Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Mercado Externo

Demanda japonesa por carne continua superando a oferta doméstica
Piracicaba, 12 de Junho de 2019 - Os produtores de carne do Japão estão lutando para atender à demanda crescente em meio à queda na produção, revelaram novos dados.

Isso, por sua vez, levou a crescentes importações, preocupações com a segurança alimentar e ações do governo para apoiar a criação de gado.

O consumo de carne bovina, suína, de frango e de cordeiro está em alta há muito tempo, chegando a 89,7g por pessoa por dia no ano-base até março de 2018. Isso representa um aumento de 17,6% em relação aos 20 anos anteriores, de acordo com os mais dados recentes do Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas do país.

Além disso, a população está gastando mais com carne, apesar de gastar menos com comida em geral. Uma pesquisa sobre renda e despesas familiares, realizada pelo Ministério da Administração Interna, mostrou que os gastos com alimentação por mês caíram desde novembro de 2018, chegando a JP ¥ 25.431 (US $ 235) em janeiro de 2019, uma queda de 1,4% ao ano.

Os gastos com carne bovina, no entanto, cresceram 3,1% com relação ao ano anterior em janeiro de 2019. Nos primeiros três meses de 2019, houve um aumento anual, não apenas nos gastos em frango e carne suína, principalmente presunto e salsicha, mas também em volume consumido, disse a pesquisa.

De acordo com a ALIC (Agriculture & Livestock Industries Corporation) o apetite do Japão por – e a vontade de gastar dinheiro com – a carne é devido ao crescimento econômico e às mudanças nas necessidades dos consumidores. Estes incluem maiores vendas de alimentos de conveniência para uma população que está envelhecendo, mais famílias de pessoas solteiras que necessitam de refeições rápidas, mais mulheres em empregos remunerados, em vez de gastar tempo com trabalho doméstico, e a crescente popularidade de comer fora.

A produção doméstica de carne, no entanto, não acompanhou o ritmo. No mesmo período de 20 anos, subiu apenas 8,6%, disse a ALIC. “A escassez de gado bovino é devido à queda no número de gado leiteiro, à ocorrência de febre aftosa e aos efeitos do Grande Terremoto do Leste do Japão e do incidente nuclear em 2011 ”, que atingiu a produção pecuária, disse um porta-voz da ALIC.

Essa escassez elevou a taxa de auto-sucessão de carne do Japão para 53% em 2016, abaixo dos 56% em 2010, reduzindo assim a auto-suficiência alimentar total do país, que se manteve estável em torno de 40% desde 1997. Ela está agora em 38% , uma das taxas mais baixas entre os principais países industrializados.

O Escritório de Estatísticas do Japão atribuiu a queda do país em segurança alimentar ao aumento do “consumo de produtos pecuários e óleos e gorduras”.

Enquanto isso, para aumentar a produção, o governo japonês alocou fundos para criar bezerros comunalmente em galpões em grupo, em vez de em baias individuais, como é tradicional no Japão. Também financiou a introdução de tecnologia para apoiar prenhez e partos.

O porta-voz da ALIC afirmou que este trabalho estava ajudando a recuperação da produção de carne bovina através do “fortalecimento da base de reprodução e expansão da produção”.
(Beef Point) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 26/06
Terça-Feira, 25/06
Evonik participa de mais uma edição do Simpósio Goiano de Avicultura (09:06)
PR: Exportação avícola para a China em maio é 110% superior ao mesmo mês de 2018 (08:31)
Frigoríficos já encaram problema na venda ao Irã (08:27)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho (08:13)
Boi Gordo: mercado parado, mas firme (08:11)
Milho: cotações sobem em Chicago (08:03)
Soja fecha em campo positivo nesta 2ª feira (08:00)
Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação (07:47)
Economia do Sul se destaca e cresce mais que média do país (06:54)
Preço da carne suína exportada pelo Brasil dispara em junho; embarques de soja têm força (06:46)
OMC vai avaliar se Indonésia mantém barreira comercial a carne de frango brasileira (06:44)
Tocantins recebe investidores dos Emirados Árabes interessados em consolidar negócios no Estado (06:43)
Segunda-Feira, 24/06
Polinutri anuncia seu novo presidente executivo (11:52)
Ovos: poder de compra deve cair pelo segundo mês seguido (10:45)
Soja: movimento de alta é interrompido (10:43)
Milho: exportação mantém preço em alta (10:42)
Wisium destacará diferenciais do Emulmix durante o Avicultor 2019 (10:37)
Custo de produção de suínos cai no mês de maio; produzir frango ficou mais caro (08:16)
Na FAO, ministra defende fim do protecionismo dos países desenvolvidos na agricultura (08:14)
Apoiado pelo Brasil, vice-ministro da Agricultura chinês é eleito novo diretor-geral da FAO (08:12)
Mercado do boi firme na volta do feriado (08:02)
Soja: mercado inicia semana intensa operando em alta na CBOT nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 21/06
Em Roma, Tereza Cristina afirma que vai trabalhar para eleição de candidato chinês na FAO (14:02)
Boi Gordo: preços da arroba voltam a subir no mercado paulista (13:11)
Suínos: diferença entre preço de exportação e o praticado no país diminui (13:10)
Frango: preços da carne e dos cortes estão em queda (08:02)
SC: alta de 51% nas exportações de carne suína em maio (07:48)
Avicultor 2019 será também no Espaço Cento e Quatro (07:43)
Previsão de safra recorde 'congestiona' cooperativas no Paraná (07:41)
O inverno que começa nesta sexta-feira terá influência do El Niño (07:38)
Copacol iniciou pagamento de complementação (07:36)
Preço médio do frango registrou valorização de 21,4% em MS em 2019 (07:34)
Embargo da UE de volta à pauta brasileira (07:30)
JBS desembolsa R$ 2,7 bi para amortizar dívidas com bancos no Brasil (07:21)
Soja encerra o pregão desta 5ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:17)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (07:16)
Mercado do boi retoma patamares de preços anteriores à episódio da vaca louca. (07:13)
Quinta-Feira, 20/06