª feira (08:00)
Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação (07:47)
Economia do Sul se destaca e cresce mais que média do país (06:54)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho; embarques de soja têm força (06:46)
OMC vai avaliar se Indonésia mantém barreira comercial a carne de frango brasileira (06:44)
Tocantins recebe investidores dos Emirados Árabes interessados em consolidar negócios no Estado (06:43)
Segunda-Feira, 24/06
Polinutri anuncia seu novo presidente executivo (11:52)
Ovos: poder de compra deve cair pelo segundo mês seguido (10:45)
Soja: movimento de alta é interrompido (10:43)
Milho: exportação mantém preço em alta (10:42)
Wisium destacará diferenciais do Emulmix durante o Avicultor 2019 (10:37)
Custo de produção de suínos cai no mês de maio; produzir frango ficou mais caro (08:16)
Na FAO, ministra defende fim do protecionismo dos países desenvolvidos na agricultura (08:14)
Apoiado pelo Brasil, vice-ministro da Agricultura chinês é eleito novo diretor-geral da FAO (08:12)
Mercado do boi firme na volta do feriado (08:02)
Soja: mercado inicia semana intensa operando em alta na CBOT nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 21/06
Em Roma, Tereza Cristina afirma que vai trabalhar para eleição de candidato chinês na FAO (14:02)
Boi Gordo: preços da arroba voltam a subir no mercado paulista (13:11)
Suínos: diferença entre preço de exportação e o praticado no país diminui (13:10)
Frango: preços da carne e dos cortes estão em queda (08:02)
SC: alta de 51% nas exportações de carne suína em maio (07:48)
Avicultor 2019 será também no Espaço Cento e Quatro (07:43)
Previsão de safra recorde 'congestiona' cooperativas no Paraná (07:41)
O inverno que começa nesta sexta-feira terá influência do El Niño (07:38)
Copacol iniciou pagamento de complementação (07:36)
Preço médio do frango registrou valorização de 21,4% em MS em 2019 (07:34)
Embargo da UE de volta à pauta brasileira (07:30)
JBS desembolsa R$ 2,7 bi para amortizar dívidas com bancos no Brasil (07:21)
Soja encerra o pregão desta 5ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:17)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (07:16)
Mercado do boi retoma patamares de preços anteriores à episódio da vaca louca. (07:13)
Quinta-Feira, 20/06