Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Legislação

Cálculo de pensão mensal por doença ocupacional deve incluir parcelas variáveis
Brasília, DF, 07 de Junho de 2019 - A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou que sejam incluídos na base de cálculo da pensão mensal devida pela BRF S. A. em razão de doença ocupacional os rendimentos efetivos do empregado, computando-se o valor do seu último salário acrescido das parcelas variáveis habitualmente recebidas, como o 13º salário e o terço constitucional de férias. Segundo a Turma, a indenização por danos materiais tem de corresponder ao valor da perda patrimonial sofrida pelo empregado.

O empregado relatou, na ação trabalhista, que fora admitido como operador de produção. Inicialmente, trabalhou nas granjas de aves poedeiras, mas depois foi transferido para o frigorífico de aves, na atividade de retirar asas de frango. Quase três anos depois, foi remanejado para o setor de evisceração. Em decorrência de uma lesão no ombro direito, foi afastado do trabalho e, ao retornar, passou a trabalhar na limpeza de calhas, pois ficara inabilitado para a função que exercia anteriormente.

O juízo de primeiro grau condenou a empresa ao pagamento de indenização por danos materiais em parcela única, diante da constatação, no laudo pericial, do nexo de causalidade entre o trabalho e a doença osteomuscular. Segundo o perito, alguns gestos no trabalho representam risco para as lesões e resultaram na redução parcial da capacidade de trabalho, sem, no entanto, afirmar que era definitiva, em razão da possibilidade de evolução do quadro clínico.

O Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) manteve a responsabilidade da empresa pela doença, mas converteu a indenização em parcela única em pensão mensal até quando o empregado completar 73 anos de idade ou até que sobrevenha modificação do seu estado clínico. O TRT determinou ainda a compensação do benefício previdenciário recebido pelo empregado no valor da pensão.

No recurso de revista, o empregado questionou a compensação do auxílio previdenciário e sustentou que deveriam ser incluídas na base de cálculo da pensão todas as parcelas que receberia caso não tivesse sido prejudicado pela perda da capacidade de trabalho.

A relatora, ministra Maria Helena Mallmann, observou que o TST, com fundamento no princípio da restituição integral (artigos 402 e 950 do Código Civil), entende que a indenização por danos materiais tem de corresponder ao valor da perda patrimonial sofrida pelo empregado. Assim, toda parcela habitualmente recebida por ele na vigência do contrato de trabalho deve ser considerada na base de cálculo da pensão.

O desconto dos valores pagos pela Previdência Social, segundo a ministra, também é indevido. “A jurisprudência pacífica é de que a indenização por danos materiais ou pensão mensal e o benefício previdenciário não se confundem, pois têm naturezas distintas (civil e previdenciária). Por conseguinte, não é possível a compensação da indenização com o valor pago pelo INSS”, concluiu.

A decisão foi unânime. Após a publicação do acórdão, foram opostos embargos de declaração, ainda não julgados.
(Tribunal Superior do Trabalho) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 26/06
Terça-Feira, 25/06
Evonik participa de mais uma edição do Simpósio Goiano de Avicultura (09:06)
PR: Exportação avícola para a China em maio é 110% superior ao mesmo mês de 2018 (08:31)
Frigoríficos já encaram problema na venda ao Irã (08:27)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho (08:13)
Boi Gordo: mercado parado, mas firme (08:11)
Milho: cotações sobem em Chicago (08:03)
Soja fecha em campo positivo nesta 2ª feira (08:00)
Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação (07:47)
Economia do Sul se destaca e cresce mais que média do país (06:54)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho; embarques de soja têm força (06:46)
OMC vai avaliar se Indonésia mantém barreira comercial a carne de frango brasileira (06:44)
Tocantins recebe investidores dos Emirados Árabes interessados em consolidar negócios no Estado (06:43)
Segunda-Feira, 24/06
Polinutri anuncia seu novo presidente executivo (11:52)
Ovos: poder de compra deve cair pelo segundo mês seguido (10:45)
Soja: movimento de alta é interrompido (10:43)
Milho: exportação mantém preço em alta (10:42)
Wisium destacará diferenciais do Emulmix durante o Avicultor 2019 (10:37)
Custo de produção de suínos cai no mês de maio; produzir frango ficou mais caro (08:16)
Na FAO, ministra defende fim do protecionismo dos países desenvolvidos na agricultura (08:14)
Apoiado pelo Brasil, vice-ministro da Agricultura chinês é eleito novo diretor-geral da FAO (08:12)
Mercado do boi firme na volta do feriado (08:02)
Soja: mercado inicia semana intensa operando em alta na CBOT nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 21/06
Em Roma, Tereza Cristina afirma que vai trabalhar para eleição de candidato chinês na FAO (14:02)
Boi Gordo: preços da arroba voltam a subir no mercado paulista (13:11)
Suínos: diferença entre preço de exportação e o praticado no país diminui (13:10)
Frango: preços da carne e dos cortes estão em queda (08:02)
SC: alta de 51% nas exportações de carne suína em maio (07:48)
Avicultor 2019 será também no Espaço Cento e Quatro (07:43)
Previsão de safra recorde 'congestiona' cooperativas no Paraná (07:41)
O inverno que começa nesta sexta-feira terá influência do El Niño (07:38)
Copacol iniciou pagamento de complementação (07:36)
Preço médio do frango registrou valorização de 21,4% em MS em 2019 (07:34)
Embargo da UE de volta à pauta brasileira (07:30)
JBS desembolsa R$ 2,7 bi para amortizar dívidas com bancos no Brasil (07:21)
Soja encerra o pregão desta 5ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:17)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (07:16)
Mercado do boi retoma patamares de preços anteriores à episódio da vaca louca. (07:13)
Quinta-Feira, 20/06